PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Cruzeiro x Palmeiras termina com agressões e expulsões dos dois lados

Do UOL, em São Paulo

27/09/2018 00h03Atualizada em 04/06/2020 20h29

O jogo entre Cruzeiro e Palmeiras, que terminou com empate por 1 a 1 e classificação do time mineiro à final da Copa do Brasil nesta quarta-feira (26), no Mineirão, teve confusão no final. Jogadores dos dois lados agrediram adversários, e o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães expulsou o cruzeirense Sassá e os palmeirenses Diogo Barbosa e Mayke.

O tumulto começou logo depois do apito final. Léo e Felipe Melo se desentenderam e uma pequena confusão se formou. Em seguida, vários jogadores do Palmeiras partiram para cima de Lucas Romero, do Cruzeiro. No empurra-empurra, Diogo Barbosa agrediu Léo, enquanto Sassá deu um soco no rosto de Mayke - que também tentou bater, mas não acertou.

Jogadores reservas e comissão técnica das equipes atuaram para acalmar a briga. Com os ânimos controlados, o árbitro mostrou o cartão vermelho a Diogo Barbosa, Sassá e Mayke. As agressões acabaram relatadas na súmula e os jogadores podem ser punidos no STJD.

A briga entre Sassá e Mayke quase recomeçou na entrada dos vestiários. Os seguranças dos dois clubes seguraram os atletas que ficaram se xingando. Gustavo Gomez, que não estava inscrito na Copa do Brasil, surgiu ofendendo o atacante cruzeirense. "Filho da p...".

Na coletiva de imprensa, Luiz Felipe Scolari comentou a situação e pediu que a imprensa analisasse as cenas antes de eleger um culpado.

"Não quero entrar no mérito, apenas quero que vocês coloquem as imagens de quem levou um soco por trás. E quando a bola estava no ar quem foi que apanhou e não revidou e não fez nada. Foi agredido e não revidou e não fez nada. Espero que a imprensa não eleja sempre um vilão. Tem outros vilões que não aparecem. Acho absurdo. O Cruzeiro ganhou, classificou, mas nós não... Olha quem agrediu o Mayke", analisou o treinador.

No domingo, os dois times voltam a se enfrentar, e Felipão espera que uma nova confusão não seja vista. "No domingo, tomara, eu rezo e peço para que seja um jogo de futebol. Por favor. Que a torcida saiba disso".

O clima tenso também foi visto nas arquibancadas do Mineirão. Parte da torcida do Palmeiras entrou em conflito com a polícia ao tentar invadir a área de imprensa após o apito final, chegando a agredir um segurança.

Com o empate em casa, o Cruzeiro se garantiu na final da Copa do Brasil, já que havia vencido o jogo de ida por 1 a 0 no Allianz Parque. Na decisão, a equipe celeste vai enfrentar o Corinthians, que eliminou o Flamengo na outra semifinal.

Esporte