PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

O que acontece no seu corpo quando você toma Roacutan para acne

Remédio para acne diminui a produção de glândulas sebáceas; efeitos colaterais são pele, olhos e boca secas - Barcroft Media/Colaborador Getty Images
Remédio para acne diminui a produção de glândulas sebáceas; efeitos colaterais são pele, olhos e boca secas Imagem: Barcroft Media/Colaborador Getty Images

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

09/03/2021 04h00

Muito utilizada para casos de acne severa, resistente, ou quadros de rosácea, a isotretinoína é um medicamento derivado sintético da vitamina A, substância que também está presente em alimentos e cosméticos, mas em quantidades bem menores.

No Brasil, a droga começou a ser estudada na década de 1980 e é hoje vendida com o nome comercial de Roacutan, da farmacêutica Roche, e também em versão genérica por outros laboratórios.

Ela não ganhou fama à toa: em um estudo observacional, 100 pacientes em tratamento para acne com isotretinoína com doses diárias de 0,5 a 1 mg por dia — de acordo com o peso de cada participante—, tiverem resultados impressionantes —91% foram curados das lesões e 9% obtiveram melhora parcial.

Nas clínicas dermatológicas, os médicos confirmam, por experiência, a boa eficácia do medicamento em seus pacientes, mas reforçam a necessidade de acompanhamento mensal, já que ele também pode causar efeitos colaterais.

Efeitos colaterais que os pacientes notam

As principais consequências do uso da isotretinoína são bem conhecidas e manejáveis, desde que o acompanhamento de um médico dermatologista seja regular.

Dentre as mais comuns, estão:

  • Ressecamento de pele e mucosas (inclusive na região da vagina, o que pode requerer acompanhamento ginecológico);
  • Ressecamento de olhos e nariz e, por isso, aconselha-se o uso de colírios lubrificantes e soro fisiológico.

Raramente ocorrem casos de cefaleia, queda de cabelo e alergia.

No lado positivo, a medicação tem o efeito de suavizar linhas de expressão. Isso por que ela diminui o ritmo de proliferação celular e a descamação, deixando a pele mais lisa. A longo prazo, o remédio também pode ter um efeito de estimular fibras elásticas e fibras colágenas.

Mas embora ocorra uma melhora geral da pele, não se pode esperar que o remédio vá agir na flacidez das coxas ou dos glúteos, por exemplo. Sua ação é seletiva e a substância é mais eficiente na parte que está doente, onde a produção de oleosidade e inflamações é maior.

Como a isotretinoína age no seu organismo

O principal mecanismo de ação da droga ocorre na glândula sebácea, através da ligação a receptores para retinoides específicos, reduzindo sua atividade, seu tamanho e a quantidade de sebo produzida em 75% após quatro semanas de tratamento.

Algumas bactérias aumentadas nos pacientes com acne também são combatidas. Além disso, ocorre:

  • Elevação de gorduras no sangue;
  • Elevação dos níveis de colesterol e triglicérides;
  • Para um número menor de pacientes, pode ocorrer a elevação de enzimas hepáticas --especialmente se a pessoa consome álcool, o que sobrecarrega o fígado, local de metabolização da droga.

O que os pacientes não podem fazer

Para gestantes, o remédio oferece alto risco de teratogênese (formação e desenvolvimento no útero de anomalias que levam a malformações), já que o processo de replicação celular age também no embrião.

Aparentemente, conforme mostram estudos científicos, não há riscos quando é o homem que está tomando a droga, mas os médicos recomendam evitar as tentativas de gravidez de qualquer forma.

O consumo de álcool, como dito acima, pode sobrecarregar o fígado e aumentar excessivamente o nível de triglicérides.

Também é contraindicada a doação de sangue de qualquer paciente em tratamento por que eventualmente o sangue pode ser oferecido para uma gestante e recomenda-se adiar procedimentos com o uso de laser ou qualquer outro que causem dano tecidual, inclusive cirurgias eletivas que necessitam processo de cicatrização complexa.

Fontes: Aline Iglesias, dermatologista da Clínica Adriana Cairo e médica do Hospital Heliópolis, em São Paulo e Samuel Henrique Mandelbaum, coordenador do serviço de dermatologia da Santa Casa de São José dos Campos (SP).

Saúde