PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Chape marca no início dos dois tempos e vence o Flu sem dificuldade

Do UOL, no Rio de Janeiro

22/10/2017 20h53

Em um duelo de duas equipes que brigam para se distanciar da zona da degola do Brasileiro, a Chape venceu o Fluminense por 2 a 0, com gols de Arthur e Wellington Paulista, e deu uma boa respirada na tabela de classificação. Melhor postado em campo, o time da casa fez por merecer a vitória diante de um adversário lento e muito pouco inspirado.

Com a vitória, a Chapecoense saltou para a 11ª  posição, com 38 pontos. O Tricolor tem a mesma pontuação, mas caiu para o 13º posto. Na quarta, o Flu volta suas atenções para encarar o rival Flamengo, em jogo válido pela Sul-Americana. A Chape tem um bom tempo livre de treinos até sábado, quando pega o Atlético-PR, na rena da Baixada.

Superioridade verde

Em um duelo de duas equipes que ainda tem de se livrar de vez da zona da degola, a Chapecoense entrou em campo de maneira avassaladora na Arena Condá. Logo aos três minutos, Reinaldo cruzou para Arthur, que cabeceou e abriu o placar.

Estático em campo, o Flu pouco fez para furar o bom bloqueio dos donos da casa, e ainda sofreu demais com os sucessivos erros de passes. Sem Sornoza, coube a Gustavo Scarpa tentar conduzir a equipe, mas o camisa 10 não foi eficiente o bastante.

Mais ligada em campo, a Chape tomou conta das ações e esteve muito mais próximo de marcar do que de levar um gol. Não fosse Cavalieri, o time teria ampliado com Wellington Paulista e Amaral. A única chace criada pelo Flu em 45 minutos foi com Marlon Freitas, que perdeu gol praticamente sem goleiro.

Filme repetido

A Chapecoense tratou de liquidar a fatura logo com um minuto. Mais uma vez em uma bola alçada à área tricolor, a Chape levou vantagem e marcou. Desta vez, Reinaldo bateu escanteio bem fechado, e Wellington Paulista empurrou para dentro após confusão na pequena área tricolor.

Com uma vantagem confortável, a Chapecoense seguiu dominando a partida. Bem fechada na defesa, a Chape esperou as brechas do Fluminense, que foi um rival que teve a bola, mas não conseguiu ser efetivo em momento algum.

Diante deste cenário, coube aos mandantes fazer o jogo que lhes cabia: tocar a bola, fazer o tempo correr e esperar o Tricolor vir para cima. Com uma estratégia bem montada e segura, o Alviverde não teve maiores dificuldades para segurar a vantagem e sair da Arena Condá com os três pontos.

Baixas que pesam

O Fluminense se ressentiu demais das ausências de Sornoza, Douglas e Henrique Dourado, todos poupados do duelo no oeste catarinense. Os dois ficaram fora por precaução, mas não deverão ser problemas para o clássico diante do Flamengo, pela Copa Sul-Americana.

Luto tricolor

O árbitro Claudio Francisco Lima determinou que fosse observado um minuto de silêncio em memória de Itamar Freitas, pai do volante tricolor Marlon Freitas, que morreu no último sábado, vítima de um câncer. O jogador foi escalado como titular e os jogadores atuaram com uma tarja preta no uniforme branco.

Encontro

Antes de a bola rolar, o goleiro Follmann, um dos sobreviventes do desastre aéreo de Medellín, esteve no hotel do Flu. Ele encontrou Diego Cavalieri, e o Flu registrou o momento em suas redes sociais.

Freguesia

Desde 1976, quando Chapecoense e Fluminense jogaram pela primeira vez, os catarinenses não sabem o que é perder para o time carioca. São seis vitórias e dois empates até aqui.

Chapecoense x Fluminense
Local: Arena Condá, Chapecó (SC)
Árbitro: Claudio Francisco Lima Silva (SE)
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Fabio Pereira (TO)
Cartões amarelos: Douglas (CHA), Gum (FLU)
Cartões vermelhos:
Gols: Arthur, aos 3 minutos do primeiro tempo; Wellington Paulista, a 1 minuto do segundo tempo.

Chapecoense
Jandrei; Apodi, Douglas, Fabrício Bruno e Reinaldo; Amaral (Elicarlos), Moisés Ribeiro, Canteros e Luiz Antônio; Arthur (Lucas Mineiro) e Wellington Paulista (Júlio César). Técnico: Emerson Cris

Fluminense
Diego Cavalieri; Lucas, Gum, Reginaldo e Marlon; Richard (Robinho), Marlon Freitas, Wendel e Gustavo Scarpa (Luquinhas); Marcos Jr. (Romarinho) e Peu. Técnico: Abel Braga  

Esporte