PUBLICIDADE
Topo

Carnaval de Salvador: como a festa deve ser reinventada para 2022?

Felipe Pezzoni lidera a Banda Eva em trio em Salvador - Divulgação
Felipe Pezzoni lidera a Banda Eva em trio em Salvador Imagem: Divulgação

Felipe Pinheiro e Kadu Brandão

De UOL, em São Paulo, e Colaboração para UOL, em Salvador

04/12/2021 04h00

O que será do Carnaval de Salvador (BA) em 2022? Em meio à incerteza provocada pela pandemia de covid-19, menos de 90% da população vacinada - o recomendado pela Fiocruz para que a folia aconteça - e o surgimento da variante ômicron, empresários e artistas repensam a realização da maior festa popular do mundo e planejam alternativas caso a festa seja realmente cancelada.

Presidente da Abrape (Associação Brasileira dos Promotores de Eventos na Bahia) e CEO da empresa Salvador Produções, Marcelo Britto lamenta que, às vésperas da folia na capital baiana, ainda não haja uma confirmação oficial por parte da prefeitura e do governo sobre o evento que aquece o turismo da cidade. Ao UOL, a prefeitura disse que a nova variante da covid-19 mudou os planos em relação ao anúncio sobre o Carnaval.

Banda Eva e Daniela Mercury, que puxam alguns dos trios elétricos mais badalados do circuito Barra-Ondina, já anunciaram que não farão festas de rua.

Claudia Leitte é içada em guindaste durante seu trio em Salvador em 2020 - André Muzel/Brazil News - André Muzel/Brazil News
Claudia Leitte é içada em guindaste durante seu trio em Salvador em 2020
Imagem: André Muzel/Brazil News

Hunfrey Ataíde, sócio do bloco e Grupo EVA, explicou para a reportagem que tenta viabilizar shows em outras cidades do país durante a folia momesca. A Banda Eva desfilaria sexta e sábado de Carnaval em Salvador, com o tradicional Bloco EVA. O sócio da banda, que tem mais de 40 anos de história no cenário nacional, descarta inicialmente a ideia de um Carnaval no meio de 2022 - época de São João - ou até mesmo no período da Copa do Mundo.

"Estamos muito sentidos com essa decisão. A gente não consegue pensar em outra coisa a não ser o Carnaval de Salvador em 2023. É para onde nossas energias estão voltadas. Carnaval é Carnaval e, se tiver alguma coisa fora disso, na nossa concepção não é a festa. Mas a gente não consegue ter uma posição firmada", explica o sócio do EVA.

Felipe Pezzoni, que substituiu Saulo Fernandes na banda, disse que estava esperançoso em cantar no Carnaval de Salvador em 2022 após o avanço da vacinação contra a covid-19 e não esconde a frustração.

"Não tem como não ficar triste com essa decisão. Pelo segundo ano não vamos colocar nosso bloco na rua. Era um momento muito aguardado por nós. A gente tinha esperança com o avanço da vacina, mas a gente entende que essa é a melhor decisão a ser tomada", disse Felipe Pezzoni ao UOL.

Carlinhos Brown, por meio de sua assessoria, defende que para o Carnaval acontecer é preciso levar em consideração a situação atual da pandemia e fala em cautela.

Um Carnaval fora das ruas

Leo Santana no segundo dia do Carnaval de Salvador do ano passado. - RODRIGO ADÃO/ AGNEWS - RODRIGO ADÃO/ AGNEWS
Leo Santana no segundo dia do Carnaval de Salvador do ano passado.
Imagem: RODRIGO ADÃO/ AGNEWS

Uma alternativa que se desenha nos bastidores é a realização de festas em locais fechados. "É um modelo alternativo, exclusivo para o ano de 2022. A ideia é fazer um Carnaval fechado como se fosse uma grande festa. Para alguns pode fazer sentido levar trio elétrico para não perder a característica. Cada um está desenvolvendo o seu projeto. Será um modelo indoor como se fosse um grande camarote", afirma Britto.

A festa neste novo modelo proposto pelo empresário está prevista para acontecer no Wet em Salvador, um espaço destinado a grandes eventos. UOL apurou com fontes do mercado quais artistas negociam para se apresentarem no local: Léo Santana, Parangolé, Harmonia do samba, Alok e Timbalada.

Ivete Sangalo deve levantar poeira no Carnaval baiano do próximo ano, mas de um jeito diferente. Especula-se que a cantora se apresente no Centro de Convenções de Salvador em uma festa com duração de seis dias. Procurada pela reportagem, após o cancelamento do Réveillon na cidade, a assessoria de Ivete não confirmou se o evento em local fechado vai mesmo acontecer.

Apesar de surgir como alternativa emergencial, um Carnaval indoor já acontece em Salvador desde 2019. O Carnavalito, realizado na Arena Fonte Nova, está confirmado para 2022. Com três dias de festas, o evento conta com nomes como Harmonia do Samba, Barões da Pisadinha, Raí Saia Rodada, É o Tchan e Zé Vaqueiro, além de trios elétricos no formato "pranchão" (menor porte).

Paola de Mello, coordenadora do Setor Comercial da Arena Fonte Nova e uma das responsáveis pelo Carnavalito, conta que acredita na realização do evento dentro das normas estabelecidas pelo poder público mesmo depois dos casos confirmados da variante ômicron no Brasil.

"O planejamento está pronto. 100% da grade confirmada. E, em capacidade, conseguimos atender 8 mil pessoas por dia de evento. Mas é óbvio que vamos atender o que for definido na época, tanto em público quanto em requisito de confiança. Tem muita água para rolar, a gente não sabe", disse ao UOL.

Para Paola, a variante surge como grande adversária faltando menos de 90 dias para o Carnaval, mas afirma que o Carnavalito atenderia cinco mil pessoas, limite máximo permitido pelo governo da Bahia para eventos até o momento.

Cada notícia da variante que sai gera um impacto, uma instabilidade em todo mundo. Para quem está trabalhando em um evento tão grande, esses são uns monstrinhos. Se daqui para lá for decidido que não tem Carnaval e nem eventos paralelos, a gente recua e bola para frente para 2023. Mas acredito que vai acontecer.

Paola define as vendas para o como "flutuantes", pois mudam de acordo com as notícias sobre a covid-19. Pensando no cenário de cautela, o evento permite que o folião cancele o ingresso até 30 dias antes do evento sem ônus.

E o bloco na rua?

Dan Miranda, vocalista da banda Ara Ketu; o grupo muda de planos sobre o bloco em Salvador. - Divulgação - Divulgação
Dan Miranda, vocalista da banda Ara Ketu; o grupo muda de planos sobre o bloco em Salvador.
Imagem: Divulgação

"Meu bloco na rua não vai desfilar..." A música da Banda EVA marcou as decisões de alguns artistas. Além do próprio EVA e de Daniela Mercury, Durval Lelys havia confirmado, em junho, que o bloco "Me Abraça" não estaria na folia baiana.

No entanto, outros grandes artistas do Carnaval de Salvador têm esperança em colocar os blocos nos circuitos da capital. A banda Cheiro de Amor lançou o "Bloco Cheiro" para 2022 com uma festa no início de novembro deste ano. Empresário do Cheiro de Amor, Windson Silva se mostra decepcionado pela indecisão sobre a maior festa de rua do mundo e aponta uma desvalorização do carnaval da cidade.

"A falta de definição levará à inviabilidade das empresas de agilizarem as providências para realizarem os camarotes, blocos etc. Assim como inviabiliza a participação de empresas que patrocinam o Carnaval e necessitam de planejamento. Os poderes públicos têm pleno conhecimento destas variantes e estão postergando a decisão sabendo que desta forma forçam os blocos e empresas a desistirem do Carnaval e eles ficam assistindo de camarote, sem assumir a responsabilidade", disse.

Estamos observando a desvalorização de nosso Carnaval e o crescimento de outros estados, que importam nossos artistas, o que trará impactos negativos significativos para Salvador. — Windson Silva, empresário da banda Cheiro de Amor.

A banda Ara Ketu pretendia colocar o bloco na rua após um hiato, mas descartou devido a indefinição. O grupo pretende se apresentar em outras cidades para celebrar 40 anos de história. "A ideia era colocar o bloco em 2021, mas fizemos o planejamento para 2022. Infelizmente, com essa nova situação, estamos preocupados e com a certeza de que não vai ser possível. Não tem mais tempo para isso pensando em patrocínio e vendas. A alternativa é tentar fazer shows em outros carnavais", conta Cristiano Lacerda, empresário da banda.

O sentimento de Cristiano é compartilhado por Manoel Castro, empresário da banda Babado Novo. O grupo, que desfilou com o "Bloco UAU" em 2020, não abriu vendas. "São tempos de incerteza para nosso meio artístico, ainda estamos discutindo o nosso futuro para o Carnaval. Temos fechadas algumas datas para o estado do Pará e algumas reservas para Minas e São Paulo. Quanto ao Bloco Uau, acho que para este ano dificilmente desfilaremos", explica Manoel, que se mostrou a favor do Carnaval na rua em 2022.

"Estamos com 68% do bloco vendido e ninguém pediu o dinheiro de volta. O bloco não tem plano B, é um bloco de rua, de chão. A gente não vai pegar os foliões e engaiolar. Um olhando para a cara do outro fantasiado. Isso não existe. Caso não tenha o Carnaval, que a gente acredita em solução, vamos pensar em algo alternativo, mas sem fantasia. Isso [não ter carnaval] não passa pela nossa cabeça. Se as autoridades disserem que não vai ter, a gente se recolhe para 2023", comenta Luciano Paganelli, diretor do bloco "As Muquiranas", que tem Parangolé, Psirico e Pagod'art como atrações escaladas para 2022.

Na Central do Carnaval, site de venda de abadás, os blocos comandados por Bell Marques (Vumbora, Camaleão e Bloco da Quinta) continuam sendo comercializados. Procurado pelo UOL, o cantor não se posicionou sobre o assunto, assim como Márcio Victor, do Psirico. No San Folia, site que comercializa abadás das "divas baianas", não há venda de blocos. "Blow Out", de Claudia Leitte, e "O Vale", de Alinne Rosa seguem com vendas interrompidas.

Camarotes: cancelamento e novos formatos

Alok no camarote Villa Mix, em Salvador, em 2020. - Divulgação - Divulgação
Alok no camarote Villa Mix, em Salvador, em 2020.
Imagem: Divulgação

O Camarote Expresso 2222 não entrará em operação - mesmo que a folia seja confirmada -, como afirmou a empresária Flora Gil, que comanda as ações do camarote com o cantor Gilberto Gil, em entrevista ao Jornal Correio, da Bahia.

Outro camarote tradicional é o Villa Mix, que costuma levar personalidades conhecidas nacionalmente à folia baiana, como Gusttavo Lima, Luan Santana e Matheus & Kauan. Para o ano que vem há planos de que o show deve continuar, mesmo que novo formato.

Estamos estudando a melhor opção de local, caso o circuito oficial não ocorra. Reforçamos o respeito pelos nossos clientes e garantimos que o comunicado oficial será enviado primeiramente para todos que adquiriram o passaporte do camarote - Villa Mix.

O que diz a prefeitura

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM-BA), oficializou o cancelamento do Réveillon após a descoberta da variante ômicron e o aumento de casos na Europa. Ao UOL, Reis disse que uma decisão sobre o Carnaval deve ser tomada com calma em conjunto com o governador Rui Costa (PT).

Os atores do setor cultural envolvidos com a realização da festa pediram para que a decisão fosse divulgada até o fim do mês de novembro, para ter tempo de contratar estruturas, artistas e produtos. Mas o período coincidiu com a chegada de uma nova variante [da covid-19] que trouxe uma série de incertezas no Brasil e no mundo, e não há como tomar essa decisão agora - Bruno Reis, prefeito de Salvador.