Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Dez hábitos que prejudicam a saúde do seu coração

Não pular o café da manhã, dormir bem e tomar água durante o exercicio evitam problemas do coração - iStock
Não pular o café da manhã, dormir bem e tomar água durante o exercicio evitam problemas do coração Imagem: iStock

Danielle Sanches

Colaboração para o VivaBem

31/07/2018 04h00

Você sai de casa sem tomar café da manhã? Dorme mal a maior parte das noites durante a semana? Ou pratica exercícios físicos sem estar com uma garrafinha de água sempre à mão? Pois estes hábitos bastante comuns e aparentemente inocentes podem estar prejudicando a saúde do seu coração.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% das mortes por doenças cardiovasculares - considerada a causa número um de mortes em todo o mundo - foram provocadas por ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral (AVC). E a grande maioria desses problemas pode ser evitada com mudanças no comportamento, ou seja, nos hábitos de vida.

“Pela nossa experiência em consultório, notamos que os pacientes estão chegando cada vez mais jovens com esses problemas”, avalia o médico cardiologista Guilherme Sangirardi, membro da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP). “E a melhor forma de evitar essas doenças é realmente pela prevenção”, acredita o especialista.

Confira então 10 hábitos frequentes que podem fazer mal à saúde do seu coração:

1. Colocar muito sal na comida

Reprodução/The Conversation
Imagem: Reprodução/The Conversation
O excesso de cloreto de sódio - como é chamado o nosso sal - na alimentação está ligado ao aumento da pressão arterial - problema que acomete cerca de 24% da população brasileira, de acordo com o Ministério da Saúde. O órgão segue a recomendação da OMS e orienta que o consumo de sal não ultrapasse cinco gramas por dia. Porém, não é o que acontece.

“O brasileiro consome, em média, 10 gramas de sal por dia”, alerta o cardiologista Marcelo Cantarelli, diretor da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI). Segundo o especialista, se a pessoa já apresenta algum problema de aumento de pressão, o consumo deve ser de, no máximo, dois gramas por dia.

Além do sal nas refeições, Sangirardi chama a atenção para o sódio contido em alimentos industrializados, como embutidos e refrigerantes. “É preciso estar atento a esse consumo também para não jogar por água o esforço de cuidar do sal na alimentação do dia a dia”, explica o médico.

Vale lembrar que problemas renais estão associados ao aumento da pressão arterial, um dos principais fatores de risco para problemas do coração.

2. Ingerir muito açúcar

Getty Images
Imagem: Getty Images
Embora sejam fonte de energia, o alto consumo de qualquer tipo de açúcar - o que inclui tanto o refinado como a frutose ou o mel, por exemplo - tende a levar à obesidade. “Uma dieta rica em açúcar, especialmente a versão refinada, ainda pode levar ao aparecimento da diabetes tipo 2”, diz Cantarelli. A OMS recomenda que a quantidade do alimento ingerida diariamente não ultrapasse os 25 gramas (cerca de duas colheres de sopa); a entidade, no entanto, estima que, no Brasil, o consumo diário seja 50% maior do que o recomendado.

3. Analgésicos em excesso

iStock
Imagem: iStock
Um estudo recente publicado no British Medical Journal comprovou o que os médicos já alertam há anos: o uso de medicamentos anti-inflamatórios do tipo não-esteroides, muito utilizados para combater inflamações e dores, pode colocar a saúde do coração em risco. Remédios como o diclofenato, ibuprofeno e o naproxeno estariam associados a um aumento nos casos de ataques cardíacos a partir de uma semana de uso contínuo.

“Esse tipo de medicamento precisa ser usado com cuidado especialmente por idosos, já que há a possibilidade de ocorrerem sangramentos no estômago e insuficiência dos rins”, explica Cantarelli. 

4. Pular o café da manhã

Getty Images
Imagem: Getty Images
Um estudo da Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard (HSPH, em inglês), nos Estados Unidos, mostrou que homens que pulavam o café da manhã tinham 27% mais chances de sofrer um ataque cardíaco ou serem vítimas de alguma doença coronariana.

Mais: quem não tinha o hábito de fazer essa refeição geralmente tinham mais fome ao longo do dia e comiam mais de noite, provavelmente por mudanças metabólicas causadas pela falta do desjejum. “Pular o café da manhã significa privar o organismo de energia, prolongando o tempo de jejum”, diz Cantarelli. “Não é preciso ingerir uma refeição farta, mas comer um pouco já ajuda a manter o organismo preparado para as tarefas iniciais do dia”, explica o especialista.

5. Não ingerir água durante o exercício físico

Thinkstock
Imagem: Thinkstock
Parece simples, mas não se hidratar durante a prática de atividades físicas leva a uma queda da pressão arterial e aumento da viscosidade do sangue, tornando o trabalho do coração mais difícil. “Isso aumenta a frequência cardíaca durante o exercício e sobrecarrega o coração, que já trabalhando mais por conta do exercício”, explica Cantarelli.

6. Noites mal dormidas

iStock
Imagem: iStock
A lista dos problemas para o coração de quem não dorme a noite é enorme. Inúmeros estudos ligam a falta de uma boa noite de sono ao aumento da obesidade, da pressão arterial e ao risco de desenvolver diabetes - todas doenças que, indiretamente, afetam a saúde cardíaca. Diretamente, o risco também existe.

“Quando dormimos, nosso corpo relaxa, a pressão arterial é reduzida e a frequência cardíaca também cai. O coração, que nunca para, consegue descansar dessa dessa maneira”, afirma Sangirardi. Se isso não acontece, portanto, o órgão acaba sobrecarregado, aumentando os riscos de infarto.

Foi o que comprovaram os médicos da Universidade de Warwick, na Inglaterra, que realizaram uma pesquisa sobre o impacto que a privação de sono ou mesmo uma noite mal dormida tem na saúde humana. De acordo com o estudo, publicado no European Heart Journal, quem dorme menos de seis horas por dia pode ter até 48% mais chance de desenvolver doenças cardíacas.

7. Excesso de bebidas alcoólicas

iStock
Imagem: iStock
Cirrose hepática, insuficiência cardíaca e hipertensão arterial são os principais problemas de quem abusa do álcool no dia a dia. A única bebida alcoólica que tem a simpatia dos médicos é o vinho tinto, feito a partir da uva, já que a bebida é conhecida por ter flavonóides - substâncias antioxidantes e que fazem bem à saúde. O consumo, no entanto, só é benéfico quando feito de forma moderada, ou seja, até uma taça por dia para a mulher e duas taças por dia para o homem.

O vinho tinto também tem efeito vasodilatador, reduzindo a pressão arterial. Mas Cantarelli explica que não é preciso começar a beber para conseguir esses benefícios. “O consumo de frutas vermelhas ou mesmo da uva in natura ou sucos delas também apresenta efeitos positivos no organismo”, afirma.

8. Alto consumo de carne vermelha

iStock
Imagem: iStock
Em 2015, a OMS divulgou um comunicado afirmando que as carnes vermelhas - provindas de animais como boi e porco - seriam “provavelmente carcinogênicas” aos seres humanos. O alerta na restrição de consumo também vale para a prevenção de doenças cardíacas.

“A gordura da carne é uma grande fonte de colesterol”, avalia Cantarelli. “O problema não é o consumo dela, mas o excesso, aliado a frituras”, explica.

No mesmo comunicado, alimentos processados como linguiça, bacon, presunto e salsicha em excesso são apontados como causadores de câncer colorretal. Esse tipo de produto é rico em sódio, nitratos e gorduras saturadas, o que elevam as chances de desenvolver doenças coronarianas. “Não é preciso abolir da refeição, mas seria interessante escolher peças menos gordurosas, grelhadas e incluir legumes e verduras no prato”, aconselha o médico.

9. Saúde dental frágil

iStock
Imagem: iStock
Cuidar dos dentes, acredite, é fundamental para a saúde do coração. De acordo com Cantarelli, as bactérias encontradas em infecções dentárias ou gengivites podem causar infecções na membrana interna do coração. “A endocardite bacteriana pode, em casos mais graves, destruir a válvula cardíaca ou até levar a uma infecção generalizada”, explica.

A saúde bucal também pode avisar quando o resto do corpo tem problemas. Segundo a American Heart Association, pessoas com periodontite (como são chamadas as infecções na gengiva) frequentemente compartilham de alguns fatores de risco para doenças do coração, como consumo de cigarro, idade avançada e diabetes.

10. Falta de tempo para a família e/ou para os amigos

false
O estresse causado pela solidão associado a fatores como fumo e pressão alta estão associados ao aumento no risco de desenvolver doenças cardíacas. É o que diz um estudo liderado pela University College London, do Reino Unido, e publicado na revista científica PLOS Medicine.

A análise envolveu indivíduos de três países da Europa Oriental - uma região em que as taxas de problemas cardíacos são consideradas extremamente altas. Os médicos descobriram que as doenças do coração eram mais comuns em pessoas que raramente encontravam os amigos e familiares, eram solteiros, desempregados e apresentavam sintomas de depressão.

A explicação é simples: encontrar os amigos ou a família faz com que o corpo libere hormônios responsáveis por sensações de prazer, amor e bem-estar - justamente os mesmos que ajudam a melhorar o sono, reduzir a pressão arterial e a frequência cardíaca. “Tudo isso colabora para a saúde do coração, reduzindo a ocorrência de hipertensão arterial e infartos”, diz Cantarelli.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube