PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Ex-companheiro rebate Massa: "só fiquei uma posição atrás em 2017"

Felipe Massa e Lance Stroll no paddock de Suzuka, no Japão - Clive Mason/Getty Images
Felipe Massa e Lance Stroll no paddock de Suzuka, no Japão Imagem: Clive Mason/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

27/04/2018 10h10

Companheiro de Felipe Massa na última temporada de Fórmula 1, o canadense Lance Stroll rebateu o brasileiro e disse que a crise enfrentada pela Williams na atual temporada foi supervalorizada pelo piloto.

Em entrevista à “Motorsport”, Stroll lembrou que chegou apenas uma posição atrás de Massa em 2017 e disse não ter entendido a intenção do brasileiro com a declaração de que a equipe passou a privilegiar mais a parte financeira.

 “Não entendo o que ele está tentando dizer. Bem, primeiramente, Felipe não está aqui. Ele se foi, está aposentado. E no ano passado, eu terminei uma posição atrás de Felipe, e não usando Felipe como uma referência, mas usando a mim mesmo como referência”, disse.

Na última temporada, Massa marcou 43 pontos e terminou na 11ª colocação, uma melhor do que o então estreante Lance Stroll (40 pontos). Nesta temporada, nenhum dos dois pilotos da Williams pontuou.

“Olho para onde eu estava em alguns momentos do ano passado e que o carro era capaz. Na China eu estive no Q3, em outras corridas, várias outras, eu marquei pontos. Então, não é sobre o que sei ou o que não é possível”, disse.

“É puramente pelo fato de que, no momento, o problema é que uma corrida competitiva nos dá o 13º, 14º lugar, e no ano passado nós estávamos confortavelmente nos pontos. Então é assim que vejo. Eu não presto muita atenção aos comentários, mas obviamente não é algo muito agradável”, completou.

Na entrevista publicada na última semana também pela “Motorsport”, Massa disse que o péssimo rendimento se deve a uma política que priorizou o dinheiro em vez de ações de desenvolvimento dos carros.

“Com certeza eles não fizeram um bom carro. Esta é a primeira coisa a dizer. Apesar disso, houve muitas mudanças dentro da equipe. A equipe sofreu muito sob o ponto de vista econômico. Então, eles tomaram algumas decisões de colocar o dinheiro em primeiro lugar. Isso não é suficiente para fazer um bom carro para a temporada”, complementou.

‘Não acho que eu poderia fazer mais’, diz Sirotkin

O russo Sergey Sirotkin, que substituiu Massa na Williams em 2018, também respondeu às declarações. No entanto, preferiu adotar uma postura menos agressiva.

“Não presto muita atenção aos comentários, mas obviamente não foi muito agradável. Todo mundo me pergunta sobre a falta de experiência, sobre o feedback ruim e coisas assim, mas durante minha carreira eu percebi que o número de temporadas que você correu nem sempre dá um retorno melhor e faz você entender melhor o carro”, disse o russo.

Em sua argumentação, o novato da Williams afirmou ter visto “todo tipo de exemplo” de piloto experiente que não entendia o próprio carro. E disse que os resultados da Williams são os melhores que a equipe poderia ter neste momento.

“Da forma como termos trabalhado, da forma como temos dado retorno ao time, não acho que eu poderia fazer mais. Não importa a experiência que você tem, o que importa é quão rápido e quão sólido você está com a informação que você passa aos seus engenheiros”, completou.

Fórmula 1