PUBLICIDADE
Topo

Volvo XC40 híbrido: avaliamos o SUV premium que passa pouco pelo posto

João Anacleto

Colaboração para o UOL

09/07/2020 04h00

Com 1.043 unidades vendidas nos seis primeiros meses do ano, o Volvo XC40 ganhou uma nova versão híbrida (algo que o irmão maior XC60 já oferecia há 1 ano) para seguir se destacando no mercado de SUVs premium.

Ele troca um bom motor 2.0 turbo por um 1.5 turbo híbrido somado a um conjunto elétrico. Ficou mais potente, com maior torque e muito mais econômico.

O UOL Carros teve a oportunidade de avaliar o XC40 R-Design T5 Hybrid Plug-in e mostra o que esse carro que visita poucas vezes o posto de gasolina tem a oferecer.

Wander Malagrine/Volvo

Volvo XC40 T5 Plug-In Hybrid R-Design

Preço

R$ 245.950
Carros
4,1 /5
USUÁRIOS
4,6 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Pontos Positivos

  • Acabamento
  • Consumo
  • Tecnologia

Pontos Negativos

  • Espaço traseiro
  • Abertura das portas traseiras
  • Ausência de tração 4x4

Veredito

Pioneirismo será a marca impressa neste Volvo XC40. Ele é o único dos SUVs de entrada, entre os Premium, a oferecer a tecnologia híbrida. Com níveis de consumo e emissões abaixo da média e possibilitando percursos diários rodando apenas no modo elétrico, sem gastar uma gota combustível, ele consagra de vez o seu conjunto de sucesso. Os únicos impeditivos devem estar no preço, muito próximo da versão Momentum do XC60, que custa R$ 29 mil extras, e na ausência de tração integral, item valorizado no mercado de SUVs.

Por fora, o novo XC40 é idêntico ao modelo anterior, a não ser por dois detalhes: a entrada do bocal elétrico no para-lamas do lado do motorista e um pequeno logotipo "Twin Engines", na tampa traseira. As rodas de 20", os faróis de LED com o martelo de Thor e o acabamento em duas cores permanecem por aqui.

Além da pouca abertura das portas traseiras, o espaço para quem viaja ali é acanhado, e com o túnel central bem elevado, não permite conforto para três adultos ali, o ideal é levar apenas dois. Seu porta-malas tem 460 litros e, considerando o tamanho do carro, com 4,40 m de comprimento e 2,70 m de entre-eixos, está acima do razoável. A tampa pode ser acionada eletricamente.

As mudanças mais radicais estão no conjunto mecânico, que com a tecnologia elétrica promove a possibilidade do consumidor em escolher qual propulsão usar, se vale a pena ficar apenas no elétrico, com a combustão ou se valendo do conjunto de forças para o dia-a-dia.

Volvo - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Imagem: Murilo Góes/UOL

O sistema híbrido é composto por dois motores, um 1.5 turbo de 3 cilindros - mesma litragem das versões T3 do V40, mas agora com 3 cilindros - e capaz de gerar 180 cv, mais um elétrico, que entrega 82 cv. O torque combinado é de 43,3 kgfm, que aparece já desde 1.500 rpm e permanece até os 3.000 rpm.

E ainda que tenha ficado 133 kg mais pesado que a versão 2019 munida apenas de um 2.0 turbo a combustão, marcando 1.871 kg na balança, consegue ir de 0 a 100 km/h em 7,3 s. O tempo é apenas 0,8 s mais lento que o antecessor, que oferecia 252 cv e 35,7 kgfm de torque.

Contudo, ao guiar, a sensação de peso extra é imperceptível. O carro arranca bem, tem ótimas retomadas e a diferença mesmo está na ausência de ruídos quando ele está pronto para despertar.

Os mais atentos a detalhes sentirão, no pé direito, uma mudança sensível na atuação dos freios, que podem ser ajustados para dar mais dinamismo às frenagens, absorvendo melhor a energia recarregando as baterias com mais intensidade.

Na prática, em modo dinâmico, você terá de dosar melhor a força com que seu pé fará no pedal.

Outra mudança substancial está na transmissão. O sistema com conversor de torque e 8 marchas deu lugar a um outro de 7 marchas, com dupla embreagem, mais rápido nas trocas, melhor adaptado às novas condições de entrega de torque e potência e, claro, mais leve para compensar o peso extra das baterias.

Volvo - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Imagem: Murilo Góes/UOL

Com essa alquimia, a Volvo promete consumo de 24,6 km/l na cidade e 22,6 km/l na estrada, segundo aferição feita junto ao Inmetro. Contudo esses não foram os números alcançados durante os dias de convivência com o carro - assim como a autonomia prometida de 47 km, apenas com a atuação do motor elétrico, que durante o nosso teste não passou de 45 km.

A engenhosidade da aplicação híbrida é notória. Ele conta com 5 modos de condução: Pure (100% elétrico), Hybrid (adequa os motores à condução de momento), Individual (motorista ajusta direção, freios, câmbio e motor o quanto quer usar), Power (entrega a força máxima das duas fontes) e Off-Road (elabora a melhor maneira de as rodas dianteiras passarem por terrenos tortuosos com a tração inteligente, mas só entre 20 km/h e 40 km/h).

É possível também usar as matrizes de maneira separada e coordenada. Deslizando para a direita, na tela do já conhecido sistema Sensus, você tem acesso a um menu que permite a função "Hold". que bloqueia o uso da parte elétrica. Essa é importante para quem quer se valer de melhor consumo no anda-e-para das grandes cidades, e não desperdiçar na estrada, por exemplo.

Há também uma outra função, a "Charge" que recarrega até 1/3 das baterias acionando o motor a combustão tanto para a rodagem quanto para essa recarga. Sim, nessa função o consumo aumenta drasticamente. Em um teste rápido, não passou de 7,3 km/l de gasolina.

Como você viu lá no começo, ele tem um bocal de recarga e já vem com o cabo que requer adaptação da tomada da sua casa. O sistema precisa de 7 a 8 horas para recarregar em voltagens de 110V, e levou 3h47 para a recarga em tomada de 220V. O tempo cai para pouco menos de 3 horas em estações de recarga rápida instaladas por cidades como São Paulo.

Volvo - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Imagem: Murilo Góes/UOL

À exceção do sistema elétrico acoplado, quem já teve contato com o XC40 não perceberá grandes diferenças. Por dentro ele manteve os belos bancos da versão R-Design, teto solar elétrico panorâmico e só ficou devendo mesmo a manopla de cristal Orrefors, presente nos XC60 T8 e XC90 T8, e que havia virado uma marca registrada dos híbridos da marca.

E, apesar da nova transmissão, o uso continua sendo feito à mesma maneira, com a pouco usual necessidade de se dar dois toques na alavanca quando se quer, por exemplo, sair do modo Drive para a marcha à ré.

Algo que o distancia da concorrência na corrida para antecipar o futuro são os itens de segurança. Um deles é o City Safety, que consegue identificar ciclistas, pedestres, animais, e claro, outros veículos, a ponto de evitar ou diminuir o impacto de uma colisão, freando o carro sem auxílio do condutor, seja de dia ou de noite. Nessa situação ele aperta os cintos de segurança afivelados e gruda o corpo do motorista no encosto do banco.

Nesta versão ele também traz o Pilot Assist, o sistema semi-autônomo de condução que funciona até 130 km/h e enxerga tudo à sua volta. Dotado de controlador de velocidade de cruzeiro adaptativo, ele lê a distância que você quer do carro que vai à frente, consegue manter o veículo entre as faixas e também é capaz de fazer curvas sem precisar do auxílio do motorista. Você só deve, de tempos em tempos, tocar no volante e mostrar que ainda está atento, caso contrário, em 15 segundos ele desabilita o sistema.

Para os aficionados em som e que adoram esse silêncio que só um carro em modo elétrico pode oferecer, o R-Design traz de série um conjunto Harman Kardon com 13 alto-falantes espalhados pelo carro, sem estarem nas portas.

Volvo - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Imagem: Murilo Góes/UOL

Além desta versão híbrida, o XC40 também tem versões só a combustão, chamadas de T4, com o motor 2.0 turbo de 190 cv e o câmbio de 8 marchas. A Momentum sai por R$ 199.950 e a Inscription não sai por menos de R$ 214.950.

Entre os concorrentes premium, leia-se Range Rover Evoque, Jaguar F-Pace, Mercedes-Benz GLA250, BMW X1 e Audi Q3, nenhum ainda conta com um sistema híbrido de propulsão. E, no segmento, não há outro SUV na faixa dos R$ 200 mil com sistema Plug-In.

O único que se aproxima dessa vertente é o Toyota RAV4 SX, que é híbrido, mas não é recarregável na tomada e custa R$ 240.000. Nesse caso, não escolher o Volvo seria um erro tão grande quanto abdicar de ter um SUV híbrido no portfólio.

Mecânica
  • Motorização

  • 1.5, 12V, 3 cilindros em linha, gasolina e motor elétrico

  • Combustível

  • gasolina e eletricidade

  • Potência (cv)

  • 262 (combinada)

  • Torque (kgf.m)

  • 43,3

  • Aceleração de 0 a 100 (segundos) (km/h)

  • 7,3

  • Velocidade máxima (km/h)

  • 205

  • Consumo cidade (km/l)

  • 24,5

  • Consumo estrada (km/l)

  • 22,3

  • Câmbio

  • automatizado de 7 marchas

  • Tração

  • dianteira

  • Direção

  • elétrica

  • Suspensão Dianteira

  • independente, McPherson

  • Suspensão Traseira

  • independente, multilink

  • Freios Dianteiros

  • discos ventilados

  • Freios Traseiros

  • discos sólidos

Pneus e Rodas
  • Pneus

  • 245/45 R20

  • Rodas

  • 20 polegadas

Dimensões
  • Altura (mm)

  • 1652

  • Comprimento (mm)

  • 4425

  • Entre-eixos (mm)

  • 2702

  • Largura (mm)

  • 1863

  • Ocupantes

  • 5

  • Peso (kg)

  • 1871

  • Porta-malas (L)

  • 460

  • Tanque (L)

  • 48

Preço das Revisões, Seguro e Garantia
  • 10.000 km

  • R$ 969

  • 20.000 km

  • R$ 1.999

  • 30.000 km

  • R$ 969

  • 40.000 km

  • R$ 2.599

  • 50.000 km

  • R$ 969

  • 60.000 km

  • R$ 3.799

  • Seguro

  • R$ 7.400 (média)

  • Garantia

  • 2 anos

Equipamentos
  • Airbags Motorista

  • Airbags Passageiro

  • Airbags Laterais

  • Airbags do tipo Cortina

  • Controle de Estabilidade

  • Controle de Tração

  • Freios ABS

  • Distribuição Eletrônica de Frenagem

  • Ar-Condicionado

  • Travas Elétricas

  • Ar Quente

  • Piloto Automático

  • Volante com Regulagem de Altura

  • Vidros Elétricos Dianteiros

  • Vidros Elétricos Traseiros

  • Central Multimídia

  • Rádio FM/AM

  • Entrada USB

  • Entrada Auxiliar

  • Banco de Couro

  • Banco do motorista com ajuste de altura

  • Bancos com ajustes elétricos

  • Desembaçador Traseiro

  • Computador de Bordo

  • Acendimento automático dos faróis

  • Faróis de neblina

  • Frenagem autônoma de emergência

  • Alerta de permanência em faixa

  • Sensor de pressão dos pneus

  • Sensor de pontos cegos

  • Alerta de colisão

  • Abertura elétrica do porta-malas

  • Faróis com regulagem de altura

  • Bloqueio do diferencial