PUBLICIDADE

Topo

Diabetes: veja 5 coisas estranhas que podem causar a doença

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do VivaBem, em São Paulo

17/01/2018 19h08

Para manter o risco de diabetes, especialmente o tipo 2 --ligado a obesidade e má alimentação-- o mais longe possível, sabemos que não existe muito segredo: é preciso comer direito e de forma saudável, além de ser uma pessoa ativa e dentro do peso, de acordo com a altura.

Mas existem fatores que você nem imagina que podem aumentar suas chances de desenvolver a doença. E alguns são bastante surpreendentes. A revista Prevention listou alguns deles!

Veja também

  • Getty Images

    Fazer dieta sem glúten sem necessidade

    A menos que seja realmente necessário, não devemos abandonar o trigo, a cevada e o centeio. Isso porque as pessoas que consomem regularmente glúten são 13% menos propensas a desenvolverem diabetes em comparação com aqueles que se afastam da substância, ressalta um estudo da American Heart Association, que envolveu quase 200 mil adultos.

    Uma das hipóteses diz que quem evita o glúten tende a comer menos grãos inteiros ricos em fibras, que desempenham um papel importante na redução do risco de diabetes. Além disso, dietas com fibras elevadas estão associadas a melhora da sensibilidade a insulina, inflamação reduzida e menor pressão arterial e colesterol.

  • Getty Images

    Passar muito tempo sozinho

    Óbvio que você pode deitar no sofá, assistir a Netflix e não falar com ninguém de vez em quando, mas não o tempo todo. Uma pesquisa da BMC Public Health demonstrou que o isolamento social está vinculado a um maior risco de diabetes tipo 2, aumentando também as chances de demência. As mulheres com 40 a 75 anos que não participaram de atividades sociais eram 112% mais propensas a terem diabetes em comparação com aquelas com redes sociais fortes.

    Os especialistas não entendem completamente a conexão, mas é sabido que as pessoas que se isolam da família e dos amigos são mais propensas a estarem deprimidas - o que é um fator de risco para o diabetes. Então, chame um amigo e faça planos para tomar café ou ver um filme. Você ficará feliz por ter feito isso.

  • Getty Images

    Cortar café

    Existem muitos motivos para você sentir-se bem após a sua dose diária da bebida. Incluindo o fato de que pessoas que cortaram seu consumo em mais de um copo por dia, ao longo de um período de quatro anos, foram 17% mais propensas a terem diabetes em comparação com aqueles que não fizeram uma alteração, de acordo com um recente estudo de Harvard. E aqueles que adicionaram um copo extra melhoraram ainda mais - diminuindo seu risco de diabetes em 11%. (Os achados são aplicados apenas ao café com cafeína.)

    Os especialistas não entendem completamente os efeitos protetores da cafeína, mas bebê-lo parece promover níveis mais baixos de açúcar no sangue. Apenas não corte os benefícios enchendo a bebida de açúcar ou outro adoçante. Se você não suportar o sabor, tente usar adoçante do tipo stevia.

  • iStock/VivaBem

    Comer muito sal

    O excesso de consumo de sódio pode fazer com que você tenha maior probabilidade de sobrepeso ou desenvolva hipertensão --dois grandes fatores de risco para diabetes.

    Por isso, é bom manter o consumo perto dos 2,3 g por dia, recomendo pela OMS (Organização Mundial de Saúde). O brasileiro consome em média o dobro disso.

  • iStock

    Tomar estatinas

    Esse tipo de medicamento pode ser uma ferramenta importante para controlar seu colesterol. Mas tomar estatinas também está ligado ao risco ligeiramente aumentado de diabetes tipo 2, de acordo com uma análise de 2010 de 13 estudos, que envolveram 91 mil participantes. Achados mais recentes, publicados em 2017, descobriram ainda que o uso de estatinas aumentou as probabilidades de diabetes em até 36%.

    Como os dois estão relacionados não é totalmente claro. Ter um colesterol elevado em si é um fator de risco para o diabetes, por isso pode ser que as pessoas que tomam estatinas já estão predispostas a desenvolver o DT2. Ainda assim, vale a pena considerar suas opções se o seu médico disser que precisa fazer algo sobre seu colesterol.