Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Asma na infância aumenta risco de ansiedade na vida adulta

iStock
Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

25/09/2018 15h32

Ter asma durante a infância aumenta risco de desenvolver ansiedade quando o indivíduo se torna adulto. A constatação foi feita por pesquisadores da Universidade de Park (Estados Unidos) e publicada no periódico Frontiers in Behavioral Neuroscience.

Em um estudo com ratos, pesquisadores descobriram que a exposição infantil a alérgenos estava ligada à inflamação pulmonar persistente.

"A ideia de estudar essa ligação entre asma e ansiedade é uma área muito nova e, no momento, não sabemos qual é a conexão. O que vimos nos ratos foi que ataques de respiração difícil podem causar ansiedade a curto prazo, mas que os efeitos a longo prazo podem ser causados por inflamação pulmonar duradoura”, disse Sonia Cavigelli, professora associada de saúde biocomportamental e uma das autoras do estudo.

VEJA TAMBÉM:

Os autores disseram que encontrar a causa raiz dessa conexão é difícil porque, além dos aspectos biológicos da asma, existem muitos fatores sociais e ambientais que podem levar à ansiedade em humanos. Por exemplo, a poluição do ar ou a ansiedade dos pais em relação à asma da criança também podem influenciar o risco de ansiedade.

Para ajudar a separar essas possíveis causas, a equipe estudou quatro grupos de camundongos: um com inflamação das vias aéreas devido à exposição a ácaros; aquele que experimentou episódios de respiração difícil; aquele que experimentou ambas as condições; e um que não experimentou nenhum, como um controle.

Os pesquisadores descobriram que três meses depois de serem expostos ao alérgeno, os ratos ainda tinham inflamação e muco nos pulmões, sugerindo que, mesmo quando os gatilhos de alergia são removidos, há efeitos duradouros nos pulmões até a idade adulta.

Além disso, eles descobriram que os ratos que foram expostos ao alérgeno e desenvolveram essas alterações na função pulmonar também tiveram alterações na expressão gênica em áreas do cérebro que ajudam a regular o estresse e a serotonina.

"Faz sentido para nós, porque enquanto eventos de respiração difícil podem ser assustadores e causar ansiedade a curto prazo, é a inflamação nas vias aéreas que persiste na idade adulta. Então, faria sentido que a o transtorno longo prazo estivesse ligada a esse sintoma físico", conclui Caulfield.

UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Mais Saúde