PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Tom Brady mostra que nem as polêmicas o impedem de ser unanimidade na NFL

Tom Brady gesticula durante a partida entre New England Patriots e Kansas City Chiefs - Ronald Martinez/Getty Images/AFP
Tom Brady gesticula durante a partida entre New England Patriots e Kansas City Chiefs Imagem: Ronald Martinez/Getty Images/AFP

Do UOL, em São Paulo

21/01/2019 16h00

O New England Patriots está em mais um Super Bowl e deve muito disso a Tom Brady. Mesmo em uma temporada abaixo do que já foi apresentado por ele durante a carreira, o quarterback segue mostrando que é o melhor de todos os tempos do futebol americano.

No duelo contra o Kansas City Chiefs, no último domingo, Brady usou de toda sua experiência para frear o ímpeto de Patrick Mahomes, de 23 anos. O jovem quarterback é apontado como um dos grandes nomes para o futuro da NFL. Em um jogo equilibrado, Brady levou a melhor ao mandar a bola para Rex Burkhead anotar o touchdown da vitória por 37 a 31.

A exaltação a Brady como maior de todos parte da própria NFL, a liga norte-americana do esporte. Em um de seus textos sobre o duelo contra o Kansas City Chiefs, a entidade usa a sigla "GOAT" (Melhor de todos os tempos, em inglês) para se referir ao jogador do New England Patriots.

"Já reconhecido como o melhor jogador de todos os tempos em sua posição, Tom Brady está agora esfregando na cara", afirmou o jornal "Guardian" em seu texto após o duelo.

A classificação tem muita relação com o que Brady simboliza aos Patriots. Apenas o 199º jogador escolhido no Draft de 2000, o quarterback chegou a uma franquia sem títulos e, ao lado do treinador Bill Belichick, a transformou na mais vitoriosa das últimas duas décadas: cinco taças em oito edições de Super Bowl disputadas.

Os números também jogam junto com Tom Brady. O quarterback pode se tornar o único jogador a conquistar seis títulos da NFL. Atualmente, ele está empatado com Charles Haley com cinco. Além disso, Brady é o detentor de 14 recordes do Super Bowl, entre eles, passes para touchdown e jardas passadas.

O desempenho dentro de campo faz com que nem as polêmicas acumuladas sejam suficientes para diminuir o quarterback de 41 anos.

Escândalo das bolas murchas e apoio a Trump

Tom Brady ao lado de Donald Trump - Donna Connor/WireImage - Donna Connor/WireImage
Imagem: Donna Connor/WireImage

Talvez a principal mancha na carreira de Tom Brady seja o escândalo conhecido como Deflategate. Nas finais de conferência da temporada 2014/15, os Patriots usaram bolas mais murchas do que a regra permite para levar vantagem sobre o Indianapolis Colts. Com chuva e frio, a bola oval fica mais fácil de ser manuseada quando não está tão cheia.

Brady negou na época participação no escândalo. Mesmo assim, foi suspenso por quatro jogos e os Patriots tiveram que pagar uma multa de US$ 1 milhão.

Fora de campo, o tema mais polêmico de Tom Brady envolve política. O quarterback é amigo de Donald Trump e declarou em 2015 apoio ao magnata nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. Naquela época, o atual presidente era apenas pré-candidato do Partido Republicano. Quando as opiniões polêmicas de Trump vieram a público, Brady começou a ser cobrado pelo apoio.

Com o aumento das polêmicas, Brady se fechou. O quarterback se recusava a responder todas as vezes em que era questionado sobre política e Donald Trump. A imprensa norte-americana atribuiu a mudança de postura a uma recomendação da modelo brasileira Gisele Bündchen, que é casada com o jogador.

Esporte