PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Rocha: City de Guardiola pode definir liga no janeiro da Copa Africana

Salah em partida entre Egito e Níger pelas eliminatórias da Copa Africana - AMR ABDALLAH DALSH/REUTERS
Salah em partida entre Egito e Níger pelas eliminatórias da Copa Africana Imagem: AMR ABDALLAH DALSH/REUTERS
Conteúdo exclusivo para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

02/01/2022 15h53

Pep Guardiola admitiu que o Manchester City jogou menos que o Arsenal em Londres, mas venceu de virada por 2 a 1 e chegou aos 53 pontos em 21 rodadas - 17 vitórias, dois empates e duas derrotas, com 84% de aproveitamento.

Muito pela qualidade e força mental de quem consegue arrancar uma virada que só pareceu possível depois da expulsão do zagueiro Gabriel Magalhães e se concretizou no enrosco na área dos Gunners que Rodri apareceu para tocar para as redes e explodir.

Fruto da cultura de vitória do treinador catalão em competições por pontos corridos: venceu nove em 12 temporadas na carreira, por Barcelona, Bayern de Munique e desde 2016/17 no lado azul de Manchester.

Mas também aproveitando as oscilações dos principais concorrentes. Refletidas em pouco mais de noventa minutos dos 2 a 2 entre Chelsea e Liverpool no Stamford Bridge. Reds, sem Jürgen Klopp, com Covid-19, porém intenso e abrindo 2 a 0 em 26 minutos, com Mané e Salah, que novamente tiveram a companhia de Diogo Jota no quase imutável 4-3-3 forte pelas laterais com Alexander-Arnold e Tsimikas, substituto do suspenso Robertson.

Mas cedendo o empate em quatro minutos, aos 42 e 46 ainda na primeira etapa com o golaço de Kovacic, o melhor em campo ao lado de Kanté. Volante francês autor da assistência para o empate com Pulisic, que foi ser ala pela direita do 3-4-3 de Thomas Tuchel - sem Lukaku, que está definitivamente em rota de colisão com o treinador alemão - no segundo tempo de domínio dos Blues: 54% de posse, oito finalizações a quatro. Mas foi Mendy quem fez a grande defesa, salvando chute de longo por cobertura de Salah.

Não é absurdo dizer que o empate foi condizente com a disputa em Londres. Mas ficou ruim para ambos na tabela. O Chelsea vai a 43, com os mesmos 21 jogos. Um ponto e uma partida a mais que o Liverppol, Ambos vendo o atual campeão mais distante e agora obrigados a ceder atletas para a Copa Africana das Nações.

Klopp perde Salah, Mané e Keita; Tuchel ficará sem o goleiro Mendy e terá que confiar na incógnita Kepa. O Arsenal não terá cinco atletas entre os 34 cedidos pelas equipes da Premier League. Absurdo em todos os aspectos, especialmente pelo posicionamento no calendário, diferente de Euro e Copa América.

Em um janeiro que pode definir o que já parece bem encaminhado. Mais inteiro e regular, o Manchester City tem tudo para confirmar a hegemonia na Inglaterra, com o quarto título nas últimas cinco temporadas.

(Estatísticas: SofaScore)