PUBLICIDADE
Topo

Cultura e lazer

Viva a cidade. Saboreie experiências.


Cultura e lazer

Moro em Jaçanã: quatro bares na Zona Norte para curtir a noite fora do hype

Yuri Ferreira e Paulo Victor Ribeiro

Colaboração para o Urban Taste, em São Paulo

02/08/2018 04h00

A capital paulista reserva uma vasta gama de espaços para curtir a noite, basta sair da bolha da Rua Augusta e da Vila Madalena. Dos pés da Serra da Cantareira até as margens do Rio Tietê, na vasta e heterogênea Zona Norte, existem bares e baladas que deixam no chinelo muitos da cena central da boêmia paulistana.

A região mantém viva a mítica figura de Adoniran Barbosa, o famoso sambista do Jaçanã. Como é de se esperar, seu legado é visível nos bares da periferia da cidade, mas não é a única toada das noites da ZN. Escolhemos quatro bares de sons variados que mostram como o fervo da vida noturna de São Paulo não fica só no centro da cidade. E se você perder esse trem, só amanhã de manhã.

Divulgação
Imagem: Divulgação
The Lord Bar

O imponente nome do The Lord talvez remeta a pubs de motoqueiros, com rock nas caixas de som e muitas jaquetas de couro andando por ali. Apesar da alcunha, o bar localizado entre a Avenida Nova Cantareira e a Água Fria é uma antiga casa de dois andares, redesenhada para ser um dos lugares mais aconchegantes da região. Para acompanhar as porções clássicas de dar água na boca, o bar serve cervejas por um preço justo, a partir de R$ 9. Uma boa carta de cachaças e caipirinhas variadas (entre R$ 14 e R$ 18) completam a parte alcoólica do cardápio. Durante a temporada de inverno, o sucesso são os caldos da casa (R$ 15,90). Fique de olho nos eventos do bar para saber quando vai rolar o samba ao vivo ou as noites gastronômicas especiais -- a mais famosa, a noite da paella, custa entre R$ 45 e R$ 60.

Vai lá:
Rua Aureliano Leal, 38, Santana.
Terça a domingo, das 16h à 01h.
Segundas, das 17h à 01h.
Telefone: (11) 95860-4755

Carol Capuano / Divulgação
Imagem: Carol Capuano / Divulgação
Paraíso da Cachaça

O Paraíso da Cachaça é um ponto fora da curva no meio da Avenida Direitos Humanos. No contexto residencial de uma das principais vias do Lauzane Paulista, o bar é um ponto de luz na noite do bairro. Gerido por Carlão, figura imponente e mão forte dentro do boteco, o lugar tem uma extensa carta de cachaças -- o nome não existe à toa -- -- com destilados de todas as regiões do país (R$ 3,50 a R$ 8 a dose). Elas ficam expostas atrás de uma grade nas paredes, cuja decoração inclui elementos como berrantes e berimbaus. Embalado na trilha rock ‘n’ roll, prove o principal drinque da casa, a Gengibrina (R$ 6 a dose e R$ 3 o shot). A mistura de cachaça de alambique e gengibre tem uma receita secreta desenvolvida pelo próprio Carlão e cai muito bem para esquentar as noites frias. Outra dica legal, é o crocantíssimo bolinho de carne seca (R$ 4), também de receita própria.

Vai lá:
Avenida Direitos Humanos, 2067, Mandaqui.
Terça a sábado, das 16h às 0h.
Telefone: (11) 2233-0973

Divulgação
Imagem: Divulgação
Degrau Bar

Discotecagem de música brasileira num bar moderno, com gente descolada e bons drinques? Não estamos falando de Vila Madalena, aqui é Santana mesmo. De longe o lugar mais cool da Zona Norte, a arte urbana é o tema da decoração do Degrau, recheado de grafites. Com três ambientes para curtir a noite -- calçada, interior e laje --, o forte do Degrau são os drinques a preços bem mais camaradas. Entre R$ 19 e R$ 29, a carta de bebidas inclui, gin tônica, manhattan, clericot, o peruano pisco sour, e uma variação de Negroni desenvolvida na casa com Campari, Martini Rosso e Jim Beam. Para acompanhar as bebidas, vale a pena experimentar as saborosas empanadas feitas no bar (R$ 9,90 a unidade ou R$ 40 o combo com 5). Quem preferir ir de lanche (todos entre R$ 20 e R$ 30), pode provar quatro opções de hambúrgueres, o Philly Steak, com filé mignon, pimentão verde e queijo no pão francês, e o sanduíche de presunto parma e queijo brie, acompanhado de chips de batata-doce, que é uma delícia. Ah, e o Degrau é um ambiente pet  friendly.

Vai lá:
Rua Heliodora, 411 - loja 1, Santana.
Quarta a sábado, das 17h à 1h.
Domingo, das 17h às 23h.
Telefone: (11) 2281-8261

Divulgação
Imagem: Divulgação
Antiquarius Bar

Apesar do nome similar ao restaurante fechado na Alameda Lorena, o Antiquarius é um dos lugares mais simpáticos de toda a Vila Maria Alta. Localizado numa travessa da Avenida Conceição, trata-se de um bar em meio a um antiquário. Enquanto toma sua bebida, você pode conferir o acervo de relíquias do século passado que, infelizmente, não estão à venda. Nas mesas provençais e rústicas são servidas cervejas tradicionais brasileiras e algumas puro malte (R$ 10 a R$ 12). Para comer, o churrasquinho da casa, clássico para os frequentadores, custa R$ 5,80. Outra dica é curtir as variadas cachaças brasileiras do cardápio. Assim como o The Lord, o Antiquarius é adaptado em uma casa. Então não estranhe se os portões estiverem fechados, o espaço é bem privativo e não tem portas abertas para a rua. Mas fique tranquilo: pode entrar e ficar à vontade.

Vai lá:
Rua Estêvão Melio, 591, Vila Maria Alta
Quinta a sábado, das 18h às 0h.
Telefone: (11) 2949-6363

Veja também:

Cultura e lazer