PUBLICIDADE

Topo

O que sabemos sobre a gordura saturada --e até que ponto ela é vilã

Afinal, a gordura saturada é a grande vilã das dietas? - Getty Images
Afinal, a gordura saturada é a grande vilã das dietas? Imagem: Getty Images

Angela Dowden

Da BBC Future

27/06/2020 13h44

A recomendação para limitar o consumo de gordura saturada faz parte há décadas da política de saúde pública de diversos países.

Mas muitas pessoas ignoram o conselho, preferindo acreditar que a gordura saturada - presente em vários alimentos, como produtos derivados da carne, laticínios, bolos e biscoitos, assim como no óleo de coco e no azeite de dendê - não faz mal à saúde, mesmo se consumida em grande quantidade.

Você certamente está ingerindo mais gordura saturada do que a quantidade oficialmente recomendada se estiver fazendo uma das dietas low carb da moda, que restringem o consumo de carboidrato, como a dieta paleolítica e cetogênica.

Se você come mais do que 100g de carne gordurosa, doce ou queijo diariamente, também ultrapassará facilmente o limite recomendado - segundo a Organização Panamericana de Saúde, esse consumo não deve passar de 10% da sua ingestão total de calorias de cada dia.

A principal corrente da ciência da nutrição diz que a gordura saturada em excesso aumenta os níveis de colesterol no sangue, o que pode entupir as artérias e aumentar a chance de um ataque cardíaco ou derrame. Mas alguns cientistas argumentam que a gordura saturada não é o verdadeiro problema das doenças cardíacas, e sim a inflamação crônica do organismo.

Os defensores do consumo de alimentos com baixo teor de carboidratos e alto teor de gordura também sugerem - de forma controversa - que as diretrizes alimentares vigentes de "baixo teor de gordura e alto teor de carboidrato" estão erradas.

E afirmam que a obesidade e o diabetes seriam melhor combatidos com o consumo de gordura (incluindo gordura saturada), reduzindo carboidratos e evitando lanches entre as refeições - posição que tem sido contestada por especialistas da British Dietetic Association e outras instituições, que acreditam que as diretrizes vigentes não estão erradas, só não estão sendo seguidas.

Para a população em geral, as autoridades de saúde da maioria dos países recomendam limitar a gordura, particularmente a gordura saturada.

As diretrizes alimentares do Reino Unido, por exemplo, recomendam que até 35% das calorias que consumimos sejam provenientes de gordura, e cerca de 50% de carboidratos. (Vale observar que esta pode ser considerada, na verdade, uma dieta moderada em gorduras e carboidratos, e não uma dieta com baixo teor de gordura e alto consumo de carboidrato).

Mas, para a gordura saturada especificamente, os números são ainda mais baixos. O Reino Unido recomenda que ela não represente mais de 11% das calorias consumidas em bebidas e alimentos; enquanto os EUA e a Organização Mundial de Saúde (OMS) aconselham menos de 10%.

O óleo de coco tem mais gordura saturada que a manteiga ?e uma colher de sopa tem mais da metade do limite diário recomendado para as mulheres - Getty Images - Getty Images
O óleo de coco tem mais gordura saturada que a manteiga --e uma colher de sopa tem mais da metade do limite diário recomendado para as mulheres
Imagem: Getty Images

Ou seja, cerca de 20g por dia para as mulheres (o equivalente a 2,5 colheres de sopa de manteiga ou quatro salsichas compradas no supermercado) e 30g por dia para os homens (um hambúrguer de 113 gramas com queijo e mais quatro colheres de sopa de creme de leite).

Já a American Heart Association vai além, sugerindo um percentual de 5% a 6%.

Como as notícias são muitas vezes contraditórias e os especialistas parecem discordar entre si, não é de se admirar que as pessoas não saibam em quem acreditar quando o assunto é gordura saturada.

Mas, afinal, qual é a realidade?

Lynne Garton, nutricionista e consultora alimentar da organização beneficente Heart UK, diz que a tendência recente de consumir mais gordura saturada em relação a outros tipos é bastante preocupante, uma vez que já estamos comendo demais.

Os adultos do Reino Unido, por exemplo, excedem as recomendações ao consumir 12,5% de calorias em gordura saturada, apesar de sua ingestão total de gordura estar aproximadamente dentro da meta. Os americanos, por sua vez, obtêm em média 11% de suas calorias diárias a partir de gordura saturada, e os australianos, 12%.

"Vários fatores contribuem para o aumento do colesterol no sangue, mas uma dieta rica em gordura saturada é definitivamente um deles, e isso foi confirmado em estudos desde a década de 1950", diz Garton.

"Além disso, apesar de alguns afirmarem o contrário, a riqueza de evidências científicas indica que o colesterol total e o LDL (lipoproteína de baixa densidade) - chamado de 'colesterol ruim' - contribuem comprovadamente para doenças cardíacas."

Garton acrescenta que algumas pessoas podem se beneficiar ao comer menos gordura saturada do que a recomendação vigente - especificamente aquelas que têm outros fatores de risco para doenças cardíacas.

Duas fatias de pizza possuem cerca de 10g de gordura saturada, metade do limite diário sugerido para as mulheres, e um terço da quantidade recomendada para os homens - Getty Images - Getty Images
Duas fatias de pizza possuem cerca de 10g de gordura saturada, metade do limite diário sugerido para as mulheres, e um terço da quantidade recomendada para os homens
Imagem: Getty Images

Substituição da gordura

Dito isso, a gordura saturada não é tão vilã quanto se pensava. Isso porque ela é apenas um dos vários fatores alimentares que contribuem para o risco de doença cardíaca - e todos estão interligados.

Sem mencionar que, se você tirar um pouco de gordura saturada da sua dieta, provavelmente substituirá essas calorias por outra coisa.

"Alguns estudos questionam a ligação direta entre gordura saturada e doenças cardíacas, mas geralmente não consideram o que substitui a gordura saturada quando a mesma é reduzida na dieta-um ponto crucial", diz Garton.

Várias organizações internacionais se baseiam em evidências científicas para recomendar a redução de gordura saturada e a substituição da mesma por gordura insaturada.

Uma porção de 85g de gordura de bacon tem cerca de 30g de gordura saturada, o limite diário recomendado para os homens - Getty Images - Getty Images
Uma porção de 85g de gordura de bacon tem cerca de 30g de gordura saturada, o limite diário recomendado para os homens
Imagem: Getty Images

Um estudo mostrou que quando 5% das calorias provenientes de gorduras saturadas foram substituídas por uma quantidade equivalente de calorias de gorduras poli-insaturadas (presentes no salmão, óleo de girassol, nozes e sementes) ou gorduras monoinsaturadas (como óleos de oliva e de canola), o risco de morte por qualquer causa foi reduzido em 19% e 11%, respectivamente.

Ambos os tipos de substituição por gordura "boa" reduziram a incidência de ataques cardíacos. O mesmo aconteceu com a substituição de gorduras saturadas por carboidratos de grãos integrais, como arroz integral e pão integral.

No entanto, quando o açúcar e carboidratos refinados (como farinha branca) substituem a gordura saturada, o risco de um ataque cardíaco aumenta.

"A maioria das diretrizes nacionais de nutrição, incluindo do Reino Unido, Austrália e EUA, já reconhece que substituir parte da gordura saturada em nossa dieta por gordura insaturada é saudável para o coração", diz Peter Clifton, coautor do estudo e professor adjunto de nutrição da Universidade do Sul da Austrália.

"Provavelmente também não há problema em substituir alguns alimentos ricos em gordura saturada por grãos integrais, mas definitivamente não é bom trocá-los por açúcar ou carboidratos refinados. Na verdade, isso pode ser pior do que não reduzir a gordura saturada."

"Infelizmente, quando a indústria de alimentos começou a criar versões com menos gordura dos alimentos, como refeições prontas, sobremesas e iogurtes, o percentual de açúcar muitas vezes aumentou como resultado, o que provavelmente não reduziria o risco de doenças cardíacas", explica.

Há ainda o fato de que alguns tipos de ácidos graxos saturados, que compõem a gordura saturada, são menos prejudiciais que outros. Por exemplo, o ácido esteárico, que representa aproximadamente metade das gorduras saturadas do chocolate amargo, não aumenta o colesterol no sangue.

Uma colher de sopa de manteiga tem 7g de gordura saturada ?mas se for substituída por açúcar ou farinha, o efeito na saúde pode ser ainda pior - Getty Images - Getty Images
Uma colher de sopa de manteiga tem 7g de gordura saturada --mas se for substituída por açúcar ou farinha, o efeito na saúde pode ser ainda pior
Imagem: Getty Images

Mas o outro ácido graxo saturado, o ácido palmítico, faz aumentar - portanto, é melhor não comer uma barra inteira.

Outra pesquisa indica que a "matriz alimentar" é importante.

No caso do queijo e iogurte, por exemplo, o cálcio (mineral capaz de manter a pressão arterial normal) pode ser o motivo pelo qual esses alimentos têm menos impacto no aumento do colesterol LDL do que, por exemplo, o bacon.

Também poderia ajudar a explicar o fato de que o consumo de laticínios (incluindo laticínios com gordura) não parece estar associado a doenças coronarianas.

No entanto, é importante analisar estudos como este com um certo grau de ceticismo, uma vez que muitas pesquisas na área de nutrição mostram correlação, e não causalidade.

Em outras palavras, as pessoas que consomem mais laticínios podem simplesmente ter um estilo de vida mais saudável de uma maneira geral. Também é importante observar que estudos sobre laticínios tendem a focar em leite e iogurte, mas não tanto em manteiga ou creme de leite.

É claro que um pouco de sorte e bons genes também podem ajudar.

Substituir a gordura saturada por gordura monoinsaturada, como o azeite, reduziu em 11% o risco de morte em um estudo - Getty Images - Getty Images
Substituir a gordura saturada por gordura monoinsaturada, como o azeite, reduziu em 11% o risco de morte em um estudo
Imagem: Getty Images

"Todo mundo conhece alguém que tem uma avó que viveu até 103 anos comendo muita manteiga e gordura", diz Garton.

"Mas, em nível populacional, todas as evidências sugerem que a dieta mais saudável é aquela com muitas frutas, legumes, verduras, grãos integrais e fontes de gordura insaturada, como nozes e peixes oleosos."

"Em vez de focar em nutrientes individuais, devemos olhar para a alimentação como um todo e incluir vários desses alimentos saudáveis para o coração", acrescenta.

Em resumo, é mais aconselhável seguir uma dieta saudável no estilo mediterrâneo —e evitar hambúrgueres e bacon.

Aviso legal

Todo o conteúdo desta reportagem é fornecido apenas para informação geral e não deve ser tratado como um substituto para a orientação médica de um profissional de saúde. A BBC não é responsável por nenhum diagnóstico feito por um usuário com base no conteúdo deste site. A BBC não é responsável pelo conteúdo de quaisquer sites externos listados, nem endossa qualquer produto comercial ou serviço mencionado ou aconselhado em qualquer um dos sites. Sempre consulte um médico se estiver preocupado com sua saúde.