PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Rocha: Realidade do Corinthians está mais para Mantuan que Diego Costa

Conteúdo exclusivo para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

22/01/2022 07h28

O Corinthians desistiu da contratação de Diego Costa, que pediu um salário fora da realidade do clube. Parece claro que, depois da saída do Atlético Mineiro, o atacante deseja mesmo é retornar ao futebol europeu.

Arthur Cabral era outra possibilidade de aquisição de um centroavante, ainda que por empréstimo ao Basel. Mas é óbvio que o clube suíço não vai liberar tão facilmente um artilheiro de 23 anos que marcou 27 gols em 31 jogos na temporada. O investimento de 15 milhões de euros na compra dos direitos econômicos do jogador é considerado inviável pelo presidente Duílio Monteiro Alves.

O clube seguirá em busca de um camisa nove "de impacto" até abril, quando começa a fase de grupos Libertadores.

Enquanto isso, o treinador Sylvinho prepara o elenco que tem em mãos para o início da temporada, com a estreia no Paulista contra a Ferroviária na terça, em Itaquera.

Com a perspectiva de mais de 70 partidas se a temporada for bem-sucedida, a ideia é mesclar juventude e experiência para dosar o fôlego. Não por acaso, Lucas Piton parece à frente de Fabio Santos na lateral esquerda.

No meio-campo, Cantillo deve ser o volante fixo à frente da defesa no quase imutável 4-1-4-1 de Sylvinho. Até porque Gabriel pode estar de saída para o Internacional. Willian e Roger Guedes devem ocupar naturalmente as funções nas pontas e Giuliano, Paulinho e Renato Augusto disputam as duas vagas por dentro, com vantagem teórica para os dois últimos. Até pela sintonia fina que demonstraram com Tite na seleção em 2016/17.

Na frente, Jô é a referência e Gustavo Mantuan a opção que vem sendo trabalhada para dar dinâmica e mobilidade ao ataque. Com 20 anos, o meia improvisado no ataque pode ser o contraponto de juventude e vigor físico. Auxiliando na transição defensiva, especialmente em uma pressão pós-perda mais ativa. Essencial em jogos contra equipes de menor investimento no estadual.

O Corinthians contratou Paulinho, Bruno Melo, Ivan e Robson Bambu. O elenco está mais encorpado para rodar ao longo do ano. Enquanto procura o centroavante tão sonhado, o Corinthians deve encarar a realidade. O presidente fala em patrocínios específicos para jogadores mais midiáticos, mas o fato é que, se tudo der errado, a dívida fica com o clube. E a do Corinthians não é pequena.

Em meados do ano passado era urgente contratar para não sofrer com risco de rebaixamento. Agora, com vaga na Libertadores e melhores perspectivas, entender o próprio contexto é fundamental. E hoje está mais para Mantuan que Diego Costa. Pela idade e pelo custo.