PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Caetano se defende de citação em súmula de Inter x Santos: "Ridícula"

Do UOL, em Porto Alegre

23/10/2018 16h37

Rodrigo Caetano, diretor executivo de futebol do Inter, solicitou espaço para se manifestar nesta terça-feira (23). Em entrevista coletiva, o dirigente rebateu o que foi citado pelo árbitro Ricardo Marques Ribeiro em súmula e disse que o juiz teve reação descabida após o jogo contra o Santos na segunda-feira.

"Eu vim contestar o que o árbitro transcreveu na súmula, pelo menos em partes. Não quero dizer que não houve conversa com ele, houve sim. Mas a forma e a palavra que ele utilizou, que eu o havia ofendido, de forma nenhuma, nunca fiz isso com ele ou outro profissional do esporte. Eu até o qualificava, até ontem, entre os cinco ou seis melhores árbitros. E o fato de ficar fazendo ilação de forma pejorativa em relação a minha situação, de eu ter que usar muletas foi bizarra, ridícula", disse Caetano.

O dirigente explicou sua versão sobre a discussão na antessala dos vestiários do Beira-Rio.

"Eu sempre me posiciono recebendo os nossos atletas e do adversário, com os quais muitas vezes eu trabalhei, no pós-jogo. Em outras vezes, inclusive, tentei acalmar os ânimos (Gre-Nal). Quando ele subiu, me viu na porta do vestiário e me interpelou de forma exaltada perguntando o que eu faria ali? Já veio precavido, sabendo do erro que tinha cometido. Ele estava de forma muito alterada, houve uma discussão, que vocês já viram. Ele passa e eu fico conversando com o representante da arbitragem e segue o que todos viram. Por isso não aceito o que está na súmula", explicou.  "Ele chegou de forma exaltada perguntando o que eu estava fazendo ali. Ele se exaltou, levantou a voz, mas não pode se utilizar da súmula como um documento que vira verdade", acrescentou.

Em súmula, Ricardo Marques Ribeiro citou que Caetano teria o chamado de 'safado' em meio a uma discussão. Além de ter erguido uma das muletas que usa para se locomover em razão de uma cirurgia em direção ao árbitro. Um vídeo do episódio mostra o juiz sendo contido por colegas da equipe de arbitragem para não entrar em confronto físico com profissionais do Inter, que não aparecem na imagem.

O Internacional ainda irá se manifestar oficialmente contra as decisões do árbitro. No entanto, fará isso de acordo com o protocolo de ação dos clubes.

"Quando aconteceram episódios semelhantes, sempre seguimos o rito que nos é determinado. Fazemos o levantamento dos lances, enviamos para a comissão de arbitragem, que se comunica através da ouvidoria, e não vamos mudar em nada este caminho. Este é o meio de comunicação com eles e assim que vamos seguir. Esperando de forma muito otimista que algo seja feito para mudar esta relação com os árbitros. Eles são humanos, podem errar, mas precisam ter mais humildade para se relacionar e não utilizar de um documento para se proteger. A relação precisa evoluir e esperamos que estas rodadas que nos aguardam sejam menos polêmicas com bom senso da CBF para inserir o VAR nas rodadas finais", finalizou.

O Internacional empatou em 2 a 2 com o Santos e reclamou muito do gol anulado de Leandro Damião. Na incerteza sobre a marcação do impedimento, o árbitro paralisou o jogo por seis minutos. Depois de consultar a equipe de arbitragem, ele manteve a decisão de invalidar o gol. 

Esporte