PUBLICIDADE
Topo

Fiat usado mais caro do Brasil? 500 é leiloado por preço de Gol GTI

500 Abarth 2015 teve 71 lances e foi arrematado por R$ 151 mil; há nove anos, outro 500, ainda mais raro, chegou a R$ 220 mil - Divulgação
500 Abarth 2015 teve 71 lances e foi arrematado por R$ 151 mil; há nove anos, outro 500, ainda mais raro, chegou a R$ 220 mil Imagem: Divulgação

Paula Gama

Colaboração para o UOL

25/09/2021 04h00

Reportagens de UOL Carros sobre o Volkswagen Gol GTI mostram que o primeiro carro nacional com injeção eletrônica tem sido há algum tempo a bola da vez no mercado de colecionáveis, com unidades cujo preço já ultrapassou a barreira de R$ 200 mil - dependendo da originalidade e do estado de conservação.

Em publicação de julho do ano passado sobre a escalada nos preços do GTI, especialistas em carros antigos pontuaram que no Brasil modelos da Fiat, via de regra, não têm a mesma valorização do que carros da Volkswagen, especialmente aqueles produzidos nas décadas de 80 e 90. Mas toda regra tem pelo menos uma exceção.

Um 500 Abarth 2015 foi leiloado por R$ 151 mil na semana passada, preço que o Gol mais famoso pode facilmente atingir. Seria ele o Fiat usado mais caro do Brasil?

A resposta é não. Segundo comerciantes de clássicos ouvidos por esta reportagem, ele fica atrás apenas de outro 500: um raro Abarth Tributo à Ferrari, lançado em 2010 e posto à venda em 2012 por impressionantes R$ 220 mil. Esse montante se aproxima do nada baixo preço sugerido do novo 500 elétrico, que acaba de chegar ao Brasil custando R$ 240 mil.

Há apenas seis unidades conhecidas do Fiat 500 Abarth Ferrari no Brasil, todas importadas de forma particular  - Divulgação - Divulgação
Há apenas seis unidades conhecidas do Fiat 500 Abarth Ferrari no Brasil, todas importadas de forma particular
Imagem: Divulgação

Apenas seis unidades do "Fiat Ferrari" foram importadas para o Brasil, todas de maneira independente, e faz tempo que não se vê um deles à venda por aí. Ele é equipado com motor 1.4 turbo calibrado para render 180 cavalos de potência e 25,5 kgfm de torque, em conjunto com uma transmissão automática.

"Há outros Fiats sendo vendidos por mais de R$ 100 mil, como o Moretti e o Barchetta, mas o que chama atenção é que o 500 é um carro bem mais recente. O grande trunfo é que esse compacto já nasceu colecionável: tem design diferenciado, baixa produção e é um belo brinquedinho", analisa Silvio Luiz, proprietário da loja Old is Cool Motors.

O 500 Ferrari foi todo produzido em homenagem a escuderia, com bancos de concha e pedais de alumínio  - Divulgação - Divulgação
O 500 Ferrari foi todo produzido em homenagem à escuderia, com bancos de concha e pedais de alumínio
Imagem: Divulgação

Desde o início da pandemia, aliás, tem acontecido um expressivo aumento no preço de carros de coleção em geral. Quem tem poder de compra está disposto a "investir" em veículos antigos com o dinheiro economizado com as restrições a viagens internacionais e grandes eventos, em decorrência da crise sanitária.

Joel Picelli, leiloeiro da Picelli Leilões, responsável pelo arremate do 500 Abarth por R$ 151 mil, o valor alcançado na unidade específica foi uma surpresa, mas já era esperado um preço acima de R$ 100 mil.

"O lance inicial era de R$ 70 mil, mas sabíamos que estávamos lidando com um veículo de até R$ 130 mil. Foram 71 lances e agora acredito que, mesmo fora de leilões, o 500 Abarth vá subir ainda mais de preço. Antes da pandemia encontrávamos ele por R$ 80 mil facilmente", informa o leiloeiro.

Como é o 500 Abarth de R$ 150 mil

Fiat 500 Abarth 2015 tem câmbio manual de cinco velocidades e motor de 167 cavalos - Divulgação - Divulgação
Fiat 500 Abarth 2015 tem câmbio manual de cinco velocidades e motor de 167 cavalos
Imagem: Divulgação

Diferentemente do 500 Ferrari, o Abarth 2015 é um carro manual de cinco marchas, igualmente equipado com motor 1.4 turbo, contudo um pouco mais "manso": entrega 167 cv de potência e 23 kgfm de torque. Um dos destaques para a alta desse preço é que ele possui apenas 4.200 km rodados, bem menos do que a maioria dos ofertados no mercado.

Siga o UOL Carros no