Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Cientistas descobriram forma de impedir que as reações alérgicas aconteçam

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do VivaBem, em São Paulo

29/01/2018 11h25

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 35% da população brasileira sofre de algum tipo de alergia. Atualmente, os medicamentos usados aliavam os sintomas, no entanto, pesquisadores descobriram um anticorpo que pode impedir que a reação alérgica aconteça.

Quando o corpo é exposto a algum alérgeno (substância que provoca reação alérgica em algumas pessoas), o sistema imunológico passa a produzir uma enorme quantidade de anticorpo, chamado imunoglobulina E (IgE), que se liga a células imunes e passa a liberar substâncias químicas para atacar os “invasores”.

Veja também:

Uma equipe liderada por cientistas da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, descobriu como um anticorpo anti-IgE pode impedir que a reação alérgica aconteça.

Este novo anticorpo é semelhante a uma série de moléculas descobertas em espécies de peixes cartilaginosos. A maneira como ele funciona no corpo humano é impedindo a IgE de chegar a dois tipos de receptores imunes, assim, interrompendo a reação alérgica antes mesmo de ela começar.

"Uma vez que a IgE em células imunes pode ser eliminada, não importa que o corpo produza milhões de moléculas de IgE. Quando removemos o gatilho, a reação alérgica e os sintomas não ocorrerão", explica Edzard Spillner, principal autor do estudo.

Embora o anticorpo ainda não tenha sido testado em seres humanos, a equipe usou amostras de sangue de pessoas com alergias ao pólen e veneno de insetos. Em apenas 15 minutos, o tratamento com esse anticorpo reduziu os níveis de IgE em até 30% da quantidade inicial.

"Agora, podemos mapear com precisão como o anticorpo previne a ligação de IgE aos seus receptores e isso vai nos permitir visualizar estratégias novas para combater as alergias”, completou Nick Laursen, biólogo molecular que participou do estudo.

Os pesquisadores reconhecem que são necessários mais estudos para atestar a segurança do anticorpo em seres humanos. "Nossa descrição do modo de ação desse anticorpo provavelmente acelerará o desenvolvimento de medicamentos antialérgicos no futuro", escreveu a equipe no artigo, publicado na Nature Communications.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS

Facebook: https://www.facebook.com/VivaBemUOL/
Instagram: https://www.instagram.com/vivabemuol/
Inscreva-se no nosso canal no YouTube: http://goo.gl/TXjFAy

Saúde