PUBLICIDADE
Topo

Toyota Etios 'imortal' roda mais de 1 milhão de km e nem odômetro acompanha

Taxista Walter Rivasplata comprou seu Toyota Etios em 2013 e ultrapassou barreira de 1 milhão de km rodados - Ramon Rivasplata/Arquivo Pessoal
Taxista Walter Rivasplata comprou seu Toyota Etios em 2013 e ultrapassou barreira de 1 milhão de km rodados Imagem: Ramon Rivasplata/Arquivo Pessoal

Rodrigo Mora

Colaboração para o UOL

18/02/2020 04h00

Ao redor do mundo, a Toyota faz sucesso com o Highlander, um SUV de porte médio que empresta o nome dos habitantes de regiões montanhosas da Escócia para transmitir a ideia de robustez, garra e coragem para chegar aonde poucos chegam.

Mas o verdadeiro guerreiro imortal - outro significado atribuído aos Highlanders após o filme de 1986 estrelado por Christopher Lambert - é um Etios que acaba de ultrapassar a marca de um milhão de quilômetros rodados.

Não que fosse a intenção do taxista Walter Rivasplata, 58, um peruano que mora há 25 anos no Brasil. Mas a quilometragem foi subindo, subindo...

"Quando chegou nos 800 mil é que ele percebeu que estava se aproximando e que daria para passar tranquilamente", conta Ramon, filho de Walter, que agora está de férias no Peru.

Grande parte da quilometragem foi acumulada nas viagens diárias entre Buritis, onde mora atualmente, e Brasília, onde ficam os filhos - e destino da maioria de suas corridas.

"Ele vem de lá todos os dias trazendo passageiros. Sai por volta das 5 horas da manhã e chega a Brasília por volta das 8 horas. Espera até meio-dia para pegar outros passageiros e volta para Buritis, chegando lá por volta das 16h. Descansa e no outro dia repete tudo de novo. Tem dia que ele chega a rodar 500, 600 quilômetros", explica Ramon.

Entra na conta também uma viagem ao Peru. "Acho difícil ir de novo. É muito cansativo e deu muita dor de cabeça", relembra Ramon. Foi quando o Etios passou pelo maior apuro em sete anos: na Bolívia, um caminhão acertou a lateral do sedã, danificando o para-choque.

Na longa jornada, o valente Etios XS 1.5 manual, comprado zero-quilômetro em 2013, jamais deixou Walter na mão. A lista de peças trocadas inclui pastilhas de freio repostas pela primeira vez aos 250 mil, platô e disco da embreagem aos 700 mil, corrente do comando aos 900 mil

E os discos de freio ainda são originais; apenas as pastilhas foram substituídas cinco vezes. Velas e cabos outras três vezes, a primeira aos 350 mil quilômetros. O motor jamais foi aberto.

"No interior, não percebemos nada de diferente. O carro sempre foi usado com capas protegendo banco, e um vinil forra o assoalho. Só precisa de uma limpeza", conta Ramon.

A labuta ainda não acabou para o guerreiro Etios. Segundo Ramon, o carro continuará em serviço por tempo indeterminado.

"Mas é claro que também aceitaríamos se a Toyota trocasse esse por um novo, e o mantivesse em uma espécie de museu à mostra para clientes, que conheceriam a história de tantas viagens", sugere Ramon.

999.999

Prestes a virar 1.000.000, o odômetro travou em 999.999. Isso fez com que a Toyota substituísse o painel por um novo - e se debruçar sobre o original para entender o motivo da pane.

Segundo Ramon, o novo painel resolveu o problema e o valente Etios já acumulou, depois da troca, mais 500 km - de muitos que ainda virão.

Viu um carro camuflado ou em fase de testes? Mande para o nosso Instagram e veja sua foto ou vídeo publicados por UOL Carros! Você também pode ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito participando do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros.

Meu carro