Conteúdo publicado há 3 meses

Vídeo: Homem importuna nutricionista em elevador de prédio comercial no CE

Uma nutricionista foi apalpada por um homem ao sair de um elevador de um edifício comercial em Fortaleza (CE). A ação foi gravada por câmeras de segurança.

O que aconteceu

O caso aconteceu no dia 15 de fevereiro, mas ganhou repercussão nas redes no último fim de semana. No vídeo, é possível ver que a jovem tem as partes íntimas tocadas no momento em que se dirige para a garagem. Ela estava sozinha com o homem, que, após apalpá-la, volta para o elevador e aperta o botão para fechar a porta.

Polícia investiga o caso como importunação sexual e já está na fase final do inquérito. As investigações são feitas pela Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza, confirmou a Polícia Civil do Ceará.

Após o ato, a vítima diz "você está louco?" para o homem, que vai para outra garagem e foge. A mulher começa a pedir ajuda para o funcionários do prédio comercial, relatou o advogado da vítima, Raphael Bandeira, que a representa junto ao sócio David Isidório.

As imagens mostram o homem correndo para o carro e fugindo —e a captura da placa do veículo foi essencial para a identificação. Segundo Raphael Bandeira, a nutricionista também buscou rapidamente obter os vídeos do circuito de segurança do prédio como provas do ocorrido.

"Quando aconteceu, fiquei em choque, sem acreditar", escreveu vítima. A nutricionista publicou os vídeos para os melhores amigos do Instagram, diz advogado, e compartilhou que se sentiu "impotente" diante da agressão.

Mulher não conhecia o homem e tentou evitar exposição nas redes, diz defesa. Ao UOL, Raphael Bandeira explicou que a vítima disse mexer no celular enquanto descia para a garagem justamente para amenizar o desconforto de estar sozinha em um ambiente com um homem. Ela também não queria que o caso repercutisse por ser "muito discreta" com a vida pessoal, e publicou o conteúdo somente para os melhores amigos, explicou o advogado.

Assediador é casado, com alto status social e tem uma filha; ele teria sido demitido após a repercussão do vídeo. A Polícia Civil não confirmou o nome do homem que aparece no vídeo, mas a defesa da vítima recebeu a informação de que ele foi dispensado de um emprego em consultoria de investimentos nesta segunda-feira (18).

Vítima pretende pedir indenização por danos morais. O advogado explica que, além da situação vexatória a qual sua cliente foi exposta, ainda mais após a divulgação massiva do vídeo, a intenção é ressaltar o "viés pedagógico" do processo: um homem com acesso à educação e a uma boa condição de vida também comete atos criminosos contra mulheres, argumenta Bandeira.

Continua após a publicidade

O infrator, o criminoso, ele é casado --tem uma filha, inclusive, e até participa de grupos religiosos. Era uma pessoa que todo mundo que olhasse, assim, [pensaria]: 'não, esse não faria isso, não.' Às vezes, até a própria esposa não tem conhecimento da pessoa que está dormindo com ela. É um absurdo, porque em uma situação dessa ele sabia que tinha câmera, mas ainda assim acreditou na impunidade.
Raphael Bandeira, advogado da vítima

Como denunciar importunação sexual

No Brasil, todo ato sexual sem consentimento é crime. Toques sem permissão, passadas de mão, encoxadas, tentativas de beijo forçado e também casos em que há masturbação ou ejaculação diante da vítima são considerados importunação sexual.

A lei, em vigor desde setembro de 2018, define como crime qualquer ato libidinoso praticado contra alguém e sem a sua anuência. A pena é de 1 a 5 anos de reclusão.

A diferença com relação ao estupro é que, neste, há violência ou grave ameaça. E é considerado estupro de vulnerável — crime ainda mais grave — todo ato libidinoso com menores de 14 anos ou com quem, "por enfermidade ou deficiência mental, não tem o discernimento para a prática do ato, ou não pode oferecer resistência". No assédio sexual, é preciso haver relação hierárquica.

Caso a vítima tenha sofrido violência sem ferimentos graves, ela pode recorrer imediatamente a Delegacia da Mulher, se existir essa unidade em seu município, ou a delegacia de Polícia Civil, para registrar o boletim de ocorrência.

Continua após a publicidade

É indicado reunir testemunhas e apontar eventuais câmeras de segurança, se houver. Mas, como muitas vezes o crime não fica registrado e nem é visto por mais ninguém, a palavra da vítima é considerada suficiente para fazer o registro.

Disque 190

Deve ser acionado em caso de flagrante ou em que a situação de violência esteja ocorrendo naquele momento.

Disque 180

A Central de Atendimento à Mulher funciona 24 horas. A ligação é gratuita, anônima e disponível em todo o país.

Deixe seu comentário

Só para assinantes