PUBLICIDADE
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Ford Bronco: dirigimos nova encarnação do jipão que encara qualquer parada

Divulgação
Imagem: Divulgação

Joaquim Oliveira

Colaboração para o UOL, em Lisboa (Portugal)

27/10/2021 04h00

A Ford é uma montadora generalista nos quatro cantos do mundo, mas dispõe de quase uma mão cheia de modelos que são dos mais reputados nas suas classes: o lendário esportivo acessível Mustang, a indestrutível picape F150 (veículo mais vendido do mundo há anos a perder de vista), o veloz e purista GT e agora - 45 anos depois de ter saído do catálogo da marca da oval azul - o Bronco, o todo-terreno puro e duro, capaz de chegar "ao infinito e mais além".

Para dirigir o Bronco é preciso ir até os Estados Unidos e, mesmo assim, não é fácil. Isso porque as vendas pelo canal oficial da Ford ainda não operantes e mesmo lá há meses de filas de espera. O UOL Carros, porém, teve a chance de rodar no novo modelo do jipão e ficou impressionado.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

Para os engenheiros que desenvolveram a nova geração (a sexta), o objetivo era muito claro: juntar os genes do Mustang com os da F150 e passar a ser a referência neste segmento destinado a clientes que ainda desejam ou necessitam de um verdadeiro 4x4 - e não um aburguesado SUV urbano que fica ansioso quando tem que passar por um montinho de areia.

Para esse Bronco foi usada uma nova arquitetura que mistura soluções normais em veículos ligeiros de passageiros (o eixo dianteiro independente, com braços em alumínio, derivado do que usa a Ford Ranger) com outras que são comuns em "jipes" ou picapes hardcore (como o eixo traseiro rígido ou as redutoras).

Tal como o Jeep Wrangler (o seu rival original, que agora reencontra), a estrutura é um chassis de longarinas com uma cabine colocada por cima, ao contrário do novo Land Rover Defender (outro "inimigo", mas agora com um posicionamento mais elitista), que passou a ter uma monocoque.

Atrás continua a existir um eixo rígido e são muitos os recursos que contribuem para as aptidões GOAT (Go Over Any Terrain, ou seja, passa por cima seja do que for) que a Ford diz fazerem parte do DNA do Bronco.

Ford Bronco 2021 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Há sete modos de dirigir para escolher, assim como dois sistemas 4x4 disponíveis - um com caixa de transferências normal e outro automática, que vão gerindo a entrega de potência nos dois eixos.

Nesta versão de duas portas, a capota rígida pode ser fracionada e as portas removidas, bastando uma pessoa para soltar os engates no interior - para voltar a colocar é exigida mais mão de obra e alguma prática, até para não riscar a pintura.

O quatro portas tem capota de lona de série e opção com quatro seções removíveis, sendo que nas duas carrocerias se pode guardar os painéis das portas (desprovidas de molduras) no porta-malas, dentro de bolsas próprias para que não se danifiquem.

Outro aspecto positivo são as portas grandes, que facilitam as entradas e saídas para os dois bancos traseiros - onde cabem bem dois adultos, cortesia da distância entre-eixos de 2,55 metros.

O painel de bordo é vertical e monolítico, parecendo um muro na frente dos ocupantes dianteiros, mas também estabelece uma ponte direta com o passado do Bronco.

Os plásticos são totalmente rígidos, o que normalmente faz com que estas estruturas sofram com ruídos no passar dos anos, especialmente em veículos que têm que engolir caminhos de todo-terreno. A parte positiva é que são mais fáceis de limpar, tal como o piso do carro - que conta com a opção de orifícios para escoar a água.

A tela tátil da central multimídia tem 8" de série ou 12" como opcional, sendo que ambas dispõem de vastas funções e podem exibir imagens 360 graus ao redor do veículo.

Por último, todos os comandos relacionados com a condução fora de estrada (bloqueios de diferenciais, barra estabilizadora, controle de tração, etc) estão disponíveis em faixa horizontal na parte mais alta da tela central.

2021 Ford Bronco - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Impressões

Nada melhor do que um trajeto misto de cidade, estrada e fora de estrada para perceber o que vale o Bronco dinamicamente. E o resultado final é muito positivo, com um ou outro aspeto a ser melhorado.

Antes da saída da zona urbana é dado valor aos sensores extremos da carroceria e à câmara de visão 360 graus, que evitam danificar a carroceria em zonas mais apertadas, até porque o Bronco é bastante largo.

A posição de condução alta, os bancos com algum apoio lateral, a vista desafogada para o exterior e laterais contribuem para que a sensação ao volante agrade.

O motor V6 tem partida impressionante e, pela primeira vez nesta unidade de 2.7 litros, a Ford conseguiu gerar uma acústica como convém a um motor deste calibre.

A transmissão automática de 10 velocidades dá liberdade para nos concentrarmos apenas no caminho, ainda que esteja longe da perfeição na forma como faz o kickdown (redução de várias mudanças em resposta a uma aceleração a fundo).

Como resultado da utilização de uma suspensão dianteira mais sofisticada, a estabilidade direcional é realmente boa, tal como o conforto e a precisão da resposta da direção às instruções que lhe são passadas pelos braços do motorista.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL