PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Restrições no exterior viram obstáculo para maratonistas irem para Tóquio

Brasileiro Wellington Bezerra Da Silva durante a maratona masculina no Pan - PEDRO PARDO/AFP
Brasileiro Wellington Bezerra Da Silva durante a maratona masculina no Pan Imagem: PEDRO PARDO/AFP
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

15/04/2021 04h00

A chegada da primavera no Hemisfério Norte e do outono no Sul marca também a abertura da temporada internacional de maratonas. É a chance de atletas do mundo inteiro tentarem índice para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Mas os brasileiros temem ser definitivamente excluídos do jogo em um momento no qual diversos países fecham as fronteiras para quem sai do Brasil. Por causa disso, treinadores, atletas, dirigentes e organizadores se mobilizam para tentar viabilizar uma inédita seletiva no país.

Ao menos cinco brasileiros do grupo que treina com Cláudio Castilho em São Paulo estavam inscritos para correr em Santa Rosa, na Argentina, no fim de semana passado. Mas a prova foi cancelada em cima da hora. Além disso, o país vizinho está impedindo a entrada de visitantes brasileiros.

Os cinco — Ederson Vilela, Valdilene dos Santos, Andreia Hessel, Adriana Aparecida dos Santos e o coelho Bruno Lopes — estão também inscritos para a Maratona de Milão (Itália), daqui a um mês, mas hoje a Itália impede a entrada de pessoas que estiveram no Brasil nos 15 dias anteriores. Wellington "Cipó" conta que sua agente, a portuguesa Rita Borralho, conseguiu um lugar para ele na elite de Milão, mas ele nem sequer comprou passagem ainda.

"A gente não sabe se vai poder viajar, se não vai ser impedido de entrar na Itália. Então a gente nem comprou passagem. Vai deixar para a última hora, e aí vai ter que pagar mais caro", explica Cipó, que foi segundo do ranking nacional em 2019 e terceiro em 2018.

Daniel Chaves conseguiu lugar na forte elite da NN Mission, mas teria sido impedido de viajar do México, onde fazia treinamento de altitude, à Espanha, onde faria aclimatação — a reportagem não conseguiu contato com ele. Ficou fora da prova, que seria no fim de semana passado, em Hamburgo, e acabou não acontecendo, por causa das restrições sanitárias na Alemanha. Agora o evento está reprogramado para o próximo fim de semana, em um aeroporto na Holanda, sem a presença de brasileiros.

Maratona no Brasil

Desde o início da pandemia, o setor de corridas de rua está completamente parado no Brasil. Todas as maratonas programas para acontecerem de março de 2020 até hoje foram canceladas e não há perspectiva de que isso mude tão cedo. Mas, na falta de outras oportunidades, a CBAt está estudando a possibilidade de realizar um evento em "bolha" até o prazo limite para obtenção de índices na maratona, que é 31 de maio.

Uma das opções é a própria CBAt, terceirizando a produção para a Spiridon, organizar uma corrida internacional no Rio de Janeiro, no Aterro do Flamengo, que é considero por atletas um lugar muito úmido para obtenção de boas marcas. Essa prova aconteceria no fim de maio e poderia contar inclusive com a presença de estrangeiros.

A Yescom, que faz a Corrida Internacional de São Silvestre, porém, também procurou a CBAt com a proposta de fazer uma prova em São Paulo, em local fechado, com rígido controle sanitário. Entre os locais tidos como viáveis estariam o Anhembi, o vizinho Parque da Aeronáutica e a avenida da Raia Olímpica da USP. Já a Corre Brasil, de Santa Catarina, que faz entre outras a dura maratona da Serra do Rio do Rastro, propõe uma prova na Beira Mar Norte, em Florianópolis.

Em todos os casos seriam provas em circuitos, não lineares, como é tradicional na maratona, como forma de ampliar o controle sanitário e reduzir o custo de fechamento de vias. A Maratona de Londres aconteceu assim, por exemplo. Esse circuito, porém, não pode ser pequeno, menor do que 4km, porque muitas curvas acabam por aumentar o número de vezes que o atleta precisa desacelerar e acelerar, reduzindo as chances de uma boa marca.

Hoje o Brasil só tem dois maratonistas com índice olímpico: Paulo Roberto de Paula, que tem base em Portugal, e Daniel Chaves. Eles também são os únicos em atividade no país que, em algum momento da carreira, correram abaixo de 2h11min30, o índice exigido — Solonei Rocha, que tinha 2h11min32, se aposentou recentemente.

Mas a chegada dos novos tênis tecnológicos da Nike e da Adidas baixou de forma considerável os tempos no mundo todo e aumentou as expectativas de que outros brasileiros também obtenham índice, principalmente no masculino. No feminino isso é mais difícil. Já em reta final de carreira, Adriana Aparecida da Silva tem o segundo melhor tempo da história entre brasileiras, 2h29min17, e precisaria chegar muito perto disso para fazer o índice de 2h29min30. Ela vai se aposentar depois da Olimpíada.