PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Como modificações corporais, como as do Diabão, impactam a saúde?

Felipe Oliveira

Colaboração para VivaBem

15/07/2021 10h01Atualizada em 16/07/2021 08h28

Michel Faro Praddo, o Diabão, é conhecido pelas modificações corporais que faz. Possuindo atualmente mais de 60 modificações e com quase 85% do corpo tatuado, ele pretende entrar para o Guinness Book como o homem mais modificado do mundo. Mas será que mexer tanto com o corpo é saudável?

"Todos esses procedimentos são extremamente arriscados. Todo procedimento cirúrgico vai ter seu risco, independentemente de ser de médio ou grande porte, todos têm risco", afirma Alexandre Kataoka, cirurgião plástico e médico perito da Secretaria de Justiça do Estado de São Paulo.

O próprio Diabão passou por uma complicação recentemente e teve de ser levado ao hospital após os pontos de uma abdominoplastia se romperem —na cirurgia, ele também optou por remover o umbigo.

Entre as modificações pelas quais Michel passou estão 17 implantes de silicone; 30 escarificações (prática de provocar cicatrizes); sete implantes transdermais (adornos colocados debaixo da pele); remoção de parte do nariz e da orelha; retirada dos mamilos e do dedo anelar; uma eyeball tatoo (tatuagem no "branco" do olho); uma bifurcação na boca, um implante dentário de prata, entre outras.

O próprio Michel afirmou em entrevista recente ao UOL que "a retirada do dedo foi feita por um amigo mexicano considerado um dos maiores modificadores do mundo". Esse tipo de ação já traz um alerta, já que a cirurgia não foi realizada por um médico.

Isso porque todo procedimento cirúrgico traz um risco de infecção, principalmente se não for feito em um local adequado para isso.

"Nenhum médico vai fazer isso, você não está trazendo benefícios. O médico faz o juramento de promover saúde. Qualquer complicação que der o médico pode, inclusive, perder o CRM [registro no conselho de classe necessário para atender]", explica Fernando Amato, cirurgião plástico e membro da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica).

Pneumonia e infecções respiratórias

A remoção de parte do nariz, por exemplo, pode trazer diversas complicações, não apenas no pós-cirúrgico como também no futuro. Além de ter uma função essencial durante a respiração, o nariz ainda protege o pulmão, evitando infecções respiratórias.

"O nariz tem a função de respiração e umidificação do ar. A retirada pode trazer vários problemas de saúde, primeiramente da própria respiração. Como a pessoa não vai estar com a válvula nasal, o nariz não vai fazer a função de umidificação do ar, então pode ter infecções respiratórias, como sinusites e resfriados, ou ainda problemas pulmonares. Como o ar não está sendo filtrado, essa pessoa tem um risco maior para pneumonias, broncopneumonias e afins", explica Kataoka.

Diabão publicou vídeo para falar sobre estado de saúde - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Já a remoção das orelhas mexe com todo o aparelho auditivo, podendo até mesmo fazer com que a pessoa fique surda.

"O pavilhão auricular [parte externa da orelha] serve para direcionar o som e protege o conduto auditivo [parte interna da orelha]. Ele vai expor mais o conduto auditivo e pode ter perda de audição, tanto pelo fluxo do som não ser tão adequado, direcionado, como ele pode aumentar o risco de infecção porque não tem proteção alguma ali", diz Fernando Amato .

"Um dos riscos, por exemplo, é desenvolver uma meningite, já que ali se torna uma porta de entrada paras bactérias", complementa o médico perito.

Mas não são apenas as remoções que podem trazer problemas. As escarnificações e os implantes de silicone também trazem riscos à saúde, principalmente infecções, que podem levar até mesmo à perda do órgão.

"A cicatrização ruim já é um problema, mas é exatamente o que eles querem ao fazer modificações. Contudo, isso pode perder o controle, gerar uma ferida que não fecha, uma infecção maior e prolongada, causando assim uma celulite, erisipela, ou até mesmo a perda da função de um órgão. Uma infecção mais grave na mão pode levar até a perda dela, por exemplo", explica Amato.

Modificações na boca

Erik Sprague - Martin Bureau/AFP - Martin Bureau/AFP
Homem lagarto bifurcou a língua
Imagem: Martin Bureau/AFP

Além de tatuagens nos olhos, retiradas de parte do corpo como o nariz e orelhas, outro local bastante modificado é a boca. O Homem Lagarto, por exemplo, possui a língua bifurcada, o que pode trazer alteração da fala ou ainda problemas respiratórios.

"A modificação na anatomia da língua pode levar a alterações na função dela, como na fala e na deglutição, que podem trazer como consequências a longo prazo alterações oclusais e até problemas respiratórios", destaca Sofia Takeda Uemura, cirurgiã-dentista e presidente da Comissão de Ética do Crosp (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo).

"É preciso ainda lembrar dos riscos de hemorragia, infecção e de secção de nervos durante a realização do procedimento", completa.

Já a bifurcação das laterais da boca, procedimento feito pelo Diabão, pode levar a quelite angular, uma inflamação no canto da boca, devido a umidade constante provocada pela modificação no formato do lábio.

"Alterações na anatomia da boca podem levar a dificuldades no selamento labial, importante para a fala e a deglutição; à exposição constante do meio bucal com ressecamento das mucosas e dos dentes", explica Uemura.

A cirurgiã-dentista afirma ainda que a alteração no formato dos dentes, como colocar presas, pode alterar a mordida e os movimentos mastigatórios, "podendo provocar desgastes inadequados nos dentes antagonistas, alterações na articulação temporomandibular e nos músculos mastigatórios gerando dor".

Saúde