PUBLICIDADE
Topo

Ana Maria Gonçalves: 'Escrevo quando a angústia é grande demais'

Colaboração para o UOL, do Rio

17/11/2021 15h01

"Escrevo quando a angústia é grande demais para suportar". Assim, a escritora Ana Maria Gonçalves começou sua participação na abertura do evento Origens: Passos que Vêm de Longe, promovido por Ecoa, durante esta quarta-feira (17).

A escritora lembrou que quando escreveu o livro "Um Defeito de Cor" havia um momento angustiante no seu "processo de identidade". Durante os cinco anos em que escreveu a publicação, ela tentou estabelecer o seu pertencimento enquanto mulher negra, que foi descoberto e aceito durante sua experiência nos Estados Unidos.

"Nos Estados Unidos eu não precisava me assumir negra. Eu era negra e acabou"
Ana Maria Gonçalves, escritora

Mineira de Ibiá, além de escritora, Ana Maria Gonçalves é publicitária. Estreou na literatura com "Ao lado e à margem do que sentes por mim", em 2002, e quatro anos depois lançou o monumental "Um Defeito de Cor", que narra a saga de uma mulher negra desde seu sequestro da África ainda criança até seu retorno anos mais tarde. Embalada em um pano de fundo de importantes desdobramentos da História do Brasil, a obra foi a ganhadora do Prêmio Casa de Las Americas, de 2006. Em dezembro de 2016, tornou-se colunista de assuntos raciais, culturais e políticos do jornal The Intercept Brasil.

Citando o professor Eduardo de Oliveira, da Universidade Federal da Bahia, a escritora disse que durante o mês de novembro a incomoda que o racismo vire questão de pauta: "As minhas crenças não são pauta. Racismo não é pauta."

FOTOS: Origens - Nossos Passos Vêm de Longe

Ana Maria deixou como orientação que as pessoas estudem os filósofos africanos: "Eles nos dão elementos mais ricos para falar de nós, não sobre nós". Ela também recomendou a leitura dos livros da filósofa Leda Maria Martins que mostra como "a nossa memória está em nosso corpo" no livro "Afrografias da memórias".

A escritora terminou sua fala lembrando de um conselho da mãe de um amigo: "Não durma brigado com quem você ama". Com essa frase ela afirmou que é importante que todos os opostos tenham lugar na sociedade. "Não queremos uma sociedade de iguais. Queremos uma sociedade de diversos", disse.

Segunda temporada

O evento Origens: Passos que Vêm de Longe discute ao longo de toda esta quarta-feira (17) a presença negra em cinco grandes frentes cruciais para a formação da sociedade brasileira como a conhecemos hoje: matriz africana, cultura, identidade negra, empreendedorismo e política.

Entre convidados e convidadas, estão a atriz Zezé Motta, o ator Rodrigo França, os rappers Preta Rara e Rico Dalasam, a empresária Eliane Dias, a diretora da Anistia Internacional no Brasil Jurema Werneck, a ativista Nilma Bentes, a escritora Bianca Santana e o integrante da Coalizão Negra por Direitos Douglas Belchior.

A transmissão de Origens: Passos que Vêm de Longe acontece ao vivo no YouTube. Veja a programação completa do evento:

Abertura: Ana Maria Gonçalves

Painel 1 - Ecos de África: a herança que cruzou o Atlântico
Convidados/as: Zezé Motta (mediação), atriz e cantora; Angélica Ferrarez, doutora em História, professora e pesquisadora; Mariléa de Almeida, doutora em História e Especialista em Filosofia e Tom Farias, jornalista e escritor.

Painel 2 - Respeita meu som: a cultura que preserva existências
Convidados/as: Rodrigo França (mediação), ator e diretor; Preta Rara, rapper e escritora; Rico Dalassam, rapper e compositor e Valéria Monã, atriz e coreógrafa.

Painel 3 - Nós negros: a identidade racial no Brasil
Convidados/as: Douglas Belchior (mediação), professor de História e integrante da Coalizão Negra Por Direitos; Beatriz Lourenço do Nascimento, advogada e integrante da UNEafro; Bianca Santana, jornalista, professora e escritora e Gisele Brito, jornalista e co-fundadora da Território da Notícia.

Painel 4 - Uma outra política: cidadania conquistada com luta
Convidados/as: Dra. Jurema Werneck (mediação), co-fundadora da ONG Criola e diretora da Anistia Internacional no Brasil; João Belmonte, arte-educador e fundador do projeto Geloteca; Nilma Bentes, ativista e co-fundadora do CEDENPA e Thula Pires, professora de Direito Constitucional da PUC-Rio.

Painel 5 - Grana preta: um jeito brasileiro de fazer negócio
Convidados/as: Eliane Dias (mediação), empresária e produtora executiva na Boogie Naipe; Dani Rodrigues, empresária, podcaster e CEO da Foco na Missão; Marina Dee, artist manager e head do Selo Extrapunk Extrafunk e Rachell Brasil, especialista em Gestão Pública e diretora Criativa do Lerato.