PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Não é "loucura": Raikkonen na Sauber pode ser opção da Ferrari para 2019

Kimi Raikkonen acena para o público; finlandês pode deixar a escuderia italiana - Mark Thompson/Getty Images
Kimi Raikkonen acena para o público; finlandês pode deixar a escuderia italiana Imagem: Mark Thompson/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, Budapeste (HUN)

26/07/2018 04h00

Uma declaração do chefe da Sauber no último fim de semana chamou a atenção. Frederic Vasseur disse que receberia Kimi Raikkonen como piloto em 2019 de braços abertos e que “é melhor ter um campeão do mundo do que alguém que não ganhou nada.” À primeira vista, a ida do finlandês para a equipe que é atualmente a penúltima colocada no mundial causa estranheza, mas é uma possibilidade real.

A Sauber tem estreita parceria com a Ferrari, que tem o direito de indicar um de seus pilotos. O time vem recebendo uma considerável injeção de dinheiro dos italianos, que usam os carros suíços para promover outra marca do Grupo Fiat, a Alfa Romeo. Tal investimento começou neste ano e deve aumentar nas próximas temporadas, até a equipe se tornar, efetivamente, da Alfa Romeo.

Os efeitos da parceria já são visíveis: com maior investimento, a Sauber deixou de ser sempre a lanterna nos treinos e corridas e sua estrela, Charles Leclerc, tem largado continuamente entre os dez primeiros. A expectativa é que o time esteja ainda mais forte na próxima temporada.

A ida de Raikkonen para a Sauber, portanto, seria uma forma de a Ferrari manter o finlandês ao mesmo tempo em que promove o novato Charles Leclerc para o time principal, correndo ao lado de Sebastian Vettel, que tem contrato firmado até o fim de 2020.

Raikkonen, contudo, não é a opção mais provável. Caso a mudança de Leclerc para a Ferrari se concretize, o substituto natural seria Antonio Giovinazzi, atualmente terceiro piloto da Scuderia e membro da academia de pilotos ferrarista.

O italiano participou da primeira sessão de treinos livres pela Sauber na última corrida, na Alemanha, dentro de um programa para testá-lo, nos mesmos moldes do que foi feito com Leclerc ano passado, como explicou Vasseur.

"Ele provavelmente está na lista. Vamos fazer alguns primeiros treinos livres juntos e, provavelmente, essa é a melhor maneira de conhecer-nos. Nós fizemos a mesma coisa no ano passado com Charles e foi um bom primeiro passo."

A situação da Ferrari, contudo, passa por um momento de grande indefinição devido à morte do ex-CEO do Grupo Fiat, Sergio Marchionne, por complicações após uma cirurgia no ombro. O falecimento foi confirmado nesta quarta-feira. Marchionne era o grande incentivador da ida de Leclerc para a Ferrari.

Horários do GP da Hungria

Sexta-feira
Treino livre 1 6h
Treino livre 2 10h

Sábado
Treino livre 3 7h
Classificação 10h

Domingo
Corrida 10h10

Fórmula 1