PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Tem dor de garganta e não liga? Mal curada, doença pode gerar cardiopatia

Não é tão comum, mas a amigdalite bacteriana pode evoluir para uma cardiopatia reumática crônica  - iStock
Não é tão comum, mas a amigdalite bacteriana pode evoluir para uma cardiopatia reumática crônica Imagem: iStock

Leonardo Costas

Colaboração para o VivaBem

25/08/2018 04h00

Sentir dor de garganta é algo para lá de comum e muitas pessoas sequer procuram um médico quando têm a doença, pois sabem que mais cedo ou mais tarde ela vai embora. Mas não é bom viver negligenciando o problema ou tratá-lo por conta própria, com uma pastilha aqui, um comprido ali etc.

Além de gerar sintomas já conhecidos como dor de cabeça, tosse, mau hálito e febre, quando a infecção nas amígdalas é provocada pela bactéria Streptococcus pyogenes, pode casuar otites, sinusites ou febre reumática, que com o passar do tempo pode evoluir para uma cardiopatia reumática crônica --que acomete estruturas do coração, principalmente as válvulas cardíacas.

É bem verdade que, segundo os especialistas ouvidos pelo UOL VivaBem, somente de 0,3% a 3% das amigdalites não tratadas levam à febre reumática. De qualquer forma, essa é a maior causa de cardiopatia adquirida em crianças e jovens adultos no mundo, responsável por aproximadamente 275 mil mortes ao ano

Veja também:

Como o coração é prejudicado pela dor de garganta? 

Normalmente, o problema ocorre porque o paciente com amigdalite bacteriana não faz o tratamento adequado com antibióticos --que deve ser indicado pelo médico.

Aí, o sistema imunológico da pessoa tem de combater o micro-organismo sozinho. Só que a Streptococcus pyogenes possui uma proteína muito semelhante à existente em alguns tecidos do nosso corpo, como as válvulas cardíacas. Assim, além de lutar contra a bactéria, os anticorpos produzidos acabam atacando indevidamente o organismo da pessoa.

Como identificar a febre reumática?

Os sintomas da febre reumática geralmente aparecem de duas a quatro semanas após a infecção na garganta. O problema pode causar sensibilidade, dor e inchaço nas articulações, além de fadiga, dor no peito, manchas vermelhas na pele, fraqueza muscular e complicações no coração, como sopro e inflamação no músculo cardíaco

O exame mais fácil e menos invasivo para verificar danos estruturais e de função no coração é o ecocardiograma. O tratamento geralmente é preventivo, realizado com antibióticos e anti-inflamatórios, para evitar complicações nas válvulas cardíacas. No entanto, caso um comprometimento ocorra, a cirurgia para reparo ou troca da válvula acometida pode ser realizada para que o paciente tenha novamente uma vida normal.

Na dúvida, procure um médico

Vale lembrar que a grande maioria das dores de garganta são processos virais benignos autolimitados. O diagnóstico é fácil de ser realizado e o tratamento geralmente envolve anti-inflamatórios. Porém, independente do grau do problema, é fundamental investir na prevenção, especialmente na infância e adolescência, quando a febre reumática se manifesta com maior frequência.

Evitar a automedicação --em casos de dor de garganta ou qualquer outra doença -- faz parte desse processo, pois o remédio pode camuflar o problema e depois agravar uma situação. Por isso, busque orientação correta e consulte sempre um especialista antes de usar qualquer medicamento. 

Fontes: Fernando Reis Menezes, cardiologista do Hospital e Maternidade São Luiz; Alessandro Machado, cardiologista do Hospital Santa Catarina; Marcelo Di Lorenzo, cardiologista do Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim; e Élcio Pires, cirurgião cardíaco e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube

Saúde