PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Novo adesivo vestível pode ser opção para tratar melanoma sem dor

iStock
Imagem: iStock

Bruna Alves

Colaboração para o VivaBem

29/06/2020 18h56

O melanoma é o mais grave tipo de câncer de pele. Ele se origina nos melanócitos (células produtoras de melanina, e determinam a cor da pele) e corresponde a 3% dos tumores malignos. No Brasil, estima-se que há 8.450 novos casos de melanoma registrados em 2020, segundo dados divulgados pelo INCA (Instituo Nacional de Câncer).

Ele atinge, principalmente, pessoas brancas, já na fase adulta e, muitas vezes, exige um tratamento doloroso de quimioterapia, baseado convencionalmente na aplicação de medicamentos com microagulhas e radioterapia. Esses métodos, porém, geram muitas recusas por parte dos pacientes e diversos efeitos colaterais.

Pensando nisso, pesquisadores da Universidade Purdue (Estados Unidos) fizeram um estudo e desenvolveram um adesivo que oferece um tratamento tópico para o melanoma, sem dor.

O adesivo de melanoma foi desenvolvido e testado pelo laboratório do professor Chi Hwan Lee, com a participação de Yoon Yeo, da Faculdade de Farmácia de Purdue, e de Dong Rip Kim, da Universidade Hanyang, em Seul, Coreia do Sul.

Como funciona o novo tratamento com o adesivo?

O novo adesivo é um filme flexível, fino e solúvel em água, que se dissolve rapidamente após a liberação programada do medicamento no organismo. Ele é aplicado na pele e o paciente não sente dor, como explicou Chi Hwan Lee, professor assistente de engenharia biomédica em Purdue ao Medical News Today.

"Desenvolvemos um novo adesivo vestível com agulhas totalmente miniaturizadas, permitindo a entrega discreta de medicamentos através da pele para o gerenciamento de câncer de pele", diz o pesquisador.

Essas nanoagulhas minúsculas e porosas são projetadas com uma grande capacidade de carregar drogas, sendo comparável às microagulhas maiores, atualmente usadas para quimioterapia tópica.

"A singularidade de nossa tecnologia decorre do fato de termos usados nanoagulhas de silício extremamente pequenas, porém duradouras, com pontas angulares e afiadas, fáceis de penetrar na pele de maneira indolor e minimamente invasiva", afirma o professor Lee.

Por que o tratamento é importante?

As microagulhas usadas na quimioterapia tópica são pequenas, mas ainda são grandes o suficiente para causar muita dor. Segundo os autores do estudo, isso é especialmente problemático, por exemplo, no tratamento do melanoma ocular, dada a sensibilidade da córnea.

Além disso, o melanoma é um dos tipos de cânceres mais agressivos que pode se espalhar rapidamente para outros órgãos. E, para contê-lo, muitas vezes o paciente é submetido a inúmeras sessões de quimioterapia, principalmente, quando a cirurgia não é mais uma opção ou quando o câncer se espalhou.

Sendo assim, os pesquisadores estão analisando a quimioterapia tópica como uma abordagem mais tolerável - que pode ser igualmente eficaz, se não mais, do que o método atualmente utilizado. Dessa forma, os pacientes terão um tratamento menos agressivo e sem dor.

Saúde