PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Levir quer dar atenção especial para trabalhar Cazares:"preciso conhecê-lo"

Siga o UOL Esporte no

Do UOL, em Belo Horizonte

22/10/2018 04h00

Após a derrota do Atlético-MG por 1 a 0 para o Fluminense, o técnico Levir Culpi assumiu a culpa pelo revés por ainda não conhecer parte do elenco alvinegro. Sincero em suas primeiras palavras, o treinador também admitiu que terá um olhar especial sobre Cazares. O camisa 10 do Galo é um dos jogadores mais talentosos do elenco, mas ao mesmo tempo um dos mais cobrados devido à instabilidade mostrada em campo. Questionado sobre o assunto, Levir admitiu destinar atenção especial ao meia.

"Sim, claro. Eu ouvi isso de todo mundo. Que o Cazares tem uma capacidade técnica que poucos têm. É batedor de bola parada, ótimo passador, deixa os caras na cara do gol. E que tem uma presença refinada. Agora, precisamos traduzir isso em números. Nós somos números, quantos jogos o técnico ganhou, empatou? Isso é o que vai te manter empregado. Preciso saber um pouco mais sobre ele e conhecê-lo. Preciso conhecer para tirar uma ideia melhor sobre o que ele pode produzir", comentou o treinador.

Nos números, Cazares é um dos primeiros no Atlético. Com sete gols na temporada, só marcou menos que Ricardo Oliveira, artilheiro na temporada, e Róger Guedes, que já deixou o clube. Como garçom, é o vice-líder de assistências, perdendo somente para Otero, outro que já deixou a equipe. Contudo, o 'efeito vagalume' é o que aumenta os questionamentos sobre ele. Quando joga bem, Cazares desperta alta expectativa nos torcedores, mas tem dificuldades para manter o bom futebol em compromissos seguintes.

Contra o Fluminense, Cazares apresentou um futebol discreto. No primeiro tempo, atuou mais avançado e pouco participou. Como a bola não chegou com frequência ao meio-campo, o ritmo lento mostrado pela equipe influenciou também no atacante Ricardo Oliveira, outro que tocou poucas vezes na bola.

Mas não é só Cazares que Levir Culpi terá que conhecer melhor. Apesar de estar em sua quinta passagem no Atlético, o treinador chegou há menos de uma semana e já admitiu ainda não conhecer bem o plantel do Atlético. Faltando oito jogos para o fim do Brasileiro, lidar com o pouco tempo e voltar a somar pontos será importante para terminar a temporada com uma vaga na Libertadores. Hoje, o clube tem 46 pontos na sexta colocação.

"Eu sou casado e não conheço direito minha mulher. É complicado, o ser humano, quando você menos espera, faz algo que você não acredita que faria. É uma questão de empatia. Vamos ver como será nosso relacionamento com o grupo. É um conhecimento, precisamos perder juntos, vencer juntos. São muitas situações que ainda vamos enfrentar até o final do ano", finalizou.

Esporte