PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Agora rival, Mano Menezes fez Damião despontar e inflacionou saída do Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

27/04/2018 04h00

Rival do Inter neste domingo, Mano Menezes tem uma passagem importante pela carreira de Leandro Damião. Como técnico da seleção brasileira, o atual comandante do Cruzeiro levou o centroavante colorado aos jogos que o fizeram despontar. De quebra, inflacionou a saída dele da equipe gaúcha.

Mano convocou Damião pela primeira vez para os amistosos contra Escócia e Gana, em 2011. No segundo deles, diante dos africanos, Damião iniciou como titular e marcou seu primeiro gol pela seleção, que venceu por 1 a 0.

Mas a valorização exponencial veio no  Superclássico das Américas (jogo entre Brasil e Argentina somente com jogadores locais). Em setembro, o jogo de ida, em Buenos Aires, fez 'viralizar' um drible que se tornaria marca do atacante. A 'carretilha', ou 'lambreta', que consiste em puxar a bola por trás do corpo lançando por cima do adversário e pegando em seguida. Emiliano Papa foi a vítima e as imagens do lance correram o mundo.

Naquela época, o Internacional já sabia de todo potencial de Damião, que vivia temporada brilhante. Em 2011 foram 40 gols em 53 jogos, mas apenas depois da seleção é que Damião passou a ser conhecido nacionalmente e internacionalmente.

Vieram os Jogos Olímpicos de Londres, nova convocação e a artilharia do torneio, com seis gols marcados. O Brasil, porém, perdeu a medalha de ouro ao ser derrotado pelo México na final.

Enquanto isso, o mercado da bola já estava atento a Damião. O primeiro a postular a chegada do jogador foi o Tottenham, da Inglaterra. Uma oferta de 12 milhões de euros (R$ 27,6 milhões na cotação da época) chegou a balançar o Colorado. Mas o clube gaúcho entendeu que não era o momento para efetuar a venda, renovou contrato com ele levando a rescisão de contrato para 60 milhões de euros e o manteve crente na inflação.

Foi o que ocorreu. Damião fez 24 gols em 43 jogos na temporada seguinte. Seguiu sendo convocado e teve mais 10 jogos na seleção. A média caiu para 13 em 50 jogos em 2013 e ainda assim fez mais três partidas já sob comando de Dunga na equipe nacional. E então veio a decisão por vendê-lo. E o preço aumentou. O Santos foi quem levou em parceria com o grupo Doyen pagando, ao todo, R$ 41 milhões ao Colorado.

"Para mim será um jogo bem especial. Contra uma grande equipe e com um treinador que me treinou e me levou para seleção. Tenho acompanhado o time deles, é muito técnico e bem montado. Tem o Thiago Neves, o De Arrascaeta, uma equipe muito forte. Mas vamos enfrentar de igual para igual. É um grande time, com um grande treinador que eu respeito muito, mas estamos em casa e temos que vencer", disse projetando o confronto de domingo com o Cruzeiro.

Mano foi peça fundamental na arrancada de Damião, o fez pular de status com a seleção brasileira, levou mais dinheiro, com isso, aos cofres do Inter na venda, e agora será oponente.

Inter e Cruzeiro jogam no domingo às 19h (de Brasília) no Beira-Rio pela terceira rodada do Brasileiro. Damião volta a ser titular após 67 dias afastado do time com uma contratura na cervical.

Esporte