PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Autor de gol histórico do Atlético-PR quer maioridade Sul-Americana

Luisinho Netto defendeu o Furacão nos anos 90 - Reprodução/YouTube
Luisinho Netto defendeu o Furacão nos anos 90 Imagem: Reprodução/YouTube

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

28/11/2018 04h00

Campeão da Seletiva da Libertadores em 1999, o Atlético-PR experimentou naquele 16 de fevereiro de 2000 a primeira vez em um torneio oficial da Conmebol. O adversário era o Alianza Lima, no Peru. Após uma cobrança de escanteio de Luisinho Netto, o próprio lateral-direito aproveitou a sobra e mandou para a área. A bola fez uma curva e enganou Léo Percovich, goleiro do Alianza, que atualmente é técnico das equipes de base do Fluminense no Brasil. O jogo acabou 3 a 0 para o time brasileiro.

Daquele gol para cá, o Atlético passou a frequentar o calendário internacional até chegar ao jogo desta quarta-feira (28), em que pode avançar para final da Copa Sul-Americana. O adversário é, por coincidência, o Flu de Percovich – cujo caminho já havia cruzado com o do Furacão na Batalha das Laranjeiras em 1996. Com uma vantagem de 2 a 0 construída em Curitiba, o Atlético visita o Maracanã em meio à crise do Tricolor carioca tentando sua segunda decisão continental nos últimos 18 anos.

Desde 2000, o Atlético participou cinco vezes da Libertadores e sete da Copa Sul-Americana. E tudo começou com o gol de Luisinho Netto. “Pra mim foi um dia marcante. O primeiro gol na Libertadores pelo Atlético, um campeonato internacional. Ninguém conhecia o Atlético no cenário internacional e a gente foi pra lá motivado, sabendo que se a gente tivesse uma grande estreia a gente colocaria o nome do Atlético lá. E nem nos meus melhores sonhos eu imaginei que faria o gol, por que a gente tinha Lucas, Kelly, Kleber. Foi inesquecível”, relembrou em contato com o UOL Esporte.

Luisinho Netto mora em Curitiba até hoje e é assessor parlamentar de outro ex-atleticano, Paulo Rink. Viu o Atlético crescer como clube. “Hoje é uma estrutura completamente diferente daquela minha época. Cheguei ao Atlético em agosto de 1996 e fiquei ali por cinco anos, tive momentos fantásticos. Joguei como jogadores de alto nível, Kléberson, Jadson, Paulo Rink, Oséas, Gabiru, Kleber, Lucas... uma geração que ganhou títulos. Eu vejo um clube estruturado, a coisa ficou diferente da nossa época. Outro momento, hoje briga por uma final de Sul-Americana, um título que ainda não tem. É importante essa estrutura para brigar de igual para igual com esses times grandes do Brasil.”

Maioridade passa por um título continental

Gol CAP - Reprodução/YouTube - Reprodução/YouTube
Lusinho Netto (ao fundo) observa a bola encobrir Percovich: primeiro gol do Atlético em competições Conmebol
Imagem: Reprodução/YouTube

Essa “grandeza” é a maioridade que Luisinho Netto imagina para o Furacão, caso consiga passar pelo Fluminense e dispute a taça sul-americana. “Já é um clube grande. Não fica devendo nada pra São Paulo, Corinthians, Palmeiras, em termos de estrutura, estádio. Mas um campeonato internacional como a Sul-Americana, uma Libertadores, a conquista seria importante. Ao longo do tempo o nome do Atlético foi criando respeito, tanto dentro quanto fora do Brasil. Hoje ele vai jogar fora e é bem visto, cria um pouco de medo. Sabem que é um clube que tem história, pelas Libertadores que jogou. No meu modo de ver, o Atlético já se fez respeitar. Mas um título internacional é importante, claro. Quem sabe agora, passando pelo Fluminense e conquistando a Sul-Americana é o que faltava para ser reconhecido fora do Brasil.”, comentou.

Luisinho Netto ainda passou por Cruzeiro, Sport e Internacional antes de encerrar a carreira. Agora é torcedor de arquibancada do Furacão, ao menos enquanto termina o curso para treinador de futebol. “Vou ver o jogo em casa, com amigos atleticanos. Sempre que não vamos a gente se junta e fica aqui torcendo. O Atlético já fez um grande jogo em Curitiba, vai com essa vantagem no Rio de Janeiro, é um time que sabe se defender e com Pablo, Rony, Marcelo Cirino... sabe atacar rápido. Por mais que o Maracanã tenha mais torcedores do Fluminense, vai haver atleticanos e a minha expectativa é que o time consiga passar e possa brigar por esse título, para carimbar essa passagem no cenário internacional.”

Futebol