Por que pinguins-imperadores estão ficando sem gelo para procriarem

Os pinguins-imperadores de várias colônias na Antártida sofreram falhas reprodutivas "catastróficas" no final de 2022, com todos os filhotes mortos por afogamento ou congelamento devido ao derretimento precoce do gelo marinho ligado às alterações climáticas, alertou na última quinta-feira (24) novo estudo científico da BAS (British Antártida Survey).

Investigadores do estudo da BAS discutem a alta probabilidade da perda de 100% dos filhotes em quatro das cinco colônias conhecidas de pinguins-imperadores no centro e leste do Mar de Bellingshausen, no oeste da Antártica.

Os cientistas examinaram imagens de satélite que mostravam a perda de gelo marinho nos locais de reprodução, muito antes de os filhotes desenvolverem penas impermeáveis.

"Das cinco colônias na região do Mar de Bellingshausen, no oeste da Antártica, todas, exceto uma, sofreram a perda de 100% de seus filhotes", disseram os cientistas à agência AFP.

Este seria um fracasso reprodutivo sem precedentes numa região da Antártida, onde houve perda total de gelo marinho em 2022. A descoberta apoia as previsões de que mais de 90% das colônias de pinguins-imperadores estarão quase extintas até ao final do século, com base nos dados globais de tendências atuais de aquecimento, segundo a pesquisa publicada na Communications Earth & Environment.

Por que degelo é fatal

Os pinguins-imperadores dependem de gelo marinho estável que está firmemente preso à costa (gelo "resistente à terra") durante a maior parte do ano, de abril a janeiro. Assim que chegam ao local de reprodução escolhido, os pinguins põem ovos no inverno antártico, de maio a junho. Os ovos eclodem após 65 dias, mas os filhotes só emplumam no verão, entre dezembro e janeiro.

No início de dezembro de 2022, a extensão do gelo marinho antártico atingiu o mínimo histórico anterior estabelecido em 2021. A perda mais extrema foi observada na região central e oriental do Mar de Bellingshausen, a oeste da Península Antártica, onde houve uma queda de 100% de perda de gelo marinho em novembro de 2022.

O principal autor do estudo, Dr. Peter Fretwell, disse: "Nunca vimos pinguins-imperadores deixarem de procriar, nesta escala, numa única estação. A perda de gelo marinho nesta região durante o verão antártico tornou muito improvável que os filhotes deslocados sobrevivessem".

Continua após a publicidade

"Sabemos que os pinguins-imperadores são altamente vulneráveis num clima mais quente - e as evidências científicas atuais sugerem que eventos extremos de perda de gelo marinho como este se tornarão mais frequentes e generalizados", declarou.

Previsões fatais para os imperadores

Desde 2016, a Antártida registou os quatro anos com as extensões de gelo marinho mais baixas no registro de satélite de 45 anos, com os dois anos mais baixos em 2021/22 e 2022/23. Entre 2018 e 2022, 30% das 62 colônias conhecidas de pinguins-imperadores na Antártica foram afetadas pela perda parcial ou total do gelo marinho. Embora seja difícil associar imediatamente estações extremas específicas às alterações climáticas, espera-se um declínio a longo prazo na extensão do gelo marinho a partir da atual geração de modelos climáticos.

Os pinguins-imperadores já responderam a incidentes de perda de gelo marinho se mudando para locais mais estáveis no ano seguinte. No entanto, os cientistas dizem que esta estratégia não funcionará se o habitat do gelo marinho em toda uma região for afetado.

As populações de pinguins-imperador nunca foram sujeitas a caça em grande escala, perda de habitat, pesca excessiva ou outras interações antropogênicas locais na era moderna. Excepcionalmente para uma espécie de vertebrado, as alterações climáticas são consideradas o único fator importante que influencia a mudança populacional a longo prazo.

As cinco colônias de pinguins estudadas foram todas descobertas nos últimos 14 anos usando imagens de satélite - Ilha Rothschild, Verdi Inlet, Ilha Smyley, Península Bryan e Pfrogner Point. Foi demonstrado que todas as cinco colônias retornam ao mesmo local todos os anos para procriar, com apenas um caso anterior de falha reprodutiva na Península de Bryan em 2010.

Continua após a publicidade

Os cientistas utilizam agora rotineiramente imagens de satélite para descobrir e monitorar colônias de pinguins-imperadores, uma vez que as manchas amarelas na cabeça das aves se destacam claramente contra o branco austero do gelo e da neve.

O impacto da perda de gelo marinho na Antártica

Nos últimos sete anos, o gelo marinho ao redor da Antártida diminuiu significativamente. No final de dezembro de 2022, a extensão do gelo marinho era a mais baixa registada nos 45 anos de registo de satélite. No Mar de Bellingshausen, lar das colônias de pinguins neste estudo, o gelo marinho só começou a se formar no final de abril de 2023.

Desde então, o desvio da norma se intensificou: em 20 de agosto de 2023, a extensão do gelo marinho era 2,2 milhões de quilômetros quadrados inferior à mediana de 1981-2022 (17,9 milhões de km2), ultrapassando significativamente o mínimo recorde do inverno em 20 de agosto de 2022, de 17,1 milhões de km2. Esta área em falta é maior que o tamanho da Gronelândia, ou cerca de dez vezes o tamanho do Reino Unido.

As mudanças anuais na extensão do gelo marinho estão ligadas a padrões atmosféricos naturais, como o El Niño e a força da corrente de ar do hemisfério sul e sistemas regionais de baixa pressão, explicou a cientista polar da BAS, Caroline Holmes.

"Precisaremos de anos de observações direcionadas e modelos para saber com precisão até que ponto as condições atuais estão a ser influenciadas por estes fenômenos e pela variabilidade natural dos oceanos. No entanto, os últimos anos de queda dos registos de gelo marinho e de aquecimento da subsuperfície do Oceano Antártico apontam fortemente para o aquecimento global induzido pelo homem que exacerba estes extremos", aponta Holmes.

Continua após a publicidade

Jeremy Wilkinson, físico do gelo marinho da BAS, comentou: "Este artigo revela dramaticamente a ligação entre a perda de gelo marinho e a aniquilação do ecossistema. As alterações climáticas estão derretendo o gelo marinho a um ritmo alarmante. É provável que esteja ausente do Ártico na década de 2030 - e na Antártida, as quatro extensões de gelo marinho mais baixas registadas ocorreram desde 2016".

"É mais um sinal de alerta para a humanidade de que não podemos continuar neste caminho, os políticos devem agir para minimizar o impacto das alterações climáticas. Não há mais tempo", clamou o físico.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes