PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Estudo mostra que cloroquina acelerou melhora de pacientes com coronavírus

Apesar do bom resultado, especialistas fazem ressalvas - jaouad.K/iStock
Apesar do bom resultado, especialistas fazem ressalvas Imagem: jaouad.K/iStock

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

02/04/2020 11h15

Um novo estudo feito no Renmin Hospital of Wuhan University, em Wuhan, na China, testou a hidroxicloroquina, medicamento potencialmente benéfico para pacientes com covid-19 (ainda em estudo por pesquisadores do mundo todo), em 62 pessoas com a doença.

Na pesquisa, que durou 24 dias e foi feita de forma randomizada — o que significa que os participantes foram divididos em grupos de forma aleatória —, metade dos indivíduos receberam a droga. Os cientistas começaram a medir os resultados após cinco dias e, ao fim do estudo, apontaram que quem recebeu medicamento teve seus sintomas melhorados mais rapidamente e apenas dois deles tiveram efeitos adversos relacionados ao remédio.

Além disso, pacientes com pneumonia que tomaram a hidroxicloroquina também tiveram melhor desfecho clínico em comparação com o grupo controle. Quatro pacientes evoluíram para quadros graves, todos eles do grupo controle.

O estudo prova a eficácia do medicamento?

Não. Apesar do bom resultado, a análise não é eleita como totalmente confiável por especialistas. De acordo com Rachel Riera, reumatologista do Sírio Libânes do grupo de pesquisas com hidroxocloroquina, o projeto apresenta várias falhas.

"Comparei o projeto do estudo com o que foi ao ar, o que é importante para evitar um viés de publicação. A base mostrava três grupos de comparação — 100 pacientes em cada, com dois recebendo hidroxicloroquina em doses diferentes e um para controle. Ou seja, não sabemos onde está o outro grupo, que recebeu uma quantidade menor da droga", explica Riera.

A reumatologista também explica que, no projeto, os cientistas planejaram apenas um desfecho: medir a carga viral por PCR depois de cinco dias. "Na publicação, eles avaliam vários desfechos de melhoras de sintomas, menos o que foi proposto".

Outro ponto importante é que os responsáveis pela análise dizem que os pacientes e pesquisadores não sabiam em qual grupo estavam. "Mas eles não declaram usar placebo, ou seja, fica fácil de saber em qual grupo o paciente foi alocado", esclarece a médica.

Além disso, com 62 pacientes, a pesquisa é considerada pequena — para que os resultados sejam considerados mais relevantes, o estudo deve ter centenas de participantes.

Medicamento não deve ser usado em casa

Profissionais da saúde enfatizam que o uso da cloroquina não deve ser feito para prevenir a covid-19. Além de não haver nenhuma evidência que isso poderia funcionar, a ingestão pode oferecer riscos como alterações na visão e cardiopatias.

Por conta dos efeitos adversos, cada caso deve ser avaliado criteriosamente pela equipe médica — inclusive os internados em estado grave.

Saúde