PUBLICIDADE
Topo

Mari Rodrigues

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O ódio da lata de lixo mata. Vocês não têm vergonha?

Mari Rodrigues

07/08/2021 06h00

Uma notícia chocante tomou as redes na última semana: o filho de uma famosa cantora tirou a própria vida após receber comentários odiosos numa rede social onde majoritariamente jovens estão produzindo e recebendo conteúdo.

No vídeo, que sinceramente não vi por não usar a referida rede social, o garoto simula um beijo com outro amigo, o que gerou uma série de discursos homofóbicos. Ou seja, um adolescente, que se declarou heterossexual após essa onda de ódio, teve a vida ceifada pela homofobia. Assim como tantas outras pessoas jovens morreram por conta desse ódio maldito injustificável.

Fico me perguntando de onde vem tanto ódio. De onde vem tanto tempo livre dessa gente pérfida para destilar sua ignorância. Vejo pelo último texto da coluna que viralizou nas redes: falava mais uma vez sobre linguagem neutra, um tema que mexe com os brios das pessoas sabe-se lá por que, e me foi falado que houve uma chuva de comentários ruins.

O povo não se cansa? Sequer leio os comentários, pelo bem do meu estômago. Perco alguns comentários iluminados, mas que são agulha no palheiro em vista de tanta gente horrorosa que vem aqui me encher o saco.

Eu tenho essa preocupação de não deixar os comentários me afetarem, mas tenho uma certa idade já. E esses jovens, ávidos por aprovação, que pouco ou nunca viram o ódio de frente? Elas morrem por não terem esse discernimento e estarem mais expostas a qualquer oscilação das redes. E porque existem pessoas ruins.

Vocês não têm vergonha de matar nossos jovens? Vocês não têm vergonha da morte? Vocês não têm vergonha de passar vergonha? Meu desabafo é para dizer: vocês não vão vencer! Em breve vocês terão novamente que se reduzir à sua insignificância e voltar à lata de lixo de onde nunca deveriam ter saído.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL