PUBLICIDADE

Topo

Conexão VivaBem

Vitalidade


Mônica Martelli: "Para sexo bom, tem que conversar; pornô ensinou errado"

Do VivaBem, em São Paulo

31/07/2020 11h00

No Conexão VivaBem desta sexta-feira (31), a atriz e autora Mônica Martelli contou que o segredo para ter sexo bom é a comunicação entre os parceiros. Segundo ela, a pornografia ensinou um sexo irreal e o machismo ainda faz muitas mulheres terem medo de falar o que gostam e o que querem na hora da transa.

"Eu acho que o segredo, para mim, depois de todas as relações e experiências que eu tive, é a conversa, a comunicação, é você tentar entender o seu corpo, tentar falar com o parceiro o que te faz feliz, como você sente prazer e tentar driblar essa rotina, esse dia a dia, que é massacrante", disse, durante a conversa com Jairo Bouer e a psiquiatra Carmita Abdo.

Pornografia ensinou errado

"Mas eu sinto que as mulheres não têm coragem de falar o que elas sentem. Elas transam sem estar com vontade, por medo de perder o marido. A gente está vivendo todo um movimento feminista, que a gente está entendendo que as mulheres não fazem mais o que elas não querem. Mas existe uma teoria desse movimento e existe uma realidade. A realidade é que as mulheres têm medo de falar as suas fantasias, seus desejos, de serem julgadas, têm medo de não transar com o marido e ter aquela velha história que ele vai arranjar outra, aquela coisa supermachista".

Mônica disse que as pessoas crescem com uma ideia muito errada de sexo. "Há pouco tempo eu estava fazendo unha com uma mulher, no Rio, quando morava lá, e ela falou que nunca tinha tido um orgasmo até ter o segundo filho. Porque, como sempre via filme pornô, achava que se o homem encostasse nela ela já estava tendo orgasmo, e depois entendeu que não. As pessoas aprendem de forma errada, a pornografia ensina de forma errada. A mulher se acha frígida, acha que com a simples penetração já tem que estar na loucura. A coisa não é assim".

"Todo mundo mente"

Segundo ela, a educação e o exemplo dos pais foram essenciais em sua visão sobre o sexo. "Eu tive pais que se separaram na guerra, mas foram apaixonados e eu lembro dessa paixão, então não sei se isso influenciou também. Minha mãe sempre conversou comigo sobre educação sexual, que foi importante também", disse.

Além disso, a atriz revelou que a sociedade mente muito quando o assunto é sexo, e isso gera uma expectativa nunca alcançada. "Todo mundo fala que transa três vezes por semana, todo mundo sabe muito sobre o orgasmo, todo mundo está muito feliz. Eu acho que a gente cria uma expectativa em cima do sexo e das relações que não são correspondidas e a gente vai ficando frustrado. Será que só eu não tenho essa vida sexual? Eu acho que todo mundo mente".