PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Jogo feio no Morumbi, fim do "sonho bizarro" do São Paulo

Luan (São Paulo) e Felipe Melo (Palmeiras) disputam a bola durante clássico pelo Campeonato Brasileiro - Marcello Zambrana/AGIF
Luan (São Paulo) e Felipe Melo (Palmeiras) disputam a bola durante clássico pelo Campeonato Brasileiro Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

20/02/2021 00h04

O primeiro tempo do "Choque-Rei" no Morumbi foi de arder as retinas. Um Palmeiras apostando apenas em bolas longas de Felipe Melo e Patrick de Paula para os pontas Rony e Wlllian ou Luiz Adriano na referência para reter a bola, esperando a aproximação de Raphael Veiga. Mesmo insistindo com jogo mais direto, o time de Abel Ferreira ainda terminou os primeiros 45 minutos com mais posse de bola (53%).

Porque o São Paulo, com o treinador interino Marcos Vizolli, abriu mão de trabalhar a bola, em nítido contraponto ao estilo de Fernando Diniz. Nenhum problema em definir mais rapidamente os ataques, porém a queda na produção ofensiva é nítida. Mesmo com a luta de Luciano, circulando às costas dos volantes adversários e encostando no centroavante. Primeiro Carneiro, que saiu lesionado aos oito minutos, depois Pablo.

O problema é que o ataque ficou menos móvel e imprevisível. Depender da rapidez e da criatividade de Juanfran no corredor direito, sem companhia de Tche Tche para tabelas e ultrapassagens, é perda de tempo. Ou quase, já que foi do espanhol o cruzamento para Igor Gomes protagonizar a finalização mais perigosa. Mas nenhuma no alvo em cinco tentativas, três são-paulinas.

Chamaram atenção os 14 duelos aéreos vencidos pelos palmeirenses, contra apenas dois. Também porque o time do Morumbi não é equipe de cruzamentos e ligações diretas para ganhar por cima. E ainda poderia ter saído para o intervalo com desvantagem no placar, mas Leandro Vuaden ignorou o pênalti claro de Bruno Alves sobre Luiz Adriano. Para desespero de Abel, com comportamento cada vez mais parecido com o dos técnicos brasileiros nas reclamações constantes contra a arbitragem. Com ou sem razão.

O cenário de jogo fraco, embora mais intenso, só mudou no segundo tempo depois do gol de pênalti de Luciano - o cruzamento de Toró, que entrou na vaga de Igor Gomes, bateu no braço de Mayke, em infração marcável, mas bem menos que a negada por Vuaden ao time alviverde. O atacante do São Paulo chegou aos 17 gols, igualando a artilharia com Marinho, Thiago Galhardo e Claudinho.

O grande mérito do Palmeiras foi não desistir. Breno Lopes de novo foi opção interessante de velocidade pela direita no lugar de Willian, com Rony trocando de lado. Lucas Lima e Gustavo Scarpa substituíram Veiga e De Paula. Nenhuma evolução clara no desempenho, apenas a persistência na busca do empate, que veio no chute de Rony que desviou em Luan e saiu do alcance de Tiago Volpi.

O Palmeiras terminou com 58% de posse e oito finalizações a sete, mas apenas duas no alvo contra três do rival. Foram 120 bolas longas na partida, 66 do time visitante. O empate foi condizente com o que (não) foi o jogo.

Para sepultar de vez as chances de título do São Paulo. Antes possível ao menos na matemática. Um "sonho bizarro", considerando o clima de transição, com o novo técnico Hernán Crespo já no Brasil. Seria o último e maior absurdo desse Brasileiro inusitado, sem precedentes.

O Palmeiras evitou com o empate conquistado pela luta, apenas dois dias depois da derrota para o Coritiba. Importante no ânimo por conta da rivalidade, mas é preciso render mais com a final da Copa do Brasil no horizonte. A culpa maior pelo jogo feio no Morumbi, porém, foi do São Paulo, que ainda tinha um objetivo concreto e já fez bem mais no campeonato e na temporada. Sobrou pouco, quase nada.

(Estatisticas: SofaScore)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL