PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Doenças psicossomáticas: saiba como emoções e pensamentos afetam o corpo

iStock
Imagem: iStock

Marcelo Testoni

Colaboração para VivaBem

01/07/2021 04h00

Mente sã, corpo são. Já ouviu esse ditado? Pois faz muito sentido. Para o corpo funcionar bem, o psicológico e o emocional precisam estar saudáveis —e vale o contrário.

Estado físico e mental não andam separados. Tanto que ansiedade, estresse e depressão podem cursar com alterações de sono e apetite, perda de energia, enquanto quadros psicóticos, a exemplo de esquizofrenia, com dores de cabeça, nas costas, musculares, fraqueza e problemas digestivos.

"O componente psíquico está sempre presente em todos os casos", garante Wimer Bottura, psiquiatra e presidente da ABMP (Associação Brasileira de Medicina Psicossomática).

De acordo com ele, hormônios, como adrenalina e cortisol, liberados por medo, tristeza e raiva constantes geram um desequilíbrio bioquímico e, inicialmente, uma alteração funcional, mesmo sem presença de dano físico, e a persistência disso causa uma alteração estrutural, ou seja, o estabelecimento de uma doença pela forma como o paciente se relaciona com o seu redor.

"O cérebro não trabalha com fatos, mas com informações sobre fatos e numa tentativa de se defender de uma ameaça não identificada pode reagir com manifestações relacionadas ao emocional. A maioria das pessoas que procuram atendimento de urgência não tem doenças, mas alterações funcionais que vão evoluir para algo se não tratadas", complementa Bottura.

Da cabeça para o corpo

Doenças psicossomáticas portanto são aquelas provocadas ou agravadas por sofrimento psíquico, geralmente involuntário e inconsciente, acompanhado de alterações de certas funções orgânicas e corporais.

Negativismo, traumas, pressão ou violência psicológica, esgotamento profissional, bullying, autocobrança, tudo isso têm um impacto sobre a saúde ou doenças, como gastrite, diabetes mellitus, hipertensão, fibromialgia, artrite reumatoide, asma.

dor de barriga; gastrite; intestino; cólica - iStock - iStock
Imagem: iStock

Mesmo saudável fisicamente, a pessoa pode ter inflamação, alergia, dores, crise de falta de ar, taquicardia e diarreia.

Por isso, até descobrir o que se tem de verdade, quem apresenta doenças psicossomáticas, ou transtorno de somatização, está suscetível a sofrer por bastante tempo e, em busca de um diagnóstico que às vezes considera ser apenas físico, pode se viciar em realizar vários exames idênticos e se consultar com diferentes médicos, sem ter sucesso.

"Fazer isso não só não é indicado como é prejudicial, pois procedimentos invasivos e desnecessários oferecem riscos. Se o paciente vai a uma urgência é preciso informar se a condição que ele apresenta possui um histórico, é monitorada por um médico e se ele toma medicamentos", informa Natan Chehter, geriatra pela SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia).

Efeitos psicossomáticos

Alexandre Walter Campos, neurocirurgião pelo Hospital Heliópolis (SP) e da Central Nacional Unimed, explica que quase nada acontece no organismo sem que haja a participação do cérebro.

"A interação cérebro-intestino, por exemplo, se dá desde o nível do sistema nervoso periférico, nos órgãos abdominais, até o sistema nervoso central em relação com o sistema límbico, 'circuito das emoções', e sistema neuroendócrino, que regula a atividade hormonal".

Portanto, qualquer um está sujeito a apresentar dos pés à cabeça, os vários efeitos a seguir:

  • Boca e garganta: secura; sensação de bloqueio; irritações, inclusive das amígdalas
  • Coração e circulação: palpitações; dores; tremores; suor frio; elevação da pressão arterial
  • Estômago: dor e queimação; sensação de náusea; piora de gastrites; falta de apetite
  • Intestino: diarreia; prisão de ventre; síndrome do intestino irritável
  • Músculos e articulações: dores; tensões; contrações; deformidades posturais; fadiga
  • Pele: coceira; ardência; manchas vermelhas ou arroxeadas pelo corpo; escamação
  • Pulmões: respiração rápida e ofegante; sufocamento; alergia e inflamação das vias áreas
  • Rins e bexiga: dor ou dificuldade para urinar; retenção urinária
  • Sistema nervoso: enxaqueca; alterações visuais, de equilíbrio, sensibilidade e movimento; formigamentos; dificuldade para relaxar, dormir, se concentrar; irritabilidade; desânimo
  • Sistema reprodutor: impotência sexual; redução da libido; alterações do ciclo menstrual

O que faz um paciente ter mais sintomas físicos ou mais sintomas mentais ainda não é muito claro. A causa provavelmente é multifatorial.

Também há casos em que há "conversão" ou "integração" de sofrimentos somados a pensamentos obsessivos que culminam em sintomas extremos, de cegueira, paralisia e a impressão de que se vai infartar, convulsionar ou ter um AVC.

É preciso considerar tudo

Diante de sintomas físicos, um especialista deve investigar os fatores diretos que poderiam originá-los. Caso o que sinta seja disseminado ou vago, uma consulta com um clínico geral e a realização de exames básicos pode ajudar na triagem diagnóstica.

Após a exclusão de todas as possíveis causas orgânicas, o paciente então pode ser avaliado por um psiquiatra. Assim, o diagnóstico psicossomático é clínico e só ocorre após tudo que é possível ter sido realizado.

Mas espera-se que antes, na consulta, o médico leve em consideração todas as dimensões do paciente e procure saber sobre suas relações sociais e seu estado psicológico, para ter uma concepção plena do adoecimento.

Nesse contexto, caso nada de estranho seja diagnosticado, mandar o paciente para casa com algum medicamento para sintomas não resolverá a causa. Seus relatos e sintomas devem ser respeitados e considerados pelo profissional de saúde.

São sinais para que se tenha mais atenção ao organismo, qualidade de vida, bem-estar social e psicológico.

Por isso, de acordo com Anderson Weiber, psiquiatra do Hospital Geral Prado Valadares, em Jequié (BA), e professor na Afya Educacional, em Salvador, é necessário explicar o que pode ser e convencê-lo da necessidade de se fazer uma investigação psicológica.

"O psiquiatra é importante como interconsultor destes casos. Isto é compreensível pelo médico clínico geral poder lidar melhor com as queixas 'físicas' do paciente e trazer mais conforto e segurança na condução do caso. Quando presentes ansiedade e depressão, o tratamento é feito com uso de medicamentos e psicoterapia. Na ausência de comorbidades psiquiátricas, apenas psicoterapia e mudança de estilo de vida são indicadas", finaliza Weiber.

Saúde