PUBLICIDADE
Topo

Plural é um projeto colaborativo do UOL com coletivos independentes, de periferias e favelas para a produção de conteúdo original


Papo Preto #10: Os desafios da paternidade para o homem negro

Colaboração para Ecoa, de São Paulo

15/11/2020 04h00

Quais são as maiores preocupações de quem exerce a paternidade em uma família preta? O racismo estrutural permeia todos os aspectos da sociedade brasileira, e com a paternidade não é diferente. Neste 10º episódio de Papo Preto, o psicólogo Everton Mendes, que estuda questões raciais e masculinidades, conversa com Yago Rodrigues e Juca Guimarães, ambos pais e da equipe do Alma Preta, sobre suas próprias vivências.

Segundo Everton, é muito comum que as famílias se questionem sobre como conduzir as conversas sobre racismo em casa: devo explicar para meu filho as violências que ele pode sofrer na escola? Ou devo esperar acontecer? Ele ainda é pequeno para essa conversa? Vai conseguir entender?

"A gente, enquanto pais pretos, tem essa responsabilidade de orientar nossos filhos sobre todas as potenciais violências que eles poderão sofrer", afirma (a partir de 21:48 do arquivo acima).

Um dos motivos para antecipar essa conversa é evitar que a descoberta da negritude aconteça a partir de uma vivência de agressão. "A gente se descobre negro a partir de uma violência que a gente sofre. Até então, a gente acha que é uma criança 'comum', mas, no momento em que chamam a gente de macaco, que a gente sofre uma agressão na escola, isso fica em evidência. Então, pô, tem alguma coisa diferente comigo", explica Everton (a partir de 20:59 do arquivo acima). "Se a criança estiver dentro de uma família onde esses diálogos forem uma questão, ela vai sofrer muito menos do que uma criança que for pega de surpresa", diz.

Além disso, essas conversas veem naturalmente se as crianças são inseridas nos contextos de vida dos pais, em vez de terem uma vida totalmente te separada. "Se a gente pensa numa perspectiva dos povos originários, pense numa perspectiva dos povos africanos, as crianças são parte da comunidade, então elas contribuem", afirma Éverton (a partir de 30:09 do arquivo acima).

"A construção social de paternidade está pautada na questão de prover. Então, muitos dos nossos homens pretos se afastam dessa função de pai, acreditando que só vão conseguir exercer essa função no momento em que tiverem a possibilidade de prover financeiramente", diz Everton (a partir de 32:11 do arquivo acima). "Então minha dica é: se faça presente numa vida de seus filhos. Porque isso faz toda diferença".

Papo Preto é um podcast produzido pelo Alma Preta, uma agência de jornalismo com temáticas sociais, em parceria com o UOL Plural, um projeto colaborativo entre o UOL e coletivos independentes. Novos episódios vão ao ar todas as quartas-feiras.