PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Atlético-PR aguarda manifestação do Japão para regularizar atacante Rony

Rony pelo Albirex Niigata: jogador espera por manifestação do Japão para defender o Atlético - Albirex Niigata/Divulgação
Rony pelo Albirex Niigata: jogador espera por manifestação do Japão para defender o Atlético Imagem: Albirex Niigata/Divulgação

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

27/08/2018 17h43

Incorporado ao elenco do Atlético Paranaense desde o dia 10 de agosto, o atacante Rony espera por uma manifestação da federação japonesa de futebol, prevista para essa terça-feira (28), para finalmente poder ser escalado pelo técnico Tiago Nunes, conforme a necessidade do treinador. O jogador conseguiu uma liberação na Fifa para deixar o Albirex Niigata e defender o Furacão, mas o clube japonês e a federação local não enviaram os documentos que o liberariam.

Os japoneses teriam de enviar os papéis, sob recomendação da Fifa, até o último dia 22, mas conseguiram prorrogar o prazo por mais cinco dias úteis para decidirem se irão protestar contra a liberação ou abrir mão de uma disputa judicial.

Rony entrou com uma reclamação na Fifa em 9 de maio para anular o contrato com o Niigata, alegando inconsistência contratual. Ele foi emprestado pelo Cruzeiro para o Niigata em dezembro de 2016 e teve parte dos direitos colocados na negociação de Bruno Silva com o Botafogo. O atacante voltou ao Brasil, mas o clube japonês protestou.

O Corinthians entrou na jogada, mas entendeu ser uma transação temerosa. Rony então pediu o fim do vínculo na Fifa, que optou por não se manifestar de imediato, mas permitiu que Rony rescindisse o contrato unilateralmente e pudesse seguir sua carreira até que haja um julgamento da questão. O Atlético então entendeu que Rony poderá defender o clube.

Com o prazo vencendo nesta terça-feira, o Furacão espera poder utilizar Rony sob duas circunstâncias: se a manifestação dos japoneses for litigiosa, o Atlético espera se valer de um registro temporário para colocá-lo em campo enquanto a Fifa não define a questão; se os japoneses se manifestarem pela liberação, o registro provisório feito na CBF será o suficiente para que o jogador possa atuar no Brasil.

Esporte