PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Rocha: Galo leva Supercopa, mas zaga com Godín já acende alerta

Fotos de Atlético-MG x Flamengo pela final da Supercopa do Brasil - Pedro Souza/Atlético-MG
Fotos de Atlético-MG x Flamengo pela final da Supercopa do Brasil Imagem: Pedro Souza/Atlético-MG
Conteúdo exclusivo para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

22/02/2022 09h45

A maior virtude do Atlético Mineiro na conquista da Supercopa do Brasil em Cuiabá, na inédita "unificação" dos títulos nacionais no atual formato do calendário, foi a força mental.

Não se intimidou com o volume ofensivo e as oportunidades do Flamengo no primeiro tempo. Nem se desmanchou com a virada rubro-negra na segunda etapa, reagindo rapidamente e apertando até empatar. Na decisão por pênaltis, muitos erros, porém menos que o rival.

Hulk confirmou o status de protagonista já histórico no clube, apesar de perder a maioria dos duelos para David Luiz e o elenco respondeu bem, mesmo sem Zaracho e com Ademir e Vargas sendo boas reposições aos ponteiros Savarino e Keno.

O grande porém, e já deve ser motivo de preocupação, foi a atuação do miolo de zaga. Nathan Silva segue instável e imprevisível, podendo alternar boas intervenções com trapalhadas, como dar um bote seco em Bruno Henrique na intermediária, com campo livre às costas, e ser salvo pelo erro de Anderson Daronco, que não viu o claro toque na mão do zagueiro. Poderia ter saído expulso quando levou o amarelo.

Já Diego Godín foi um desastre em todo jogo. Desde o drible que levou de Arrascaeta dentro da área na primeira grande oportunidade do Fla até a ridícula cobrança de pênalti que poderia ter custado o título. Tem experiência, mas é lento e no Galo joga muito mais exposto do que no Atlético de Madri, na Internazionale e até no Cagliari.

No segundo gol rubro-negro, o reflexo foi muito lento para cortar o passe de Lázaro que foi na direção de suas pernas. Na sequência, não conseguiu virar o corpo a tempo de evitar a finalização de Bruno Henrique. Um desastre.

Bem diferente de Junior Alonso. 29 anos, sete mais jovem que Godín. Dinâmico, atento e rápido nas coberturas, liberando Guilherme Arana para subir com tranquilidade. Agora o lateral precisou estar ligado e ser intenso para fazer a diagonal de cobertura e se atirar na bola para evitar o gol de Lazaro aos 41 do segundo tempo que poderia ter definido o torneio. Godín já estava batido.

A lentidão do zagueiro uruguaio é ainda mais preocupante se considerarmos que Réver e Igor Rabello são os reservas imediatos. Ambos não têm a rapidez e o poder de recuperação como maiores virtudes, compensando com bom posicionamento. Mas contra um ataque rápido continuará tendo problemas.

Um alerta para o "Turco" Mohamed. Talvez os mecenas atleticanos precisem buscar no mercado uma solução definitiva. Porque a troca de Alonso por Godín não parece tão promissora.