Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

TPM, agitação e cansaço: entenda as mudanças do ciclo menstrual

Os sintomas costumam aparecem de 7 a 10 dias antes da menstruação - iStock
Os sintomas costumam aparecem de 7 a 10 dias antes da menstruação Imagem: iStock

Carol Salles

Colaboração para o VivaBem

02/07/2018 04h00

O ciclo menstrual é envolto em vários tabus, mas conhecer melhor como seu corpo funciona vai ajudar você a perceber se está tudo bem ou não. Você sabia, por exemplo, que na fase ovulatória (cerca de 10 dias depois da menstruação) pode haver uma secreção vaginal cuja textura se assemelha à clara de ovo?

Diferentemente do que muitas mulheres imaginam, isso não tem qualquer relação com corrimento e nem é sinal de doença. Também é comum que, nos primeiros três anos de menstruação, ela seja mais irregular.

Os ciclos

Quem usa algum método anticoncepcional hormonal tem todos os sintomas típicos amenizados, pois eles estabilizam a produção hormonal. Mas o ciclo natural de uma mulher saudável pode ser resumido em duas fases.

A primeira, chamada folicular, começa no primeiro dia da menstruação e dura até o primeiro dia de ovulação. O hormônio predominante é o estrogênio. Muitas mulheres sentem-se com mais energia e disposição durante essa fase, embora isso dependa de vários fatores, e não apenas hormonais.

Alguns dias depois do término da menstruação, começa a ovulação. Neste período, a mulher está fértil. “Algumas podem notar aumento da libido e da lubrificação vaginal”, diz a ginecologista Andrea Prestes Nácul, membro da comissão de Ginecologia Endócrina da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), de Porto Alegre (RS). Outros sintomas possíveis são uma leve cólica, um pequeno sangramento vaginal e aumento da temperatura basal (temperatura do corpo assim que se acorda).

Depois da ovulação, começa a fase lútea. É quando o corpo passará a produzir, em maior quantidade, o hormônio progesterona. Embora seja muito importante para a implantação do embrião, é ele que causa os sintomas relacionados com a TPM. Então no período pós-ovulatório a mulher pode se sentir um pouco mais deprimida, mais inchada, com vontade de comer doces, ter alterações no humor, irritabilidade...

“Os sintomas costumam aparecer de 7 a 10 dias antes da menstruação”, diz Mirna Nakano, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, em São Paulo (SP). Ele dura até a menstruação seguinte, quando então todo o ciclo se repete.

Exercício diário

Muitas mulheres, quando começam a menstruar, são instruídas pela mãe ou pelo médico a anotar o primeiro dia do sangramento na agenda. No entanto, para conhecer a fundo seu ciclo, o mais indicado é fazer uma espécie de diário, anotando dia a dia em que fase está e como se sente, tanto física quanto psicologicamente.

Aplicativos de celular ou mesmo agendas comuns, de papel podem ser usadas. Depois de pelo menos três meses, será possível notar padrões, observar o que se repete e também o que está fora do comum.

“A observação atenta permite diferenciar uma tensão passageira de algo que pode estar mascarado, como, por exemplo, uma tendência à depressão sem relação com a menstruação”, diz a psicóloga Jureuda Guerra, representante da região Norte do Conselho Federal de Psicologia, em Belém (PA).

As emoções liberadas pela TPM funcionam como um termômetro para perceber coisas que não estão legais ou que você não quer mais na sua vida - de relacionamentos abusivos a situações de violência, por exemplo. “Nesses dias, diferentemente de outros períodos, podemos não tolerar alguém que fale mais alto conosco, por exemplo”, lembra.

É bom saber, também, que nem todas as mulheres sentem a mesma coisa em cada fase do ciclo, e que algumas não percebem as alterações de maneira clara. Por isso, a observação atenta faz toda a diferença. “Dessa forma, a mulher pode passar a perceber seus ciclos e principalmente esse período pré-menstrual como uma janela de oportunidade para conhecer-se”, finaliza Daniela Donação Dantas, médica de família e comunidade do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, em São Paulo (SP).

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube