PUBLICIDADE
Topo

Rodolfo Rodrigues

Como na Alemanha, visitantes do Brasileirão vão melhor nos estádios vazios

Guilherme Arana celebra o gol do Atlético-MG contra o Flamengo no Maracanã - Divulgação/Atlético-MG
Guilherme Arana celebra o gol do Atlético-MG contra o Flamengo no Maracanã Imagem: Divulgação/Atlético-MG
Rodolfo Rodrigues

Rodolfo Rodrigues é apaixonado por números e estatísticas no futebol. Foi repórter do Lance!, editor da Placar e do prêmio Bola de Prata ESPN e é autor de dez livros sobre futebol.

11/08/2020 04h00

Foram apenas seis jogos, mas em metade deles os visitantes saíram com a vitória nessa primeira rodada do Brasileirão 2020. Com estádios sem público, por conta das normas de segurança contra o coronavírus, o futebol mundial vive uma nova realidade, em que os mandantes não têm tanta força como antes nos jogos em casa.

Nessa 1ª rodada, o Atlético-MG venceu o Flamengo no Maracanã, acabando com a invencilidade em casa do atual campeão, que não perdeu como mandante nos 19 jogos de 2019. Em Curitiba, o Inter bateu o Coritiba por 1 x 0, enquanto o Athletico Paranaense venceu o Fortaleza, no Castelão, por 2 x 0.

Na Alemanha, na volta do futebol após quatro meses de parada por conta da pandemia, o aproveitamento dos times mandantes foi de 39,2% contra 50,4% antes da parada. Nessa primeira rodada do Brasileirão, os mandantes, que venceram dois jogos (Grêmio 1 x 0 Fluminense e Sport 3 x 2 Ceará), tiveram um aproveitamento de 38,9% dos pontos.

Nos outros três grandes campeonatos nacionais que continuaram na Europa após a parada do coronavírus, os mandantes tiveram leve melhora em relação ao desempenho antes até março. Na Inglaterra, foram 43 vitórias, 21 empates e 28 derrotas dos mandantes (54,3% de aproveitamento, contra 53,3% pré-pandemia). Na Itália, a diferença foi um pouco maior (50,6% de aproveitamento contra 47,8% pré-pandemia). Já na Espanha, deu 50% contra 48,2%.

Aproveitamento dos mandantes pós-Pandemia

Você pode me encontrar também no twitter (@rodolfo1975) ou no Instagram (futebol_em_numeros)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.