PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

Marília Ruiz: Temos um novo português favorito e um novo patamar

Abel Ferreira - Staff Images / CONMEBOL
Abel Ferreira Imagem: Staff Images / CONMEBOL
Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

06/01/2021 11h38

A atuação de gala do Palmeiras na "estreia" em clássicos sul-americanos já rende seus frutos em manchetes e debates.

Linhas e mais linhas podemos gastar com o nosso novo português favorito e seus métodos para destroçar o super River. Especialistas em análise de desempenho o farão certamente.

Mas a verdade é que a revolução verde de Abel Ferreira é menos recheada de segredos do que os idiotas da objetividade querem crer. O encanto é explicado pelo talento de jovens jogadores e de um esquema tático não teimoso (e que levou muito em conta o talento dos adversários). Não se trata de se "apequenar", como acreditam que só exista o "futebol total" com mais posse de bola, mas de se adaptar, de ler e entender o jogo. Ao identificar os pontos fortes do River (as tabelas e trocas de passes rápidas do 4-1-3-2) e os pontos fracos (defesa lenta), Ferreira armou seu bote.

O Palmeiras atropelou o River impiedosamente com clichês do "soube sofrer" no início (até a primeira finalização lhe render o 1 a 0), do uso de contra-ataques mortais e de uma frieza que só um estádio vazio (infelizmente) pode oferecer. Mas nada disso funcionaria sem o futebol do Gabriel Menino, do Rony e da eficiência do Luiz Adriano.

Nem toda a genialidade que Gallardo pode reunir para o jogo de volta vai tirar a vaga na final do nosso novo português favorito.

Jorge Jesus foi para Portugal e perdeu seu lugar.

***

PS: Assim como os dirigentes do Flamengo acertaram com Jorge Jesus depois de terem apostado em Abel Braga (zero planejamento e ideia), nenhum dirigente do Palmeiras, que tentou 4 técnicos antes do Abel Ferreira, pode vestir a capa do super gênio agora. O mérito é do técnico, dos jogadores e do CEBOLA.