PUBLICIDADE
Topo

Clodoaldo Silva

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Confira 10 frases marcantes de atletas paralímpicos brasileiros

Judoca Antonio Tenório - Bruna Prado/Getty Images
Judoca Antonio Tenório Imagem: Bruna Prado/Getty Images
Clodoaldo Silva

Clodoaldo Silva é o primeiro ídolo do esporte paralímpico brasileiro. Um dos maiores nadadores do mundo, é dono de 14 medalhas (6 ouros, 6 pratas e 2 bronze) paralímpicas. Também é palestrante, empresário, atuante na área de inclusão das pessoas com deficiência e comentarista do esporte paralímpico.

04/02/2021 16h27

Em meio à discussão sobre os Jogos de Tóquio, resolvi, já pensando nos Jogos Paralímpicos, destacar algumas frases de atletas paralímpicos que servirão para você se inspirar e refletir. Selecionei sete gigantes para homenagear: Antônio Tenório, Adria Santos, André Brasil, Daniel Dias, Roseane Santos e Verônica Hipólito. No fim do texto, destaco também duas frases minhas que as pessoas gostam muito.

Antônio Tenório

Antônio Tenório é o maior judoca paralímpico de todos os tempos. Com participações em seis edições de Jogos Paralímpicos, o judoca tem quatro medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze. Tenório ainda quer ir para o pódio em Tóquio e não descarta a possibilidade da sua participação nos Jogos de Paris em 2024. Ele ficou cego de um olho aos 13 anos e, seis anos depois, perdeu a outra visão.

Tanto nós como os olímpicos derramamos o mesmo suor para chegar à medalha. O hino que ouvimos e a bandeira que sobe são os mesmos".

Achar que a vida acabou é o maior dos erros. A pessoa com deficiência precisa saber que há vida lá fora, que há esperança e que também há o desporto paralímpico. É chato dizer, mas muitas vezes a família é a culpada. Ela esconde o deficiente passa a trata-lo como se ele fosse quebrar, não é por aí".

André Brasil

André Brasil é dono de 14 medalhas paralímpicas. Em sua carreira, André chegou a conquistar 67 medalhas em mais de 300 competições. Em abril de 2019, o atleta foi considerado inelegível pelo Comitê Paralímpico Internacional. Ele espera uma decisão para o seu caso, que está para ser julgado na justiça alemã. Ele falou sobre o caso no seu Instagram.

Indignação, revolta, tristeza... Uma história apagada em um dia..somos tratados como números de pontos na classificação e não como seres humanos. Isso é o que chamamos de esporte paralímpico?

Não é a deficiência que vai te limitar. É o indivíduo descobrir quais são as suas próprias limitações, aprender onde ele pode mesclar todo esse conformismo que ele vive e quem sabe superar e crescer, com tudo aquilo que ele possa fazer de diferente. Falar que preconceito não existe, eu vou estar sendo hipócrita. Então, sem sombra de dúvidas, o esporte é transformador."

Adria Santos

Adria Santos - Michael Steele/Getty Images - Michael Steele/Getty Images
Adria Santos, a maior medalhista paralímpica do Brasil
Imagem: Michael Steele/Getty Images

Tetracampeã paraolímpica, a velocista Ádria dos Santos é o maior nome do Brasil entre as mulheres. Ela é dona de 13 medalhas paralímpicas e acumula títulos que nem ela mesma consegue quantificar. Adria foi perdendo a visão aos poucos por causa de uma doença degenerativa, até ficar completamente cega em 1994. Naquela época, já tinha participado de duas edições dos Jogos Paraolímpicos (Seul-1988 e Barcelona-1992) e conquistado uma medalha de ouro e duas de prata.

A gente pensa que as coisas mudaram muito. Mudaram quando estamos no meio de pessoas que estão acostumadas com a gente e que nos conhece. Quando saímos daquele grupo, a gente vê que as coisas não mudaram tanto assim. O preconceito ainda persiste".

Daniel Dias

Daniel Dias mostra medalha de ouro na Paralimpiada do Rio de Janeiro - REUTERS/Sergio Moraes - REUTERS/Sergio Moraes
Daniel Dias mostra medalha de ouro na Paralimpiada do Rio de Janeiro
Imagem: REUTERS/Sergio Moraes

Ao longo da carreira, o nadador Daniel Dias acumulou 24 medalhas em Jogos Paralímpicos (14 de ouro, sete de prata e três de bronze). Ele perdeu as contas de quantas medalhas tem ao todo, mas coleciona 40 de Campeonatos Mundiais (31 ouros, sete pratas e dois bronzes) e 33 em Jogos Parapan-Americanos. Além disso, ele é o único brasileiro agraciado três vezes com o Troféu Laureus (2009, 2013 e 2016). Nasceu com deformação congênita dos membros superiores e perna direita.

Sempre aceitei a deficiência e fui feliz assim. É questão de escolha. E eu escolhi ser feliz. O resto, nós buscamos com determinação e fé".

Roseane Santos, a Rosinha

Roseane Ferreira dos Santos, a Rosinha, acendeu a pira olímpica para os Jogos do Rio-2016 - Rio 2016/Marcos de Paula - Rio 2016/Marcos de Paula
Roseane Ferreira dos Santos, a Rosinha, acendeu a pira olímpica para os Jogos do Rio-2016
Imagem: Rio 2016/Marcos de Paula

Especialistas em arremessos de dardo, disco e peso, Roseane Santos é dona de dois recordes mundiais e duas medalhas paralímpicas, além de colecionar 10 medalhas em Parapan-americanos. Ela foi atropelada aos 18 anos e perdeu a perna esquerda.

"Perder uma perna para mim foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. Se eu não tivesse perdido a perna, eu não estaria aqui e nem teria conquista essa medalha de ouro".

Verônica Hipólito

Verônica Hipólito conquista o bronze nos 400 m rasos - Daniel Zappe/MPIX/CPB - Daniel Zappe/MPIX/CPB
Verônica Hipólito faturou prata e bronze nas Paralimpiadas do Rio
Imagem: Daniel Zappe/MPIX/CPB

Recordista das Américas nos 100m, 200m e 400m, Verônica é medalhista de prata e bronze nas Paralímpiadas em 2016, campeã mundial nos 200m rasos, vice-campeã mundial nos 100m rasos. Ela conquistou três ouros e uma prata no Parapan-americano em 2015, em Toronto, e prata nos Jogos Parapan-americanos de Lima, Peru, 2019. Ela compete na classe T38, para quem tem algum tipo de paralisia do corpo, seja por paralisia cerebral, AVC ou Traumatismo Craniano.

Ficava brava por, muitas vezes, me resumirem a algumas cirurgias. Ficava brava por se esquecerem dos meus títulos. Eu não sou 'a menina dos 200 tumores'. Eu quero ser uma gigante do século. Quero inspirar e ajudar muitas pessoas, e é claro: conquistar muitos títulos".

É isso aí, galera! Gostaram da seleção de frases? Achei bem legal lembrar desses feras e da contribuição que eles deram e ainda dão para que o nosso país se tornasse uma potência paralímpica. Compartilho com vocês duas frases minha que eu gosto bastante.

A deficiência estabelece limite, mas não incapacidade."

Nenhum sonho é grande demais. Todos devemos parar de perguntar 'por que?'. E em vez disso perguntar 'Por que não?'"

Abraços aquáticos e excelente fim de quinta-feira para todos!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL