PUBLICIDADE
Topo

Gabriel Vaquer

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como contratos de TV e pandemia atrasam definição de jogos da Libertadores

Jogadores do Palmeiras comemoram a conquista da Copa Libertadores 2020 - Cesar Greco
Jogadores do Palmeiras comemoram a conquista da Copa Libertadores 2020 Imagem: Cesar Greco
Gabriel Vaquer

Gabriel Vaquer cobre mídia esportiva desde 2014. No UOL Esporte, conta detalhes do evento onde seu time joga e onde seu profissional de TV esportiva favorito vai trabalhar.

10/04/2021 04h00

Muita gente se perguntou após o sorteio dos grupos da Libertadores da América ontem (9) os motivos dos dias e horários dos jogos não terem sido definidos - algo que costumava acontecer com rapidez em outros anos. A Conmebol até queria, mas deixou para divulgar a tabela detalhada com transmissões somente na segunda-feira (12). O motivo são os contratos de televisão e a pandemia do novo coronavírus.

A coluna apurou que a Conmebol ainda ajusta o calendário com todas as emissoras de televisão detentoras dos direitos. O assunto será discutido durante o fim de semana entre executivos dos dois lados. A escolha atrasa mais ainda por causa do Facebook e do seu contrato, que tem uma peculiaridade em relação a outros - SBT e Fox Sports.

Por contrato, a rede social precisa exibir um jogo por semana de um time brasileiro na fase de grupos nas noites de quinta-feira. Porém, a prioridade é da Disney e do canal de Silvio Santos. Então, o Facebook precisa esperar que esses players façam suas escolhas para planejar o seu trabalho.

A rede social tem jogos garantidos às quintas até as quartas de finais. Para ter essa exclusividade, paga US$ 20 milhões (R$ 116 milhões). Porém, o Facebook já anunciou que só cumprirá o contrato com a Conmebol até 2022 e não irá mais comprar direitos de transmissão, deixando o mercado para investir em outras frentes no Esporte.

A prioridade é da Disney porque ela tem o melhor pacote. A emissora esportiva da Disney tem a primeira escolha de jogos na TV por assinatura e pode exibir a final com exclusividade no sistema pago. Ao todo, são dois jogos por rodada nas terças e quartas. Por esse pacote, a empresa americana paga um total de US$ 50 milhões por ano (R$ 290 milhões no câmbio atual).

Na fase de grupos, o SBT poderá mostrar dois jogos por rodada no mesmo horário. Ou seja: o SBT precisa escolher duas partidas nas terças, às 21h30, para exibir obrigatoriamente. A emissora paulista não pode exibir duas partidas em dias e horários diferentes nesta fase. A partir das oitavas até a final única, o SBT pode mostrar um jogo. Para exibir a competição, a emissora paga um mínimo de US$ 15 milhões (R$ 87 milhões). O valor pode subir dependendo da venda de pacote publicitário.

A Conmebol TV tem a segunda escolha de partidas na TV por assinatura. Esses jogos seriam do SporTV, mas passaram para o pay-per-view da organização depois que a Globo abriu mão do contrato em 2020. Além da principal competição continental, o sistema produzido numa parceria entre Band e Conmebol exibe a Copa Sul-Americana, a Recopa Sul-Americana e a Libertadores feminina.

Outro ponto que atrasa a lista desta vez é a covid-19. Como alguns lugares, principalmente a Venezuela, estão em uma situação grave de pandemia do novo coronavírus, a Conmebol precisa escalar jogos em lugares que tem certeza que não serão alterados posteriormente - o que prejudicaria a logística de preparação e transmissão do jogo.

Com a liberação de jogos no estado de São Paulo pelo Governo para clubes paulistas, Palmeiras, São Paulo e Santos vivem a expectativa de jogar em seus estádios. A confirmação deve acontecer na semana que vem.