PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Tratamento com veneno de abelha pode beneficiar pacientes com eczema

LucaLorenzelli/Istock
Imagem: LucaLorenzelli/Istock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

08/09/2018 15h57

Pessoas que sofrem eczema, inflamação cutânea que tem a dermatite atópica entre seus tipos mais comuns, poderão, possivelmente, encontrar alívio em um tratamento baseado no composto que torna as picadas de abelha tão dolorosas.

De acordo com uma pesquisa publicada no British Journal of Pharmacology, a proteína melitina, encontrada no veneno desses insetos, tem demonstrado suprimir a resposta imune responsável pela desconfortável condição da pele que afeta 1 em cada 5 crianças e 3% dos adultos em todo o mundo.

Veja também

Pesquisadores da Austrália e da Coreia do Sul não só mostraram os méritos potenciais do composto como um tratamento eczema, como identificaram os mecanismos responsáveis por trás de sua ação anti-inflamatória.

O veneno de abelha pode parecer um lugar estranho para procurar compostos que aliviam a inflamação, mas análises anteriores sugerem que seu ingrediente principal pode fornecer uma ampla gama de benefícios terapêuticos, desde um papel no alívio da dor até poderes contra o câncer.

Para explorar o potencial da substância como um anti-inflamatório, a equipe dividiu um número de ratos em nove grupos e usou três deles para testar várias doses de melitina em camundongos sensibilizados para ter uma condição de pele semelhante à dermatite atópica.

Os outros grupos de camundongos serviram como controle, para que a equipe pudesse comparar seus resultados com um placebo e também testá-lo em animais que não haviam sido sensibilizados.

Exames semelhantes foram também realizados em tecidos de células da pele humana.

Em ambos os modelos, o veneno de abelha - em particular, a melitina - reduziu efetivamente a inflamação responsável por grande parte do desconforto causado por essa condição da pele, indicando que poderia ser um bom candidato para um tratamento tópico.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube

Saúde