PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Ana Hickmann sofreu com espinhas por 18 anos: "Até perdi capa de revista"

Acne adulta é mais comum em mulheres e tende a aparecer a partir dos 25 anos - Instagram/ Divulgação
Acne adulta é mais comum em mulheres e tende a aparecer a partir dos 25 anos Imagem: Instagram/ Divulgação

Priscila Carvalho

Do UOL VivaBem, em São Paulo

27/03/2019 19h20

Resumo da notícia

  • Ana Hickmann sofreu com acne durante a adolescência
  • Problema voltou a aparecer na fase adulta, logo depois da amentação
  • Na fase adulta, as espinhas tendem a ocorrer mais na "Zona U", como queixo, mandíbula e pescoço. Já na adolescência, na "Zona T" (testa e nariz)
  • Estresse excessivo, fatores hormonais e predisposição genética favorecem o aparecimento da acne adulta

Quem vê a apresentadora Ana Hickmann, 38, com uma pele sem marcas não imagina que a artista sofreu muito com espinhas durante a adolescência e boa parte da vida adulta. O problema começou aos 15 anos de idade, quando a ex-modelo se preparava para iniciar a carreira de top model. "Perdi muitos trabalhos e lembro que um dia, na minha primeira capa, o fotógrafo olhou para mim e disse à produtora que não ia dar por causa do meu rosto marcado", revelou a artista, durante o evento Acne na Mulher Adulta da Bayer, em São Paulo.

Os anos se passaram e, quando ela achou que já estava "curada" por completo, o problema voltou a afetar sua vida. Hickman não sabia, mas estava sofrendo com a acne adulta, doença que acomete principalmente as mulheres. "Minha pele estava muito boa na gravidez. Porém, depois da amamentação, voltou a ficar cheia de espinhas, principalmente no queixo e pescoço. Elas eram mais difíceis de sair e percebi que o problema nunca tinha acabado." A artista revelou ainda que só ficou satisfeita com a pele aos 33 anos de idade.

Diferença da acne em adolescentes e fase adulta

Na mulher adulta

  • As espinhas são encontradas normalmente na parte inferior do rosto, como no queixo, mandíbula e pescoço, conhecida como "zona U".
  • Tendem a ser vermelhas e inflamadas, variando em tamanho e podem ser doloridas.
  • O quadro de acne tende a ser leve ou moderado, mas incomoda mais do que em adolescentes.

Na adolescência

  • As espinhas costumam se manifestar na "zona T" (nariz e parte superior das bochechas).
  • É mais comum ver espinhas de pontas amarelas.
  • O quadro de acne é muitas vezes mais grave.

Quem pode ter acne adulta?

Pessoas que sofreram com espinhas quando jovens são mais propensas a ter o problema novamente na fase adulta. O mais comum é que a inflamação volte a aparecer aos 25 anos de idade e persista até os 50 anos. Segundo Marco Rocha, dermatologista e médico voluntário do setor de Cosmiatria do Departamento de Dermatologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a mulher pode ter predisposição genética e ficar com a acne até a menopausa.

No passado, para tratar a doença, além de procurar um bom dermatologista, Hickmann, que amava espremer as espinhas, aderiu a remédios próprios durante quase um ano. Depois, recorreu ao laser para retirar as manchas causadas pela acne e aprendeu a remover a maquiagem de forma correta.

Hoje, ela não esfrega tanto a pele para retirar os cosméticos e acredita que o menos é mais. Além disso, usa creme para o dia e noite e nunca dorme de maquiagem.

Por que as mulheres sofrem mais com o problema?

Estima-se que cerca de 16 milhões de brasileiras sofram com a acne adulta, segundo dados de Pesquisa Nacional por amostra de Domicílios 2015 (PNAD). A doença, considerada crônica pelos especialistas, acomete mais o público feminino devido a alterações hormonais durante o ciclo menstrual, que pode aumentar a incidência do problema.

Rocha ressalta ainda que o estresse é um dos fatores fundamentais --e muitas mulheres sofrem com a dupla ou tripla jornada --, além de histórico familiar, exposição ao sol, excesso de oleosidade na pele, alterações de sono, suplementos alimentares, reposição hormonal e uso de anticoncepcionais androgênicos.

    SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
    Facebook - Instagram - YouTube

    Saúde