PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Pesquisa: 47% das mulheres deixaram de ir ao ginecologista na pandemia

iStock
Imagem: iStock

Do VivaBem, em São Paulo

28/09/2021 16h37

Uma pesquisa realizada pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria), a pedido da farmacêutica Pfizer, mostrou que 47% das mulheres entrevistadas deixou de frequentar o ginecologista ou o mastologista durante a pandemia.

Denominada "Câncer de mama: tabu, falta de clareza sobre a doença, diagnóstico precoce e autocuidado", a pesquisa aponta também os perigos de as mulheres fazerem o autoexame, que pode, sim, detectar a doença, mas apenas em estágios mais avançados, o que dificulta o tratamento e as chances de cura. Dentre as entrevistadas, 21% alegaram não saber do risco de o autoexame apontar um tumor já em estágio avançado.

De acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer), no Brasil, a mamografia é o único exame que apresenta eficácia comprovada na redução da mortalidade por câncer de mama. Ela detecta o câncer precocemente, ampliando a possibilidade de cura com tumores em fases ainda iniciais.

No Brasil, deverão ser mais de 65 mil novos casos de câncer de mama por ano até 2022, de acordo com o Inca. E cerca de 30% das mulheres deverão ter metástase, mesmo com diagnóstico precoce.

"Sabemos que houve, no passado, uma forte campanha sobre o autoexame. Não estamos descartando seu papel, mas é preciso que as pessoas tenham clareza que ele não detecta tumores menores, daí a importância do acompanhamento médico e de exames complementares para que não haja comprometimento do tratamento se a condição for diagnosticada", explica Alessandra Menezes Morelle, oncologista do Hospital Moinhos de Vento.

Embora o índice ainda esteja alto esse ano, houve uma redução em relação a 2020, quando a pesquisa revelou que 62% não estavam indo às consultas.

"Esse cenário ainda é preocupante. Sabemos que a identificação precoce da doença é, muitas vezes, fundamental para o controle mais efetivo do câncer de mama", pontua Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer Brasil.

Por outro lado, o percentual de 27% das que disseram que seguiam a mesma frequência de consulta ao especialista no ano passado saltou para 42%.

Em relação à importância de um diagnóstico precoce, 59% mencionaram a importância de exames como mamografia ou ultrassonografia regularmente após os 40 anos e acompanhamento ginecológico.

Já 55% das respondentes disseram que devem fazer exames de rotina desde o início da vida adulta, se houver casos da doença na família. Isso mostra que mais da metade das mulheres sabem que a hereditariedade é um fator que precisa de atenção.

A pesquisa online foi realizada entre os dias 7 e 23 de setembro de 2021 e contou com 1.400 mulheres, a partir de 20 anos, moradoras de São Paulo (capital) e das regiões metropolitanas de Belém, Brasília, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro.

Dados preocupantes

Quanto antes for o diagnóstico, melhor - iStock - iStock
Quanto antes for o diagnóstico, melhor
Imagem: iStock

Quando questionadas especificamente sobre cuidados necessários para um diagnóstico precoce, 42% responderam que é preciso ficar atentas somente a nódulos (caroços) nos seios.

Mas há luz no fim do túnel: 78% fazem acompanhamento ginecológico, sendo que 40% dessas fazem todos os exames solicitados e retornam ao médico. Porém, 8% fazem todos os exames solicitados, mas se acharem que está tudo bem, não retornam para avaliação médica.

Em relação à doença metastática (que se espalha para outros órgãos), 54% acreditam que é possível tratar e controlar a condição. Houve ainda um comparativo entre o sistema de saúde público e o privado.

De um lado, 14% afirmaram que somente há possibilidade de cura se houver acesso à saúde privada, frente a 16% que acreditam que a cura seria por meio do SUS (Sistema Único de Saúde).

"Ainda temos muito o que avançar, mas não podemos ignorar que já conseguimos dar passos consideráveis quando olhamos para o passado", diz Luciana Holtz, fundadora e presidente do Oncoguia.

Aspectos emocionais e autocuidado

O levantamento retratou aspectos emocionais relacionados ao câncer de mama. Entre as maiores preocupações das entrevistadas estão o medo (28%), sofrimento (18%) e tratamentos (34%).

Mas a confiança também existe, já que "acreditar na cura por meio de acesso a tratamento médico" foi apontado pela maioria das mulheres.

Situação no mundo

Um levantamento divulgado pelo Global Cancer Observatory revela que, no último ano, o câncer de mama foi responsável por 11,7% dos novos casos de câncer no mundo, com 2,26 milhões de casos registrados.

Esses números fizeram com que ele se tornasse a doença oncológica mais diagnosticada em 2020, superando o câncer de pulmão, que teve 2,2 milhões de novos casos.

"Vale lembrar que o câncer de pulmão acomete tanto homens quanto mulheres, diferentemente do de mama, em que 99% dos casos ocorrem em mulheres", aponta o oncologista Rafael Kaliks, do Hospital Israelita Albert Einstein. Levando em conta apenas pessoas do sexo feminino, o câncer de mama representou 24,5% dos novos casos em 2020.

Saúde