PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Por que você deve se vacinar mesmo se o risco de trombose for confirmado

NurPhoto/Getty Images
Imagem: NurPhoto/Getty Images

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

19/04/2021 10h09

Casos de trombose após doses das vacinas contra a covid-19 de AstraZeneca e Janssen têm causado medo em muitos que aguardam ansiosamente para receber o imunizante.

Pela baixa quantidade de casos relatados, por enquanto, a associação não está totalmente clara, mas já existem estudos em andamento para investigar a reação.

"Pelo que sabemos da covid-19, entende-se que existe uma reação imune de forma inesperada da vacina, que causa distúrbio nas plaquetas sanguíneas, gerando coagulação, mas o mecanismo exato ainda não é conhecido", diz o cirurgião vascular Márcio Barreto, chefe da cirurgia vascular do Hospital Unimed em Americana, São Paulo.

Especula-se também que a reação possa estar ligada ao veículo usado em ambas as vacinas —dois tipos de adenovírus.

Com a vacina da Oxford/AstraZeneca, até 4 de março, a EMA (Agência Europeia do Medicamento) havia constatado 222 quadros de trombose entre 35 milhões de vacinados, cerca de um a cada 175 mil imunizados.

Já com o imunizante da Janssen, que é subsidiária da empresa Johnson & Johnson, em sete milhões de vacinados, seis casos de trombose foram identificados, menos de um caso por milhão.

Benefícios superam os riscos

O benefício é alto, pois a vacina reduz risco de hospitalização, doença grave e morte com alta eficácia, entre 70% e 90%, dependendo do laboratório.

"Pela incidência pequena, não justifica não tomar a vacina por medo da trombose", explica Cristiano Cruz, cirurgião vascular do Hospital Universitário Alcides Carneiro, da Rede Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares), em Campina Grande, Paraíba.

Já entre os infectados com covid-19 que precisaram de hospitalização —ou seja, sofrem de quadros mais graves da doença—, a taxa de trombose é de 16,5%, segundo uma pesquisa com 3.342 pacientes.

"Além disso, é mais fácil tratar isolada do que associada a covid-19, que pode trazer inúmeras complicações além da trombose", diz Barreto.

Pílula, gravidez e tabagismo oferecem risco maior

Embora também seja baixo, o risco de trombose para mulheres que tomam pílula concepcional é muito mais alto do que o oferecido pela vacinação.

Segundo dados da Agência Europeia do Medicamento, uma em cada mil mulheres que usa pílula anticoncepcional apresenta a formação de coágulos sanguíneos. Os números podem variar de acordo com a população estudada e, no Brasil, a Anvisa aponta que mulheres usando alguns tipos de medicamento anticoncepcional têm um risco de 4 a 6 vezes maior de desenvolver tromboembolismo venoso do que as que não usam o remédio.

Para fumantes, os casos são de 763 casos por milhão de pessoas. O quadro também pode ocorrer na gravidez— uma a cada um milhão de gestantes desenvolve o problema.

Saúde