PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Estudo: exames preveem Alzheimer em estágio inicial com 90% de precisão

iStock
Imagem: iStock

Do VivaBem, em São Paulo

31/05/2021 10h06

Um estudo publicado na Nature Medicine por cientistas da Suécia mostrou que uma nova ferramenta simples pode diagnosticar o Alzheimer em seus estágios iniciais, através de um único exame de sangue e três cognitivos, que levam apenas dez minutos para serem concluídos.

O novo algoritmo foi capaz de prever com 90% de precisão quais pacientes com comprometimento cognitivo leve desenvolveriam Alzheimer em quatro anos. Segundo os especialistas, em comparação com os métodos de diagnóstico atuais, esse é um grande avanço.

"O algoritmo nos permitirá recrutar pessoas com Alzheimer em um estágio inicial, que é quando novos medicamentos têm uma chance melhor de retardar o curso da doença", disse Oskar Hansson, neurocientista da Universidade de Lund, na Suécia.

Testes foram aprimorando o protótipo

Nos primeiros testes do protótipo, os especialistas em demência tiveram um desempenho significativamente pior do que a nova ferramenta.

Ao examinar 340 pacientes na Suécia e 543 pacientes na América do Norte com problemas leves de memória, os especialistas conseguiram prever quem desenvolveria a doença em 72% das vezes.

Por outro lado, o novo algoritmo foi capaz de identificar em 83% dos casos o início do Alzheimer usando apenas os resultados dos exames de sangue. Já com os testes cognitivos acrescentados, a precisão chegou a 90%.

Essas amostras de plasma sanguíneo foram usadas para procurar um gene de risco de Alzheimer conhecido, bem como evidências de emaranhados de proteína tau em pessoas que já sofrem de problemas leves de memória.

Estudos recentes sugerem que as proteínas tau estão presentes no cérebro desde os estágios iniciais da doença de Alzheimer e, no ano passado, os cientistas descobriram que o plasma P-tau217 —um produto das proteínas tau no sangue— era um bom preditor de declínio cognitivo em pessoas com comprometimento cognitivo leve.

No passado, descobriu-se que o P-tau217 no líquido cefalorraquidiano prediz o declínio cognitivo específico do Alzheimer, mas os testes do líquido espinhal são muito mais invasivos e caros do que um simples exame de sangue. Esse é o principal diferencial.

Por que esse estudo é importante?

O diagnóstico precoce traz esperança aos pacientes com Alzheimer em estágios iniciais, especialmente para os que não têm condições financeiras para pagar caro por tecnologia de imagem cerebral ou exames de líquido cefalorraquidiano. Quanto mais cedo se descobre a doença, melhor será o tratamento contra o avanço.

"O algoritmo atualmente só foi testado em pacientes que foram examinados em clínicas de memória. Nossa esperança é que também seja validado para uso na atenção primária à saúde, bem como em países em desenvolvimento com recursos limitados", disse Sebastian Palmqvist, autor principal do estudo.

Saúde