Topo

Esporte


Palmeiras não pensa em reforços e mantém aposta em Gareca contra crise

Palmeiras apostou em reforços sul-americanos, como o argentino Allione - Ernesto Rodrigues/Folhapress
Palmeiras apostou em reforços sul-americanos, como o argentino Allione Imagem: Ernesto Rodrigues/Folhapress

Pedro Lopes e Vanderlei Lima

Do UOL, em São Paulo

21/08/2014 16h10

A diretoria do Palmeiras não pensa em reforços como a solução para a má fase do clube – com 14 pontos, o time alviverde ocupa a lanterna do Brasileirão, no ano de seu centenário.  O UOL Esporte apurou com pessoas próximas à cúpula palmeirense que, a não ser que surja uma oportunidade única no mercado, o elenco segue como está na sequência do campeonato.

Depois de afirmar nesta quarta-feira que segue no cargo, e que não pretende abandonar o barco com o clube em uma situação ruim, Ricardo Gareca segue com o apoio da direção. A paciência com o argentino, aliás, não é só de diretores: a grande maioria dos conselheiros, de situação e oposição, vê o treinador com crédito e longe de ser o culpado pela situação do time.

Na avaliação da diretoria, o problema do Palmeiras é outro. Os jogadores, após começar bem as partidas, tem se abatido com facilidade diante de dificuldades como gols sofridos e falhas individuais. Foi assim no clássico diante do São Paulo, e novamente nesta quarta diante do Sport.

De folga nesta quinta, o alviverde retoma as atividades na manhã desta sexta-feira. A primeira chance de recuperação será no sábado, diante do Coritiba.

Deja vú

Enquanto o time tenta sair da má fase dentro de campo, conselheiros começam a tentar articular uma repetição do que aconteceu no final de 2012, nos últimos dias da gestão Arnaldo Tirone: as reuniões entre o presidente e presidenciáveis.

Um dos responsáveis pela iniciativa é Roberto Frizzo, vice na gestão Tirone e um dos pré-candidatos à presidência para 2015 – os outros são Wlademir Pescarmona e o próprio Paulo Nobre.

O objetivo é discutir a situação atual e já criar um planejamento para a entrada no próximo ano, independentemente de quem assumir o comando. As eleições, pela primeira vez na história do clube, serão diretas, e acontecem em novembro.

Mais Esporte