Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Timão em noite memorável em São Januário

Simplesmente impressionante a atuação do Vasco no começo do jogo sob muita chuva em São Januário.

Fria e calculadamente pôs o Corinthians na roda e com absoluta predominância trocou passes até fazer 1 a 0: aos 3 minutos com Pumita.

O cerco permaneceu diante de um alvinegro inerte e impotente.

Como futebol é futebol, toque de Giuliano, erro no corte de Medel num balão, e Giuliano, de cabeça, pôs na de Romero para empatar 1 a 1.

Sim, os paulistas acharam um gol e os cariocas, por cerca de dois minutos, pareceram sentir a surpresa do empate.

Logo voltaram a dominar e a se impor e a explorar as veteranas laterais, incapazes de acompanhar o ritmo cruzmaltino.

Não demorou muito e Pumita achou Vegetti na área para o goleador botar o Vasco outra vez na frente: 2 a 1, aos 24.

Estranhamente, a partir daí, quem passou a trocar passes como se fosse o Vasco foi o Corinthians, ao se aproveitar de recuo inexplicável do rival.

Entao, aos 44, em escanteio pela direita, Fagner levantou, Veríssimo escorou de cabeça e Romero, outra vez de cabeça, novamente empatou: 2 a 2.

Continua após a publicidade

A defesa vascaína assistia passivamente o jogo aéreo corintiano e o intervalo chegou com o empate decretado.

O jogo que era esperado ser guerreado, era surpreendentemente bem jogado e interessante.

Como Tite ressuscitou Cebolinha, Mano Menezes redescobriu Romero, encostado por Vanderlei Luxemburgo.

Para o Corinthians o empate estava de ótimo tamanho, mas, para o Vasco, não.

O francês Payet, 36 anos, buscava comandar a ansiedade de um lado e Renato Augusto, 35, tentava explorá-la do outro.

Os protagonistas do clássico, porém, eram mesmo o uruguaio Pumita e o paraguaio Romero.

Continua após a publicidade

A torcida vascaína não parou nem mesmo no intervalo e quando o jogo chegou aos 10 minutos do segundo tempo, é justo mencionar, embora possa ser precipitado, com arbitragem impecável, em noite de alta tensão.

E com o Vasco outra vez superior.

Maycon saiu e Cantillo entrou, aos 14, mexida temerária porque o colombiano não tem o poder de marcação do brasileiro.

E, aos 15, Renato Augusto deu a bola para o menino Moscardo, 18, que mandou uma pomba ensopada para virar e botar o Corinthians na frente: 3 a 2.

O silêncio em São Januário só era quebrado pelo canto da Fiel.

Ramón Díaz logo pôs Rossi e Paulo Henrique, nos lugares de Pumita e Paulinho. Realmente também difícil de entender, porque Pumita pintava e bordava.

Continua após a publicidade

Diante de mais de 20 mil torcedores, Jair saiu e Sebástian entrou, para fazer companhia a Vegetti.

Bruno Méndez e Matheus Araújo substituíram o esforçado Yuri Alberto, que levou o terceiro cartão amarelo, e Renato Augusto, certamente por desgaste.

O jogo chegava aos 30 minutos.

Naturalmente o Vasco foi à frente meio em modo kamikaze e dava espaço para o Corinthians que pôs Giovani e Wesley, aos 35, nos postos de Romero e Giuliano.

A vida de treinador de time mal montado é dura: ter de recorrer a tantos garotos num jogo desses.

Quando o jogo chegou aos 40 era visível o desgaste e o nervosismo vascaínos.

Continua após a publicidade

Capasso e Pec saíram e Zé Vitor e Alex Teixeira entraram.

O Corinthians jogava à bola para o mato e o Vasco jogava ao modo antigo dos ingleses: chuveirinho na área.

O jogo bem disputado do primeiro tempo virou um deus nos acuda.

Zé Vitor e Vegetti discutiam com veemência.

Sete minutos de acréscimos e um escorregão de Cássio quase valeu o empate.

O Corinthians só se defendia para garantir a 14ª vitória nos últimos 13 anos sobre o Vasco, com oito empates. E olhe que o nono empate seria muito bem-vindo.

Continua após a publicidade

Para culminar, Matheus Araújo foi à linha de fundo pela direita e entregou com açúcar para Giovane fazer 4 a 2!

Que dedo, hein Mano?!

Então, o de sempre.

Jogo paralisado por 5 minutos porque a torcida cruzmaltina se revoltou enquanto a Fiel cantava Está chegando a hora.

Ao chegar aos 47 pontos, o Corinthians está virtualmente salvo de cair pela segunda vez.

E o Vasco muito ameaçado pela quinta vez.

Continua após a publicidade

Depois da lavada em Itaquera o Corinthians se recuperou da maneira formidável e repetiu a façanha contra o Grêmio.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes